Eu sou o número quatro, de D. J. Caruso

Por Pedro Fernandes



Voltar ao baú de coisas é coisa que faz todo arte. Aliás, é desse constante voltar que se constrói as grandes novidades e a arte se recicla. Agora, Hollywood volta para as histórias de alienígenas e quer, depois do clássico de Spielberg reinventar o rol delas - não deixando de fora, é claro, a parafernália tecnológica que o cinema foi incorporando desde a época em que E. T. foi lançado. Quem se dispõe a façanha é o diretor D. J. Caruso, com o seu Eu sou número quatro, tradução ao pé da letra para o título em inglês e que o Brasil adotou para o filme. Aliado ao tema dos alien Caruso trouxe ainda - nascendo das cinzas - o nascer do herói, dos superpoderes desse herói e da relação conturbada entre o herói e esse dom. E lógico - como estamos numa daquelas historinhas para nanar adolescentes - não pode faltar uma pitada de romance, coletada do sucesso teen das histórias românticas de vampiros.

Pareceu complicado toda essa salada? Pois não é. Smith é um disfarce do número Quatro entre os humanos, que está quase sempre acompanhado de seu protetor Henri. Os três primeiros membros de sua raça foram assassinados e ele é o próximo da lista. Enquanto se esconde na tranquila cidade Paradise e vai descobrindo seus poderes, conhece a estudante Sarah pela qual se apaixona. Velhos amores à primeira vista. Fato é que essa tranquilidade dura pouco. Logo Smith, digo, o Quatro é localizado pelos inimigos. Daí incia-se uma perseguição que o Quatro só vence porque aparece-lhe a número Seis - que além de encontrá-lo para salvá-lo, salvar-se e salvar sua espécie inaugura um triângulo amoroso mal feito.

O fato é que, isso tenho percebido nas produções recentes, é que seus diretores promovem uma salada de temas e não consegue, no fim de tudo, dá contas do que a princípio parece se propor. Me explico. Por exemplo, apesar de haver muitas possibilidades de desenvolvimento em torno do tema de alienígenas, Eu sou o número Quatro mal chega a tocar a superfície delas. Outra. O aprendizado da personagem principal com seus superpoderes é dado numa versão para download cerebral. Diferentemente de super heróis como o Homem Aranha, que leva um filme inteiro nos trejeitos e desajeitos em lidar com a situação dos superpoderes, o número Quatro não se torna dono de seus poderes do dia para noite, ou melhor, de um quadro a outro da película. Dois fatores que já castigam a possibilidade de brilho do filme. E tem mais: os efeitos, as lutas, tudo vai muito bem até quando não entra em cena a briga de "pokémons", digo, de mascotes dos aliens - uma criatura sinistra que se alimenta de carne humana - e de Smith - um cãozinho que é disfarce de uma criatura de mesmo porte da dos alienígenas, mas que faz o papel da docilidade em pessoa, digo, em animal.

O fato é que a trama de D. J. Caruso se presta ao que cinema hoje tem se tornado. Um entretenimento que você decide tê-lo na fila de comprar ingressos pro cinema, ou de passagem pela frente do cinema numa tarde sem ter o que fazer. E, justo por isso, vai para o rol de alguns dos filmes não brilhantes mas que carecem de um comentário.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os melhores de 2018: poesia

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath