O túmulo de Oscar Wilde

Por Márcio de Lima Dantas

Estudo de Epstein para o túmulo de Oscar Wilde, 1909



O escritor irlandês Oscar Wilde (1854-1900) está sepultado no cemitério de Père Lachaise, a maior necrópole de Paris. Seu túmulo é um dos mais visitados: sempre se encontram pessoas prestando homenagens ao poeta que morreu exilado na cidade. Seu monumento funerário foi realizado pelo escultor Jacob Epstein.

O túmulo é composto por três grandes blocos maciços de granito justapostos e paralelos, formando um paralelepípedo retângulo, os quais, por sua vez, repousam sobre uma grande base da mesma pedra. No bloco da frente, encontra-se esculpido um personagem representando uma esfinge alada, de forma que esta, concebida com o predomínio de linhas curvas, acomoda-se nos limites do grande paralelepípedo. Junto com os outros dois, conformam um só bloco maciço. Essa figura encontra-se de perfil para quem se encontra na frente. E parece dormir profundamente. Quando a encaramos de frente, constatamos que se trata dos próprios traços de Wilde, já envelhecido e alquebrado pelas vicissitudes a que foi submetido durante seu amargo exílio parisiense. 

Tenho para mim que esse monumento em homenagem ao escritor irlandês organiza o espírito da sua existência. Sim, vejamos se não é.

Os ângulos retos são, por excelência, a representação da ordem, do poder: evocam a razão, a objetividade, as instituições humanas, coisas normalmente associadas ao universo do masculino. Sintomático que as pedras não sejam figurativas: a ordem é abstrata, anônima, ninguém sabe quem inventou, é outorgada integralmente a todos, desde o nascimento, fazendo questão de dizer, por modulações várias, que existe e existirá para todo o sempre. Em contrapartida, temos a linha curva relacionada ao mundo da subjetividade, do sentimento, da emoção, do feminino, enfim, da arte.

A esfinge, com suas linhas curvas, representaria a arte, espaço de redenção do homem, embora limitado (a esfinge está pregada à parede de pedra). A possibilidade de se construir algo na vida, fora dos limites do que se chama ordem, encontra-se submetida à possibilidade de insculpir na pedra. Quero com isso significar o sofrimento necessário não só como energia, mas com o ônus de padecimento. O preço é alto. A pedra é áspera e provoca fagulhas de lâminas susceptíveis de ferir os olhos e a pele dos obstinados: represálias, cárceres, discriminações são as armas desde sempre usadas pelo instituído. A esfinge confere uma enorme leveza ao conjunto do monumento. E não é isso a arte, a possibilidade de suspender espaço e tempo?

O corpo do poeta travestido como esfinge agora também é uma metáfora da escritura; esta, por sua vez, representa a possibilidade humana de sair da realidade empírica, de criar um mundo paralelo consoante a criatividade (e a necessidade) de cada um. Não é de graça que as asas apresentam linhas paralelas, como se fossem a pauta de um caderno. O corpo também é um macrotexto: as pernas, os braços seguem na mesma direção.

Como a velha história, narrando que a felicidade pode não ser feita com os lobos, contudo, vai ter que ser inexoravelmente entre eles. Assim é com a esfinge (de) Oscar Wilde: asas repousadas dormindo, sem nada esperar, na eternidade. Não conseguiram aparar as asas do poeta. Deixaram-nas em repouso. É o que sempre acontece.


***

Márcio de Lima Dantas é Professor Adjunto II da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. É autor de xerófilo e Rol da feira, encartado nas edições 3 e 5 do caderno-revista 7faces, respectivamente; no 5º número publicou também uma edição de artes plásticas caderno de desenhos. Além disso, escreveu os seguintes livros de poesia Metáfrase (1999), O sétimo livro de elegias (2006), Para sair do dia (2006) e os de ensaio Mestiçagem e ensaísmo em João Cabral de Melo Neto (2005) e Imaginário e poesia em Orides Fontela (2011). Também traduziu para o francês, com o prof. Emmanuel Jaffelin, quatro livros da poeta Orides Fontela, organizados em dois tomos: Rosace. Paris: L’Harmattan, 1999 (Transposição Helianto) e Trèfle: L’Harmattan, 1998 (Alba Rosácea). Ganhou o prêmio Othoniel Menezes (2006), com o livro Para sair do dia, outorgado pela Capitania das Artes; foi contemplado com o I Prêmio Literário Canon de Poesia 2008.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os conselhos de Wislawa Szymborska aos aspirantes a escritores

Eu sei que nunca se dirá tudo o que a poesia é

Torquato Neto, exercício de liberdade

Emily Dickinson, por Ana Cristina Cesar

Philip Roth, agora mesmo começam outros círculos

Tirza, de Arnon Grunberg

Cinco razões (talvez algumas mais) para desfrutar do “Ulysses”, de James Joyce

O macaco e a essência, de Aldous Huxley

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira