O pântano, de Lucrecia Martel



Da elogiadíssima nova safra do cinema argentino, a diretora e roteirista Lucrecia Martel é talvez o principal destaque individual, aquele que mais tem se preocupado em criar um universo ficcional próprio e original. Em seus dois longas, O pântano (2000) e A menina santa (2004), ambos passados no norte da Argentina (região onde nasceu), há uma semelhança no trato da dissolução dos relacionamentos familiares, na influência da culpa católica e também em ambientações particulares, como a presença de piscinas.

O pântano, o mais cultuado dos dois, conta a história de duas matriarcas e suas famílias desajustadas que passam alguns dias na úmida cidade de La Ciénaga (título original da obra). Mecha (Graciela Borges) observa, literalmente inerte, quase sem se levantar da cama, o marido se afundar no álcool e a relação incestuosa entre os filhos. Já Tali (Mercedes Morán), tenta se dedicar ao máximo à família, e ainda assim, não consegue impedir um acidente doméstico com o filho. Os personagens estão acomodados no sofrimento, algo que Lucecia Martel afirma perceber no povo argentino.

A cineasta não se preocupa em ser agradável. O ambiente é claustrofóbico: latidos, zunidos, corpos se quebrando, em um estado permanente de ebriedade - seja química, seja moral. E, apesar da decadência das relações, há um forte vínculo físico, com os personagens sempre se tocando. O pântano  ganhou o prêmio Alfred Bauer, dedicado a diretores estreantes, no Festival de Berlim de 2001.

*Revista Bravo! 2007, p.108

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #328

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #325