Boletim Letras 360º #550

Bernardo Carvalho. Foto: Edilson Dantas





LANÇAMENTOS
 
O novo romance de Bernardo Carvalho é descrito como feroz e comovente sobre as complexas relações entre pai e filho.
 
Durante a ditadura brasileira, um pai e seu filho de onze anos partem numa viagem à Amazônia. Num bimotor sobrevoam a floresta. O pai, um empresário em conluio com militares ligados ao governo, tem a tarefa de negociar a madeira da região com grupos estrangeiros. Enquanto o país sucumbe em tenebrosas transações, o menino se envolve mais e mais na leitura de uma novela de ficção científica na qual, após o fim do nosso planeta, um grupo de eleitos parte numa jornada exploratória do espaço. Tensionada todo o tempo entre a perspectiva do menino que vive a história enquanto ela acontece e a do adulto que rememora, a voz que narra este romance nos convida a olhar para a tragédia de um país. Reflexão incômoda sobre a história do Brasil dos últimos sessenta anos, Os substitutos mescla temas ecológicos urgentes, personagens dispostos a tudo por poder e dinheiro e, sobretudo, a emocionante história de um pai e um filho. Com este romance, Bernardo Carvalho chega ao lugar mais íntimo e poderoso de sua obra. Publicação da Companhia das Letras. Você pode comprar o livro aqui.
 
Dois livros acrescentam a presença da obra de Flannery O’Connor no Brasil.
 
1. Mistério e costumes reúne escritos dispersos (palestras, artigos, cartas, prefácios) em que Flannery reflete sobre sua arte. Organizado por um ilustre casal de amigos seus, o poeta Robert Fitzgerald e a editora Sally Fitzgerald, o volume inclui nesta edição um extenso prólogo biográfico-literário do crítico Stanley Edgar Hyman. Vemos ao longo da obra considerações mais atentas sobre preocupações primeiramente aludidas no Diário, como sobre a expressão do Mistério concedida por criadores de uma literatura desencantada, por exemplo Franz Kafka. E, sobretudo, o testemunho de O’Connor quanto ao Mistério que sua criação mesma buscava encarnar. Espécie de testamento literário que, em vez de escrito de uma única vez, foi dispersamente elaborado no curso da breve vida de Flannery O’Connor, a coletânea torna acessíveis em livro ocasiões raras. Aqui os leitores a têm por um instante como professora de redação de contos, em uma aula que inclui seu parecer a manuscritos entregues pelos alunos de uma oficina de escrita. Também como uma autora consagrada que, convidada a um ciclo de bate-papos chamado Como Escreve o Escritor..., oferece um depoimento franco sobre sua relação com a literatura. Ainda, como figura pública indignada com o editorial em que uma revista lamentava que a prosperidade econômica dos Estados Unidos não fosse retratada nas ficções produzidas no país. Como artista impactada por uma história real que se recusara a escrever mas para cujo registro em livro redigiu uma iluminadora introdução. E, entre outras amostras valiosas, como pura e simplesmente escritora em atividade: com uma deliciosa crônica sobre a atividade rural que a acompanharia durante a vida toda, como criadora de pavões. Tradução de William Campos da Cruz. Você pode comprar o livro aqui.
 
2. Nos celebrados contos e romances de Flannery O’Connor, uma das características mais notórias é a intensidade. A autora imprime sobre suas narrativas a dimensão brutal da experiência humana, tanto mais quanto maior a preciosidade com que retrata a Graça que se insinua no mundo. No fundo, é como se sua imaginação se desdobrasse como um diálogo, quem sabe até um confronto, com a presença divina. É como se a força criativa por trás de sua obra só se achasse em estado puro quando sob forma de prece. Daí o valor da redescoberta, décadas após seu falecimento, deste Diário de Oração. Escrito no momento-chave de sua trajetória — quando ingressava na vida adulta, conhecia a universidade, descobria o mundo urbano e escrevia a sua obra-prima, Sangue Sábio —, o caderninho de orações é uma amostra em ato de sua pungência interior. Nele, que tem o fac-símile do original manuscrito exibido na íntegra por esta edição, O’Connor confessa seus receios, vocaliza seus desejos, comenta suas descobertas, examina suas intenções: uma realização espiritual rara, um subsídio literário único. Qual terá sido o impacto, sobre uma escritora ardentemente religiosa, da leitura de uma obra desencantada como a de Franz Kafka? Quais terão sido as perspectivas abertas, sendo ela católica em plena América protestante, pela descoberta de franceses como Léon Bloy e Georges Bernanos? Como apareceria para uma espiritualidade e para uma visão literária como as dela a possibilidade de um fim tragicamente precoce como veio a ser o seu? Perguntas como essas, de inestimável interesse a quem aprecie a obra ficcional de Flannery O’Connor, estão vivencialmente respondidas neste escrito — só tornado público nos anos 2010 —, o Diário de Oração. Aqui a autora exprime seus conflitos na medida mesma em que os experimenta, e elabora sobre a literatura e sobre a vida uma visão de que ela própria acabou sendo prova: que as dores do mundo são cruéis e inevitáveis, mas suportá-las é uma forma de apreensão, às vezes até de expressão, da Graça. Tradução de Hugo Langone. Os dois livros saem pela É Realizações. Você pode comprar o livro aqui.
 
A estreia de Luciana Strauss entre os leitores brasileiros.
 
A entidade é um típico prédio público estatal, com pouca entrada de luz natural, mobiliário antigo e paredes descascadas. Entre pastas, arquivos e processos, um grupo de funcionários luta, sem nenhum escrúpulo, para obter uma parcela a mais de privilégio. Um malandro viciado em poder, uma antropóloga que exige seu reconhecimento profissional, uma funcionária antiga que busca adiar sua aposentadoria por dez anos… Alianças e estratégias abrem caminho entre os prados de erva-mate e os quilômetros de fio dental que demarcam a linha divisória entre o real e o fantástico: é no Inferno que funciona o RH da repartição, e os recônditos de uma gaveta abrigam entidades mágicas em guerra. Vítimas da própria paranoia, os personagens de Strauss cativam por sua originalidade, e o absurdo é parte deste cotidiano forjado em burocracia estatal e delírio lisérgico. Com tradução de Marina Waquil, A entidade da escritora argentina Luciana Strauss sai pela editora DBA. Você pode comprar o livro aqui.
 
Um novo título de Wittgenstein pela editora Fósforo.
 
No longo processo em que Wittgenstein se ocupa de algumas de nossas certezas mais banais — “Eu sei qual é o meu nome”, “Existem objetos físicos” —, nós o vemos chegar a um espantoso resultado: a expressão linguística dessas certezas inevitavelmente irá nos trair. No exato momento em que julgamos manifestar as verdades mais triviais, nossa linguagem demonstra sua precariedade e simplesmente falha. Mas isso não significa, o filósofo insiste, que deveríamos suspeitar de tais certezas. Significa apenas que nossa confiança deve repousar não na linguagem (em nossa expressão da certeza), mas em nossa ação (no que fazemos ao agir com certeza). “No princípio era o ato.” Neste verso, que Wittgenstein empresta de Goethe, manifesta-se talvez o leitmotiv deste livro. O que ele nos diz é que qualquer tentativa de apontar para os fundamentos de nossas certezas terá que ir além da linguagem. Não na direção de algum tipo de transcendência; tampouco na direção de qualquer esfera que se possa chamar de conceitual. Antes, há um mistério que teremos de resgatar daquele verso do Fausto: até mesmo o que nos parece mais evidente, até mesmo o que nos parece pura e simplesmente lógico, só pode revelar-se em nossa ação. No modo contingente e humanamente instável como agimos. Que o leitor não se deixe enganar pela simplicidade desse resultado. A partir dele, Wittgenstein oferece respostas profundas a alguns dos mais sérios (e antigos) desafios de céticos e realistas. Ao reavaliar o papel que a certeza desempenha em nossos jogos de linguagem, o grande filósofo reformula, com surpreendente originalidade, uma de suas intuições mais fecundas, que o acompanha desde seus primeiros escritos. Em um embate de dois anos consigo mesmo, registrado em anotações que se estendem até a véspera de sua morte, ele nos leva a ver por um novo ângulo o caráter a um só tempo evidente e indizível de nossas certezas fundamentais. A tradução, organização, apresentação e vocabulário crítico de Sobre a certeza são de Giovane Rodrigues e Tiago Tranjan. Você pode comprar o livro aqui

Livro reúne um conjunto de cartas escritas pelo jovem Édouard Manet durante sua viagem ao Rio de Janeiro em meados do século XIX, anos antes de se tornar o artista que revolucionou a pintura ocidental.

O pintor francês que viria a se tornar um ícone da Modernidade, quando jovem, desenhava apenas nas horas vagas e sonhava com uma carreira na marinha. No decorrer da viagem, enviava à família seus relatos sobre a rotina e as aventuras no navio Havre et Guadeloupe, bem como suas impressões sobre a capital fluminense, seus habitantes, o regime escravocrata e os costumes do povo carioca, incluindo o carnaval. Escritos com o ímpeto das marés, no balanço do navio, os dez lotes de cartas de Manet no Rio revelam a ânsia do adolescente por se estabelecer na carreira náutica, algo que não se concretizou, pois, para o bem da pintura moderna, o aspirante foi reprovado duas vezes no exame de admissão da marinha francesa. Em terras fluminenses, Manet se depara com um mundo completamente novo, hesitando entre o encanto e o desprezo. Exceto pela menção ao “espetáculo da natureza mais bela do mundo”, o jovem parece não se entusiasmar muito, a ponto de ridicularizar a elite brasileira, sua mesquinhez e certo aspecto amador das artes e da arquitetura. Diferentemente das cartas de Saint-Hilaire, botânico que explorou o Brasil no começo do século XIX, ou dos supostos relatos de Hans Staden no século XVI, os problemas retratados pelo então jovem marujo se revelam atuais. Profundamente chocado com a escravidão, Manet não descreve a seus pais um Brasil hospitaleiro nem cordial, mas uma sociedade luso-brasileira escravocrata, tacanha e grosseira. O prefácio à nova tradução de Régis Mikail é assinado por Alecsandra Matias. Em seu texto “O preto não é uma cor”, a autora aborda de maneira original e inédita a noção da ausência de cor segundo Manet e o espanto do pintor com a escravidão, ambos elementos-chave para discussões atuais, notadamente no que diz respeito à questão pós-colonial. O livro se encerra com um posfácio de Felipe Martinez, que situa a obra de Manet na história da arte, falando sobre quadros relevantes do artista que causaram polêmica, tanto pelo tema quanto por sua maneira de pintar. Publicação da editora Ercolano. Você pode comprar o livro aqui.

 
A núcleo duro da vida brasileira.
 
A história de uma trabalhadora doméstica brasileira que, vivendo na periferia, ocupa o centro da vida social graças à sua sensibilidade, simpatia e humanidade. É um romance sobre o sentido da emoção e da inteligência na realidade mais cotidiana. Num tom de crônica sobre a periferia, trazendo muito mais do que as questões graves que assolam esse espaço social, dando lugar para a delicadeza e o registro cômico, Lilia Guerra constrói aqui um riquíssimo painel da vida brasileira. O céu para os bastardos sai pela editora Todavia. Você pode comprar o livro aqui.
 
Livro recolhe homenagens à professora Eneida Maria de Souza.
 
Eneida sempre esteve ligada às formas sensíveis do mundo e se valeu da crítica literária e cultural para abordá-las. Participante ativa de uma geração críticos com formação acadêmica efetuada na passagem do estruturalismo para o pós-estruturalismo, ela transitou entre saberes e disciplinas, tendo sido umas das protagonistas entre nós da polêmica virada que abre o campo de pesquisa dos objetos literários para os culturais. Da leitura estrutural à intertextualidade, do prazer do texto ao biografismo e aos arquivos literários, da análise sociológica à desconstrução, de Mário de Andrade ao audiovisual contemporâneo, as sobreposições e os deslocamentos teóricos realizados em seu percurso cifram inquietudes e querelas constitutivas do meio literário nas últimas cinco décadas no Brasil. Com a publicação de Uma crítica cult, seus ex-alunos, amigos e colaboradores fazem um agradecimento à querida mestra e destacam sua imensurável contribuição ao campo dos estudos literários no Brasil e no exterior. Nesta obra, composta de vinte e dois textos de diferentes naturezas, há uma amostra significativa da presença de Eneida na vida e no trabalho de cada um dos autores. Uma homenagem materializada no objeto que ela mais amou — o livro — por algumas das muitas pessoas que tanto a amaram. Livro sai pela editora Autêntica. Você pode comprar o livro aqui.
 
REEDIÇÕES
 
Nova edição do livro de Alberto Mussa que reconstrói o mito tupinambá e nos coloca em contato com uma cultura determinante para a formação do povo brasileiro.
 
Em Meu destino é ser onça, Alberto Mussa nos transporta para um dos momentos mais decisivos da formação do Brasil, pondo-nos em contato com uma cultura que sofreu reveses incalculáveis, mas, mesmo martirizada, foi capaz de moldar a brasilidade de maneira incontornável. Como brasileiros, somos, inevitavelmente, descendentes desse povo guerreiro que lutou por liberdade e sobreviveu, contra todas as probabilidades, para seguir contando sua história e honrando seu legado. Após estudar os fragmentos de registros sobre a cultura indígena da baía de Guanabara, feitos pelo frade André Thevet, em 1550, e cotejá-los com as demais fontes dos séculos XVI e XVII, Alberto Mussa reconstitui o que teria sido o texto original de uma narrativa tupinambá. Esses escritos decifram o mundo construído pelas divindades Maíra e Sumé, além de informar sobre o surgimento desse povo nativo que se estabeleceu no litoral. Vindos da Amazônia, onde viviam há pelo menos 11 mil anos, os tupinambá se constituíam em grupos diversos e autônomos, falantes do tupi-guarani, que se espalharam pelo país. Eles acumularam um conhecimento tão precioso sobre o território que se tornou base para o estabelecimento de nossos primeiros centros coloniais do século XVI. Influenciaram, assim, a língua falada, as trocas comerciais, o nomes topográficos, as disputas territoriais, a administração de aldeamentos e feitorias, a alimentação, e demais costumes dos brasileiros, entre eles, o banho e a depilação. Aqui, conhecemos como esses indígenas influentes conceberam a criação do mundo e quais foram os acontecimentos míticos decisivos que fundamentaram sua cosmovisão. Principalmente, entendemos por que os tupinambá eram antropófagos e quais deidades os orientavam sobre o consumo da carne humana dos vencidos na guerra, cumprindo seu destino de ser onça. O livro sai pela Civilização Brasileira. Você pode comprar o livro aqui.
 
RAPIDINHAS
 
Roberto Bolaño inédito. A Companhia das Letras se prepara para publicar O gaucho insofrível, livro que reúne cinco contos e duas conferências.
 
Mircea Cărtărescu inédito. A Mundaréu anunciou para 2024 a publicação de Solenoid, o livro mais aclamado do escritor romeno; um romance situado na Romênia comunista de entre os anos 1970-1980 que investiga o individual e o coletivo a partir de uma figura social comum.

Edgar Allan Poe. A Carambaia se prepara para recolocar em circulação a tradução de José Marcos Mariani de Macedo, editada pela extinta Cosac Naify, do único romance do escritor estadunidense. Será uma edição ilustrada por Elisa Carareto.

DICAS DE LEITURA
 
Na aquisição de qualquer um dos livros pelos links ofertados neste boletim, você tem desconto e ainda ajuda a manter o Letras.
 
1. Meus dias com os Kopp, de Xita Rubert (Trad. Elisa Menezes, DBA, 115 p.) O complexo trânsito de uma adolescente pela vida adulta a partir de uma viagem com o pai e os Kopp, uma abastada família inglesa de intelectuais. Você pode comprar o livro aqui
 
2. Vento de queimada, de André de Leones (Record, 518 p.) A história de Isabel, uma mulher implacável exposta desde a infância a uma realidade de violência, do âmbito familiar à sua ordem social. Você pode comprar o livro aqui
 
3. O dinheiro, Émile Zola (Trads. João Alexandre Peschanski e Nair Fonseca, Boitempo, 416 p.) A especulação financeira na época em que Paris operava uma das mais importantes bolsas de valores do mundo a partir da figura de Aristide Saccard, um homem que alcança vertiginosamente outro patamar de riqueza e prestígio social. Você pode comprar o livro aqui
 
VÍDEOS, VERSOS E OUTRAS PROSAS
 
A Folha de São Paulo divulgou um manuscrito inédito de Caio Fernando Abreu. O texto de junho de 1989 foi descoberto pela irmã do escritor, Márcia de Abreu Jacinto. Leia aqui

Para quem quiser se decidir pela aquisição de Meus dias com os Kopp ou não, quer apenas o gosto de boa entrevista, fica a recomendação da conversa entre Tamy e a escritora espanhola, acessível por aqui
 
BAÚ DE LETRAS
 
Neste 23 de setembro de 2023, passam-se cinquenta anos da morte de Pablo Neruda. Referido diversas vezes neste blog, incluindo o acompanhamento de todo imbróglio policial envolvido na sua morte, se de causas naturais ou armação da ditadura. Para ocasião citamos duas entradas: sobre os aparecidos poemas inéditos de 2015, aqui, e a publicação desse material em Teus pés toco na sombra no mesmo ano, aqui.

Em 2014, a Disal reeditou um dos mais conhecidos romances de Émile Zola, A besta humana. Na ocasião, o livro foi comentado aqui no Letras.

Antes de Os substitutos, romance que chega agora aos  leitores, Bernardo Carvalho publicou O último gozo, narrativa em parte marcada pela pandemia de Covid-19. Comentamos sobre o livro aqui.   

DUAS PALAVRINHAS
 
Isso é parte da beleza de toda a literatura. Você descobre que seus desejos são desejos universais, que você não está só e isolado de todo o mundo. Você pertence.
 
— F. Scott Fitzgerald, correspondência para Sheilah Graham


...
CLIQUE AQUI E SAIBA COMO COLABORAR COM A MANUTENÇÃO DESTE ESPAÇO
Siga o Letras no FacebookTwitterTumblrInstagramFlipboardTelegram

* Todas as informações sobre lançamentos de livros aqui divulgadas são as oferecidas pelas editoras na abertura das pré-vendas e o conteúdo, portanto, de responsabilidade das referidas casas.

Comentários

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

“O cortiço” como expositor das mazelas e injustiças sociais

Boletim Letras 360º #588

Boletim Letras 360º #582

O vermelho e o negro, de Stendhal

Boletim Letras 360º #587

Sobre um retrato de Machado de Assis