A filha perdida, de Elena Ferrante

Por Fernanda Fatureto



A identidade de Elena Ferrante já não é mistério para ninguém, ao menos supostamente. Após o jornalista italiano Claudio Gatti afirmar no New York Review of Books que a autora – que publica por pseudônimo – é na verdade a tradutora Anita Raja, o universo Ferrante ganha cada vez mais adeptos pelo mundo. Em 2017 no Brasil foi lançado Um amor incômodo pela Intrínseca, mesma editora que publicou A filha perdida – terceiro romance da escritora originalmente lançado na Itália em 2006, mas que chegou por aqui em 2016. Por aqui também temos completa a tetralogia napolitana de Ferrante, editada pela Biblioteca Azul. Se o interesse cresce em torno da escritora italiana é devido ao modo como tece suas narrativas ao usar o realismo como base para transpô-lo num terreno pouco habitado pelas emoções, que levam as personagens a lugares desconfortáveis.

Em A filha perdida ocorre o avanço e retrocesso da narrativa para contar a história de Leda, uma professora universitária de quarenta e sete anos que desempenha o papel de mãe com dificuldade, ao ter abandonado as duas filhas crianças para descobrir a si mesma num processo que gerou culpa e a fez voltar para se reconciliar. A narrativa começa com o casamento desfeito e com as filhas crescidas, morando no Canadá com o pai. Leda tira férias e viaja para a praia, mas o encontro com uma família napolitana faz com que relembre seu passado e velhas feridas retornam.

O conflito entre norte e sul da Itália está presente na história. A narradora associa Nápoles ao que há de mais degradante visto que ela também nasceu em uma família napolitana: “Aquela gente me irritava. Eu havia nascido em um ambiente como aquele, meus tios, meus primos, meu pai, todos agiam daquela maneira, com uma cordialidade prepotente. Eram cerimoniosos, em geral muito sociáveis, e cada pedido que saía de sua boca soava como uma ordem ligeiramente disfarçada de falsa bondade e, quando necessário, sabiam ser vulgarmente ofensivos e violentos.” Quando muda para Florença aos dezoito anos para estudar, diz ter encontrado sua verdadeira identidade no ambiente letrado da universidade. Ao encontrar Nina e Elena (mãe e filha) na praia,  Leda remete a hostilidade e o barulho daquela família ao ambiente confuso regido por sua própria família. Assim, a narrativa nos mostra uma relação de espelho e reflexos interpostos em que existem várias camadas de relações entre mães e filhas que precisam ser aparadas.

A maternidade exposta sem mitificações aparece aos olhos do leitor com uma carga de rancor pela condição da mulher numa sociedade que espera que ela seja passiva frente às transformações do corpo e dos hormônios que a gravidez provoca. Há um permanente desconforto no olhar que Leda deposita na relação entre Nina e Elena e nas suas próprias filhas Marta e Bianca: “Eu havia desejado Bianca; um filho é desejado com uma opacidade animal reforçada pelas crenças populares. (...) O corpo de uma mulher faz mil coisas diferentes, dá duro, corre, estuda, fantasia, inventa, se esgota e, enquanto isso, os seios crescem, os lábios do sexo incham, a carne pulsa com uma vida redonda que é sua, a sua vida, mas que empurra você para longe, não lhe dá atenção, embora habite sua barriga, alegre e pesada, desfrutada como um impulso voraz e, todavia, repulsiva como o enxerto de um inseto venenoso em uma veia.”

A narrativa cresce à medida que a narradora passa os dias de suas férias a observar Nina e Elena. Sente ternura e repulsa ao perceber como aquela relação pode ser completa onde ela mesma falhou anos antes. Certo dia, Elena some na praia e a família napolitana se desespera. De longe, Leda decide ajudar e encontra a menina perdida perto do mar. Em um gesto de solidariedade, pega a pequena no colo e a devolve para Nina. Mas Leda comete um ato que trará sofrimento para a menina – esconde a boneca de Elena na sua bolsa e a leva para casa. A família napolitana passa a procurar a boneca para que a menina pare de chorar. Mas Leda não a devolve de prontidão.

Seria um ato irracional ou consciente fazer a menina sofrer? Em dado momento, a narradora diz: “Apoiei a boneca em meus joelhos, como que para ter companhia. Por que eu a pegara? Ela vigiava o amor de Nina e Elena, o vínculo das duas, a paixão recíproca. Era testemunha resplandecente de uma maternidade serena. Levei-a ao peito. Quantas coisas estragadas, perdidas havia em meu passado, mas, naquele instante, ainda estavam presentes em um turbilhão de imagens. Senti que não queria devolver Nani, embora sentisse remorso, medo de ficar com ela.”

O romance então retrocede e avança nas memórias de Leda ao mesmo tempo em que mostra a aproximação com Nina e o desespero pela busca da boneca a fim de cessar o sofrimento de Elena. A escrita de Elena Ferrante sempre é incômoda, nunca as palavras estão ali como elementos gratuitos. Elas atingem o leitor no que há de mais vulnerável – os laços afetivos. A filha perdida é um romance sobre os laços maternos, mas que subverte o moralismo e a moral. O final, surpreendente, atinge o grau máximo da violência expressa na nossa cota de humanidade: até onde pode ir uma mãe para defender um filho?


***
Fernanda Fatureto é poeta e jornalista. Bacharel em Jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Seu livro de estreia Intimidade Inconfessável foi publicado em 2014 pela Editora Patuá. Participa da antologia poética 29 de Abril: o verso da violência (Editora Patuá, 2015); da antologia Subversa 2 (Editora Patuá, 2016) e da antologia Senhoras Obscenas (Editora Benfazeja, 2016).  Possui poemas em diversas revistas literárias do Brasil e na revista InComunidade de Portugal.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma pedra no caminho para a modernidade: o projeto drummondiano de humanizar o Brasil

Os melhores diários de escritores

A partir de quando alguém que escreve se converte num escritor?

Boletim Letras 360º #241

Escritos nas margens

A relevância atual de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos

O túmulo de Oscar Wilde

Angela Carter, a primazia de subverter

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

Ivan Búnin