Biografia de Saramago

Por Ana Dias Cordeiro




Para conhecimento do escritor, tinham já sido escritos vários livros, alguns de entrevistas, ou teses de doutorado sobre José Saramago e a sua obra. Hoje é lançada a Biografia - José Saramago pelas Edições Pluma/Guerra e Paz, "a primeira", segundo o autor João Marques Lopes, por ser até hoje a única a analisar a obra completa do escritor nascido em 1922.

A biografia, diz João Marques Lopes, lembra, além das obras, o papel da poesia, das crônicas no “Jornal do Fundão” e na “Capital” e da crítica literária na revista “Seara Nova” ou dos editoriais no “Diário de Lisboa” no percurso de José Saramago.

E retrata a infância na aldeia ribatejana da Azinhaga, em Golegã, a morte trágica do irmão mais velho quando Saramago tinha apenas quatro anos, a juventude em Lisboa e as adversidades da família, a importância de cada um dos seus familiares como a avó Josefa e o avô Jerónimo "capaz de pôr o universo em movimento apenas com duas palavras". Conta, muitos anos mais tarde, o encontro com a segunda mulher, Pilar del Río, após o divórcio de Ilda Reis e uma longa relação com Isabel da Nóbrega e a ida para Lanzarote.

Mas o livro debruça-se, sobretudo, sobre o mundo e as personagens dos livros de Saramago e a realidade política que moldou o militante para além do escritor, poeta e dramaturgo que foi também crítico literário, cronista e pensador. Saramago como Jean-Paul Sartre são "intelectuais totais", escreve Marques Lopes. Com uma diferença: Saramago, ao contrário de Sartre, partiu do nada como revela a impossibilidade de tirar um curso superior ou a necessidade, já referida pelo próprio em Cadernos de Lanzarote, de ir à Sopa dos Pobres.

O livro põe em perspectiva essa imagem de um sobrevivente e autodidata - nota o tempo passado nas bibliotecas - que supera críticas e adversidades e é distinguido com muitos outros prémios antes de receber o Nobel da Literatura em 1998.

João Marques Lopes - que tem publicadas biografias de Almeida Garrett, Fernando Pessoa e Eça de Queirós - nota episódios menos conhecidos de Saramago como a recusa de uma oferta milionária para a adaptação de O Memorial do Convento para o cinema.

E realça o lado humanista do escritor que transporta para os livros personagens simples e anônimas, próprias de uma rudeza da vivência rural. "Sobre todos [os familiares mais próximos], Saramago deixaria algo escrito", lê-se na biografia.

O livro retrata com algum pormenor o percurso político do escritor, com a sua ligação ao PCP, a passagem pela direcção do “Diário de Notícias”, que coincidiu com o PREC e o Verão Quente de 1975 e que motivou acusações contra Saramago de ser um agente mandado para impor uma política ditada pelo PCP. Nesta passagem, o livro foca em especial o caso do saneamento dos jornalistas que se opunham à linha editorial do jornal e explica que o papel do escritor nesses saneamentos foi enquanto participante num "ato coletivo" e não como responsável. Essa é uma das duas polêmicas no percurso de Saramago referidas em pormenor neste livro. A outra é a do veto do Governo português em 1992 à candidatura do livro O Evangelho segundo Jesus Cristo para o Prémio Literário Europeu.

O autor escreve com base nos livros já escritos sobre o escritor, nas suas obras, nas suas crônicas e em conversas com pessoas que lhe são próximas mas que não revelam o nome. Os pedidos de entrevistas ao escritor ficaram sem resposta.

Embora João Marques Lopes recuse a ideia de esta ser uma biografia em homenagem a Saramago, nota-se neste retrato um tom de elogio - o mesmo que o autor confirma em entrevista ao P2 ao realçar "a capacidade do escritor em se fazer a si próprio" e "a firmeza e a confiança de Saramago nos seus projectos literários".

Saramago começa com Terra do Pecado, em 1947, e mais tarde, em textos de prosa e poesia, mostra-se alheio às tendências da literatura, mas resiste e afirma-se, em 1980, com Levantado do Chão e, depois, Memorial do Convento, como portador de uma inovação criadora e um estilo único com nome próprio - "estilo saramaguiano".


* Texto publicado inicialmente no diário português P2.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Os melhores de 2018: poesia

Joker

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath