Miacontear - O peixe e o homem

Por Pedro Fernandes



Este conto reitera a linha do fantástico notada em "O homem cadente". Retomando uma passagem do famoso sermão do Padre António Vieira - "O sermão de Santo António aos peixes" - colocada como epígrafe do conto, Mia Couto, no tom de uma anedota daquelas de pescador, dá corda a um narrador que se põe a contar da mania do estranho Jossinaldo. Jossinaldo é um vizinho que tem a também estranha mania de passear de trela com um peixe. Fato que por si o coloca na galeria daqueles sujeitos deslocados do espaço comum - "Jossinaldo era, nos gerais, tido por enjeitado: a cabeça do coitado, diziam, cabia toda num chapéu. E acresce-se que o temiam, sem outro fundamento que essa estranheza do seu fazer." 

O fato é que Jossinaldo não se sentindo bem de saúde vem ter com o narrador para que ele, de agora em diante, passe a tomar conta do peixe de estimação. Isso desencadeará uma troca de lugar capaz de ressignificar sua própria existência. Esse movimento é ensaiado em outros contos de O fio das missangas: a ideia de movência das subjetividades e redesenho das identidades. Afinal, parece que estamos, nesse livro, num território de miscigenações, enraizamentos e desenraizamentos e movências de sujeitos.

***

Minha sabedoria é ignorar as minhas originais certezas. O que interessa não é a língua materna, mas aquela que falamos mesmo antes de nascer.

*
Dentro de mim, vão nascendo palavras líquidas, num idioma que desconheço e me vai inundado todo inteiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os conselhos de Wislawa Szymborska aos aspirantes a escritores

Eu sei que nunca se dirá tudo o que a poesia é

Torquato Neto, exercício de liberdade

Emily Dickinson, por Ana Cristina Cesar

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Tirza, de Arnon Grunberg

Cinco razões (talvez algumas mais) para desfrutar do “Ulysses”, de James Joyce

O macaco e a essência, de Aldous Huxley

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira