Baudelaire e os jovens

Por Ignacio Echevarría

Charles Baudelaire. Foto: Félix Nadar.


 
Nascido trinta anos antes de Rimbaud, que o considerava “o primeiro vidente, rei dos poetas, um verdadeiro deus”, a figura de Baudelaire não foi atravessada, como a de Rimbaud, pelo mito da juventude. E isso apesar da atração que o romantismo e alguns de seus heróis exerceram sobre Baudelaire.
 
Quando jovem, ele próprio cumpriu todos os requisitos que, desde o início do século XIX, caracterizam o jovem artista: era rebelde, dissoluto, bagunceiro; confrontou os pais, participou dos motins revolucionários de 1848, pertenceu à boemia literária; exerceu a iconoclastia, cultivou a ousadia, a impertinência, o desdém; experimentou todos os tipos de drogas, frequentou os bordéis, jogou dandismo...
 
Nada disso, no entanto, imprimiu a inclinação da juventude em seu porte. A imagem que temos dele é a de um adulto prematuramente envelhecido, com um olhar intenso, crispado, tenso. Baudelaire deixou imediatamente de ser jovem, e dir-se-ia que nunca pretendeu ser.
 
“A juventude, nestes tempos, inspira-me, pelos seus novos defeitos, uma desconfiança já justificada por quem a distinguiu em todas as épocas. No contato com a juventude, sinto o mesmo mal-estar de quando encontro um colega esquecido que virou corretor da bolsa, com quem vinte ou trinta anos não me impedem de conhecer ou de me dar um tapa na barriga. Simplificando, sinto que estou em má companhia.”
 
Baudelaire escreve estas palavras em 1861, aos quarenta anos, numa resenha do primeiro romance de um jovem escritor que ajudou a promover: Léon Cladel. É um texto muito interessante, visto que o romance em questão, Os mártires ridículos, traça o retrato de um certo setor da juventude da época, a “juventude literária”, da qual Baudelaire diz:
 
“Com absoluta confiança na genialidade e inspiração, este jovem assume o direito de não se submeter a nenhuma ginástica. Ele ignora que o gênio deve, como o charlatão aprendiz, arriscar-se a quebrar o pescoço mil vezes em segredo antes de dançar diante do público; em uma palavra, essa inspiração nada mais é do que a recompensa do exercício diário. Ele tem maus hábitos, amores ridículos, tanta tolice quanto preguiça, e molda sua vida ao padrão de certos romances”.
 
Baudelaire aproveita a ocasião para distinguir, dentro da boa sociedade parisiense, quatro “juventudes” diferentes: “Uma é rico, tola, ociosa, e não cultua outras divindades além da libertinagem e da gula, essas musas do velho sem honra: esta não nos interessa para nada. Há outra tola, sem outra preocupação além do dinheiro, a terceira divindade do velho; esta, destinada a fazer fortuna, não nos interessa mais do que o anterior”.
 
A terceira espécie de jovens, segundo o reacionário Baudelaire, é a dos que são animados pela paixão política e “aspiram a fazer o povo feliz”. E a quarta, a retratada por Cladel.
 
Quinze anos antes, em 1846, ou seja, quando ele mesmo era jovem, Baudelaire havia dirigido alguns sábios conselhos aos membros dessa “juventude literária” que, lidos hoje, continuam válido.
 
Leia aqueles que, como ele, aspiram a fazer um lugar para si no “mundinho” literário. Aqui me limitarei a destacar um desses “Conselhos aos jovens escritores”. Tem a ver com a irritação produzida pela fortuna de certos talentos que triunfam sob o manto dos modismos.
 
Baudelaire recomenda não ceder a essa irritação e, em vez disso, aconselha o jovem escritor a se esforçar “para despertar o mesmo interesse com novos meios”; esforçando-se para obter, apesar de nadar contra a corrente, “uma força igual e ainda maior na direção oposta”.


* Este texto é a tradução livre de “Baudelaire y los jóvenes”, publicado aqui em El Cultural.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boletim Letras 360º #498

Os nomes que fizeram o nome Saramago

Os mistérios de “Impressão, nascer do sol”, de Claude Monet

Boletim Letras 360º #496

“Nosso trabalho ao escrever é funcionar como um canal para que a literatura exista”. Entrevista a Enzo Maqueira

Boletim Letras 360º #495