Boletim Letras 360º #236

Uma semana muito especial para a literatura brasileira: depois de quase uma década e de muitas promessas, enfim temos a data de apresentação do novo romance de Milton Hatoum [imagem]. Esta e outras informações que copiamos no mural do Letras no Facebook estão aqui reunidas. 



Segunda-feira, 11/09

>>> Brasil: Lima Barreto pornográfico. O escritor teria assinado duas histórias picantes com o pseudônimo de Pelino Língua

As mais recentes descobertas foram divulgadas pelo jornal Folha de São Paulo. Os folhetos são provavelmente de 1912 e até então não se sabia qual nome o escritor havia utilizado para assinar as histórias. O autor assinou "O Chamisco ou o Querido das Mulheres" e "Entra, Sinhór!..." como Pelino Língua. Pelino, não custa lembrar, é uma personagem do conto "A nova Califórnia". Foi o pesquisador Felipe Rissato quem encontrou a novidade. Agora, dos folhetos nenhuma notícia do paradeiro; sabe-se da existência deles graças à biografia de Francisco de Assis Barbosa. Em Triste visionário, biografia recente de Lima Barreto escrita por Lilia Schwarcz, publicou-se dois anúncios publicitários da época sobre os textos – mas eles não diziam o nome do autor. Rissato encontrou outros anúncios, no jornal O Rio Nu, e estes sim traziam a assinatura de Pelino Língua. Sob o título de "Leitura alegre", "O Chamisco" é descrito como "historieta alegre, illustrada com excellentes gravuras".

>>> Brasil: A edição do primeiro volume da série "O lugar mais sombrio", de Milton Hatoum

Nove anos após a publicação de Órfãos do Eldorado, Milton Hatoum retorna à forma da narrativa longa em uma série de três volumes na qual o drama familiar se entrelaça à história da ditadura militar para dar à luz um poderoso romance de formação. Nos anos 1960, Martim, um jovem paulista, muda-se para Brasília com o pai após a separação traumática deste e sua mãe. Na cidade recém-inaugurada, trava amizade com um variado grupo de adolescentes do qual fazem parte filhos de altos e médios funcionários da burocracia estatal, bem como moradores das cidades-satélites, espaço relegado aos verdadeiros pioneiros da capital federal, migrantes desfavorecidos. Às descobertas culturais e amorosas de Martim contrapõe-se a dor da separação da mãe, de quem passa longos períodos sem notícias. Na figura materna ausente concentra-se a face sombria de sua juventude, perpassada pela violência dos anos de chumbo. Neste que é sem dúvida um dos melhores retratos literários de Brasília, Hatoum transita com a habilidade que lhe é própria entre as dimensões pessoal e social do drama e faz de uma ruptura familiar o reverso de um país cindido por um golpe.

Terça-feira, 12/09

>>> Brasil: Um novo livro de David Trueba

Blitz, recupera a ausência do escritor entre as publicações no Brasil, onde até agora só havia sido publicado Quatro amigos (pela editora Francis) e Saber perder (Rocco). Mas desde 2011, data da reedição do último título por aqui, que não se publicava mais do David Trueba. O livro de agora sai pela Tusquets, selo da Editora Planeta. trata-se de uma história de encontros e separações, com humor e melancolia. Poderia ser uma tragicomédia romântica qualquer, mas Trueba ignora o rótulo e tenta construir outra forma textual. O leitor acompanha a maré da vida de Beto, um jovem arquiteto e paisagista, que está Munique, onde vive à deriva, náufrago de um verdadeiro desastre sentimental. Entre histórias de amores perdidos – e guiados por uma escrita hábil e repleta de senso de humor, os personagens deslizam pela vida como se estivessem dentro de uma ampulheta. E é exatamente a discussão a respeito da passagem do tempo que conduzirá o protagonista até uma mulher de outra geração, Helga, cerne de uma série de conflitos que, costurados, montam uma trama delicada, atual e envolvente.

>>> México: A escritora Marina Colasanti ganhou o Prêmio Ibero-americano SM de Literatura Infantil e Juvenil

O galardão é entregue em novembro durante a Feira Internacional do Livro (FIL) de Guadalajara. Autora de mais de 70 livros publicados no Brasil e no exterior, Marina considera um dos maiores privilégios escrever para o público infanto-juvenil, uma vez que, através dessas narrativas é possível exercitar livremente “o imaginário, a metáfora e o simbólico” pelos quais pode-se tratar de assuntos de natureza delicada. Tais características foram retomadas pelo júri que considerou “seu trânsito e domínio sobre diversas formas literárias e sua trajetória como impulsionadora e defensora dos espaços próprios da literatura infanto-juvenil como fundamentais à formação de leitores” como qualidades do seu trabalho. Vinte autores de dez países ibero-americanos concorriam ao prêmio que é concedido anualmente em colaboração com quatro instituições culturais internacionais: UNESCO, IBBY, OEI e CERLALC em colaboração com a FIL. Este ano a escritora celebra 80 anos com novas publicações e homenagens pela Global Editora.

Quarta-feira, 13/09

>>> Brasil: Mais um texto do escritor alemão E. T. A. Hoffmann ganha edição por aqui

Depois de Reflexões do gato Murr e O reflexo perdido e outros contos, ambos editados pela Estação Liberdade, ganha edição Princesa Brambilla. A narrativa nos leva à Roma do século XVIII. Às vésperas do carnaval, Giglio Fava, um ator vaidoso e pobre, e Giacinta Soardi, uma linda costureira, rompem seu namoro. Ele deseja mais, é claro: nada menos que uma princesa. Mas, graças à intervenção do mago Celionati, a história toma rumos inesperados. Rumos que dizem respeito não apenas aos destinos desses dois, mas à maneira de pensar e viver o teatro, a arte e a vida. Será que devemos apenas representar os papéis que nos são atribuídos (por um autor ou pela sociedade)? Ou será mais nobre – e, sobretudo, mais divertido – exercermos a liberdade de brincar, de jogar, de improvisar (com o público ou com a vida)? Composta a partir de gravuras de Jacques Callot (1592-1635) feitas a partir das máscaras do carnaval italiano , este título, publicado em 1820, é uma declaração de amor à Commedia dell’arte. A edição é da Editora Cultura e Barbárie e tradução de Maria Aparecida Barbosa.

Quinta-feira, 14/09

>>> Brasil: Reedição de O rei da vela, de Oswald de Andrade

O lançamento integra as reedições da obra do escritor brasileira que têm sido realizadas desde 2016. O rei da vela é marco de diversos movimentos culturais do Brasil e neste ano completa 80 anos. A peça faz uma autocrítica sobre a identidade nacional e põe em prática as ideias antropofágicas modernistas. Escrita em 1933, publicada em 1937 e encenada pela primeira vez trinta anos mais tarde pelo Teatro Oficina, esta é a peça fundamental de Oswald de Andrade. Ao retratar um país mergulhado na crise financeira de 1929, às vésperas do Estado Novo, O rei da vela aponta a utopia de um projeto político que não viria a se concretizar. Oswald apresenta uma peça de teatro profundamente anarquista, que explora a força soberana do imperialismo americano em toda sua dimensão caricata e grotesca. No centro do palco está o escritório de agiotagem Abelardo & Abelardo, em um enredo que tem como pano de fundo a ambição tacanha e desenfreada de um país subdesenvolvido, as falcatruas, a decadência, o desprezo pela moralidade e o sexo estapafúrdio. O volume inclui textos inéditos de Décio de Almeida Prado e de Renato Borghi, além de um manifesto de 1967 de José Celso Martinez Corrêa, que assina também um pós-escrito para esta edição.

>>> Brasil: Uma nova edição para As aventuras de Tom Sawyer, de Mark Twain

Órfão desde bebê, Tom Sawyer vive com sua tia Polly, seu irmão, Sid, e sua prima, Mary, num vilarejo às margens do rio Mississipi, nos Estados Unidos. Menino de bom coração, de bom caráter, Tom é também muito levado e esperto, e vive aprontando, sozinho ou com seu melhor amigo Huckleberry Finn, um garoto que mora nas ruas, dorme em barris vazios e come o que lhe dão. O tempo todo, os dois vivem aventuras emocionantes, na maioria das vezes, imaginárias. Frequentam cavernas, cemitérios, casas mal-assombradas e ilhas desertas. Brincam de pirata, de pele-vermelha, de Robin Hood, caçam tesouros, planejam formar uma gangue de ladrões e ficar ricos. E é numa dessas brincadeiras que suas aventuras se tornam bem reais e assustadoras. Considerado um dos mais importantes clássicos da literatura para crianças e jovens, esta é uma obra que permanece no imaginário de inúmeras gerações, desde a publicação original, em 1876, até os dias de hoje. A tradução de Márcia Soares Guimarães, ilustrada por True Williams, sai pela Autêntica Editora.

Sexta-feira, 15/09

>>> Brasil: A Alfaguara Brasil prepara a edição de O dom, de Vladimir Nabokov

Este é um livro sobre memória, amor e literatura. Considerado por Vladimir Nabokov sua melhor obra escrita em russo — ele mesmo revisaria sua tradução para o inglês, décadas depois —, O dom condensa, com extrema virtuose estilística, o melhor de sua produção no período. Ele capta, com riqueza de detalhes, a difícil vida dos emigrados no país que lhes é hostil. Com ironia, reconstrói os círculos literários da época, onde todos, por menor que fosse o grupo de escritores, se tratavam com gentileza para depois se criticarem mutuamente pelas costas. Sem dinheiro, com aspirações a se tornar um grande escritor, o poeta iniciante e sonhador Fyodor navega por esse mundo vago e sombrio. Enquanto sonha com versos, com sua juventude perdida e com o pai, desaparecido anos antes, ele nos conta duas histórias de amor. Por Zina, a filha do senhorio que aluga um quarto para ele, e pela própria literatura russa, que permeia todo este grandioso romance.

>>> Brasil: Uma visita ao pensamento de Machado de Assis. Pela primeira vez uma antologia de aforismos e reflexões do escritor a partir de seus textos não ficcionais

A edição organizada por Hélio de Seixas Guimarães é composta por trechos selecionados de correspondências, crônicas e textos críticos escritos por Machado de Assis entre 1858 e as vésperas de sua morte, em 1908. A obra traz à luz a posição do escritor diante das principais questões de seu tempo. Divididos em assuntos, os excertos que compõem cada seção estão dispostos em ordem cronológica, de modo a se poder acompanhar o tratamento por ele dispensado a cada tópico ao longo dos anos. Aí estão a agilidade, precisão e graça de sua escrita. Relacionadas a contextos específicos, as reflexões de Machado de Assis são dotadas de extrema atualidade. A edição de Máximas, pensamentos e ditos agudos é da Penguin / Companhia das Letras.

>>> Brasil: Chegou o tempo de apresentação da versão de O diário de Anne Frank para HQ e, em breve, animação

Há algum tempo havíamos apresentado aqui a ideia. Agora, na passagem dos 75 anos do diário íntimo de uma menina de 13 anos que revelou ao mundo a trajetória de vida e morte de oito judeus-alemães, eis novas maneiras de redescobrir este que um dos maiores clássicos da literatura sobre o holocausto. A obra com 50 milhões cópias vendidas escrita entre 12 de junho de 1942 e 1.º de agosto de 1944 ganha agora duas novas versões adaptadas ao século XXI. Os criadores de A valsa de Bashir, animação indicada para o Oscar e vencedora do Globo de Ouro de filme estrangeiro em 2009, o roteirista e diretor de cinema Ari Folman e o desenhista David Polonsky lançam trazem O diário de Anne Frank em quadrinhos. Folman prepara ainda uma versão em animação para o cinema. A adaptação para HQ será publicada em mais de 50 países ao longo de setembro e outubro. No Brasil sai este mês pelo Editora Record [veja imagens]. A adaptação traz a essência do texto, sintetizado e adaptado por Folman. Sua maior riqueza em relação ao texto original talvez seja o fato de ter sido imaginado e traduzido para os quadrinhos pelos traços de Polonsky, às vezes divertidos, não raro oníricos e trágicos – como era o próprio "Kitty", o diário escrito por Anne Frank até sua morte, no campo de concentração de Bergen-Belsen, em março de 1945, no apagar das luzes da Segunda Guerra.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas