A 18, encontro com José Saramago (VII)

Iniciativa posta na rede desde o dia 18 julho de 2010; todo 18 de cada mês durante noves meses leitores saramaguianos do mundo inteiro reúnem-se para ler um fragmento de sua obra e brindá-lo com uma taça de vinho. Este blog segue a iniciativa.

Como até fim desse mês estou com a recepção de textos para a edição especial do Caderno-revista 7faces que tratará da poesia saramaguiana, o fragmento que leio hoje é, na verdade, um poema do escritor que está em Provavelmente alegria



E vós, Tágides minhas, pois criado /Tendes em mim um novo engenho ardente (Camões, Os lusíadas)
Imagem: Camões invocando as Tágides, 1894, Columbano Bordalo Pinheiro (pintor naturalista e realista português, 1857-1929), óleo sobre tela, Museu de Grão Vasco, Viseu, Portugal






Poema para Luís de Camões

Meu amigo, meu espanto, meu convívio,
Quem pudera dizer-te estas grandezas,
Que eu não falo do mar, e o céu é nada
Se nos olhos me cabe.
A terra basta onde o caminho pára,
Na figura do corpo está a escala do mundo.
Olho cansado as mãos, o meu trabalho,
E sei, se tanto um homem sabe,
As veredas mais fundas da palavra
E do espaço maior que, por trás dela,
São as terras da alma.
E também sei da luz e da memória,
Das correntes do sangue o desafio
Por cima da fronteira e da diferença.
E a ardência das pedras, a dura combustão
Dos corpos percutidos como sílex,
E as grutas do pavor, onde as sombras
De peixes irreais entram as portas
Da última razão, que se esconde
Sob a névoa confusa do discurso.
E depois o silêncio, e a gravidade
Das estátuas jazentes, repousando,
Não mortas, não geladas, devolvidas
À vida inesperada, descoberta.
E depois, verticais, as labaredas
Ateadas nas frontes como espadas,
E os corpos levantados, as mãos presas,
E o instante dos olhos que se fundem
Na lágrima comum. Assim o caos
Devagar se ordenou entre as estrelas.

Eram estas a grandezas que dizia
Ou diria o meu espanto, se dizê-las
Já não fosse este canto.

 
Poema publicado no blog-espaço Um caderno para Saramago, aqui.
Para saber informações de como deve proceder com a submissão de textos à edição especial do Caderno-revista 7faces, clica aqui.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cortázar forasteiro

Dez poetas necessários da nova literatura brasileira

Coral, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Os segredos da Senhora Wilde

Cortázar de A a Z

O que é a Literatura?, de Jean-Paul Sartre

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea