Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

Miacontear - O peixe e o homem

Por Pedro Fernandes



Este conto reitera a linha do fantástico notada em "O homem cadente". Retomando uma passagem do famoso sermão do Padre António Vieira - "O sermão de Santo António aos peixes" - colocada como epígrafe do conto, Mia Couto, no tom de uma anedota daquelas de pescador, dá corda a um narrador que se põe a contar da mania do estranho Jossinaldo. Jossinaldo é um vizinho que tem a também estranha mania de passear de trela com um peixe. Fato que por si o coloca na galeria daqueles sujeitos deslocados do espaço comum - "Jossinaldo era, nos gerais, tido por enjeitado: a cabeça do coitado, diziam, cabia toda num chapéu. E acresce-se que o temiam, sem outro fundamento que essa estranheza do seu fazer." 

O fato é que Jossinaldo não se sentindo bem de saúde vem ter com o narrador para que ele, de agora em diante, passe a tomar conta do peixe de estimação. Isso desencadeará uma troca de lugar capaz de ressignificar sua própria existência. Esse movimento é ensaiado em outros contos de O fio das missangas: a ideia de movência das subjetividades e redesenho das identidades. Afinal, parece que estamos, nesse livro, num território de miscigenações, enraizamentos e desenraizamentos e movências de sujeitos.

***

Minha sabedoria é ignorar as minhas originais certezas. O que interessa não é a língua materna, mas aquela que falamos mesmo antes de nascer.

*
Dentro de mim, vão nascendo palavras líquidas, num idioma que desconheço e me vai inundado todo inteiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

Boletim Letras 360º #308

Boletim Letras 360º #309

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

Os melhores de 2018: prosa

O excesso que vive: Mac e seu contratempo, de Enrique Vila-Matas