O universo de Bruno Schulz

Por Sergio Pitol

Bruno Schulz, Autorretrato, 1920. Arquivo: Museu Nacional da Cracóvia.


 
No panorama da literatura polonesa de vanguarda, que decorreu no período entre as duas grandes guerras, destacam-se três figuras insólitas, totalmente diferentes entre si, cuja obra começa a ser devidamente apreciada apenas nos últimos anos. São eles: Stanisław Ignacy Witkiewicz, Witold Gombrowicz e Bruno Schulz. A obra desses três “excêntricos”, repleta de aparentes jogos, paródias, caricaturas, exageros levados à última instância, oferece-nos a mais rica fonte de ideias de todo aquele período. Antecipando-se em um quarto de século à literatura francesa, inglesa e norte-americana do absurdo, eles nos oferecem um antegozo do trágico absurdo em que o homem real se veria submerso alguns anos depois. O terror diante de um mundo que vai transformar o homem em coisa e, como coisa, em algo incapaz de sentimentos, alheio às ideias, radicalmente negado ao fantástico e à poesia e ao intelectual — no melhor dos casos — em um robô a serviço dessa coisa.
 
Nada em sua vida, exceto talvez seu final absurdo, sugere uma ligação entre a existência opaca desse obscuro mestre de desenho de uma pequena cidade provinciana e sua obra fantasmagórica. Schulz nasceu numa família de judeus em 1893, em Drohowicz, na Galícia, quando aquela região ainda pertencia ao Império Austro-Húngaro. Mal chegou a 1918 e sua cidade foi reintegrada à Polônia. Com exceção de uma estada de dois anos em Viena, realizada na adolescência para estudar na Academia de Belas Artes, Schulz não deixou sua cidade natal, exceto em viagens muito pontuais a Varsóvia ou Lwow e durante uma estadia de três semanas em Paris. Tímido até o ponto de vista patológico, seus dois livros de contos foram publicados quase por acaso, patrocinados por alguns amigos que conheciam os manuscritos. Ao aparecer Lojas de canela, Schulz foi aclamado pela elite cultural polonesa como um notável inovador. Porém, durante a vida do autor, por motivos diversos, sua obra não transcendeu um pequeno grupo de “conhecedores”. Com a eclosão da guerra, ele foi retido no gueto de sua cidade natal, onde em 1942 foi assassinado por um agente da SS.
 
Além de Lojas de canela, publicado em 1934, e Sanatório sob o signo de clepsidra, de 1937 —este último galardoado com o prêmio da Academia Polonesa de Literatura —, restam apenas alguns rascunhos, cartas, fragmentos e uma boa coleção dos seus desenhos. Todo o resto foi permanentemente perdido durante a ocupação alemã. A fama de Bruno Schulz também não começaria até muitos anos depois do seu fim trágico. No final da guerra, sua obra, quase desconhecida, não pôde ser publicada por muitos anos. De modo algum se encaixava no quadro obtuso do stalinismo. As acusações mais repetidas sobre seus livros eram as de formalista e decadente. Moralmente, sua obra era nociva: vários de seus contos revelavam certas obsessões de cunho masoquista. Não veio até 1964 quando a primeira edição completa de sua prosa foi feita. Mas já em 1961, na França, Maurice Nadeau havia publicado em sua coleção Les Lettres Nouvelles uma ampla seleção de seus contos sob o título Tratado de los maniquíes (Tratado de manequins). Nadeau comparava o autor com Franz Kafka e o situava na mais alta hierarquia dos criadores europeus contemporâneos.
 
De certa maneira, começa aí a fama. Logo depois, apareceram as traduções para o inglês, alemão, italiano, até chegar em quase todas as línguas europeias.
 
Os dois livros de contos de Schulz são uma rara incursão no mundo da infância. O universo é a província. Uma família de judeus: o pai, a mãe, um irmão, a tia Pelagia, a criada Adela, são os personagens. Numa pintura provinciana estática, turva, imobilizada, onde nada acontece, Schulz, através de uma linguagem quase mágica, introduz-nos numa esfera onde a realidade é ela própria e ao mesmo tempo a sua caricatura. Com uma atenção minuciosa aos detalhes e uma verve verbal que chega à exasperação, ele cria uma realidade sempre diferente: fantástica, absurda, cheia de tensões, humor trágico, nunca patética porque uma ironia brutal o impede, risível e colorida com um erotismo perturbador. Cada conto começa com os projetos do pai para tentar criar um universo diferente daquele que o ambiente que o cerca impõe e termina com sua derrota final infligida pelo “bom senso” de Adela, a criada, a torturadora, diante do olhar do menino que permanece sempre como testemunha. É a parábola permanente do sonho abatido e castigado pelo “sentido comum”.
 
O mundo de Schulz tem sido repetidamente comparado ao de Kafka. Ambos os universos têm pontos em comum: a mesma formação cultural austríaca, os dois autores pertenceram ao mesmo tipo de burguesia, de costumes, ambos eram marcados pela mesma religião. Em ambos, a figura paterna é obsessiva. Mas em Schulz o elemento trágico é cuidadosamente escondido; os personagens não transitam para um pathos, suas derrotas são sempre jocosas; há também o elemento erótico que nele desempenha um papel muito importante e que quase não existe nas narrativas de Kafka.
 
A obra de Schulz é uma das expressões mais vigorosas de uma individualidade criativa. Seus livros chegam a constituir uma mitologia poética. Um mundo perfeitamente moldado, expresso de uma das formas mais originais que se pode conceber.
 
As duas coletâneas, Lojas de canela e Sanatório sob o signo de clepsidra não têm nada em comum com nenhuma outra imersão na infância que eu conheça. Cito sobre isso um comentário de Jerzy Ficowski, um dos mais credenciados conhecedores de Schulz:
 
“O conto schulziano surpreende pela sua veracidade artística, nunca rompe o vínculo com a essência das coisas de onde brotou e das quais é prolongamento e interpretação poética. A realidade dessas histórias admite amplas possibilidades de transformação da matéria, de extensão e encolhimento no tempo, em suas ‘ramificações laterais’, as metamorfoses, a mistura de diferentes seres. O pai vira barata; o condor, caranguejo; a tia Pelagia se transforma em um monte de cinzas sob a influência da raiva que a consome internamente. O ato poético assume nessa prosa sensual as aparências de um processo cognitivo.”
 
Alguns críticos apontaram que Schulz levanta um protesto contra a degradação do homem ao pintar seus fracassos, suas derrotas, sua queda. Não sei até que ponto isso pode ser verdade, mas me parece que são expressões artificiais para defender a obra de Schulz do anátema oficial, cobrindo-a com um humanitarismo entusiástico. Não sei até que ponto pode ser exato que descrever uma condição seja denunciá-la. Tampouco estou seguro do contrário, o que fica é a impressão de conhecer poucas obras tão impiedosas, implacáveis ​​e sem esperança como as desse obscuro judeu da Galícia polonesa.
 
Um conflito central é que, em última análise, o de todos os tempos, o de todas as gerações, o mesmo que atormentou Shakespeare e Balzac, Lawrence e Camus, é revelado de forma palpável nesses contos. A extinção de um mundo, de uma moral, diante daquele que deveria suplantá-la está claramente definida e enraizada. As sombras — não personagens — de Schulz movem-se fantasmagoricamente, à deriva, enquanto outras personagens —figuras essas bem específicas — semelhantes a manequins, as substituem. E a vida torna-se uma repetição incessante, monótona e cruel desse jogo insensato de substituições.
 
Schulz é o evocativo da vida patriarcal de outrora, carregada de aromas, empanturrada de memórias, das lojinhas de canela onde uma carga acumulada de fantasia vem à tona nas mais divertidas extravagâncias, e ao mesmo tempo é o adivinho de um mundo mecânico. Onde a única coisa que faz sentido é agir, fazer. Desse antagonismo surgiram suas estranhas e belas narrativas.

Ligações a esta  post:
>>> Notas sobre a ficção completa de Bruno Schulz


* Este texto e á a tradução livre para “El universo de Bruno Schulz” publicado originalmente na revista La palabra y el hombre.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boletim Letras 360º #567

Boletim Letras 360º #572

Boletim Letras 360º #570

A bíblia, Péter Nádas

Pureza, de Garth Greenwell

Boletim Letras 360º #568