Boletim Letras 360º #388

DO EDITOR

1. Durante a semana, entidades ligadas ao livro e leitores como o blog Letras in.verso e re.verso fizeram eco a uma campanha contra a taxação de livros que quer ser imposta pelo governo brasileiro. Um país feito de desigualdades cada vez mais acentuadas, onde o livro é de raro acesso dada todos imperativos que dificultam seu acesso, onde os índices de leitura são sempre reprováveis, transformar o livro em artigo de luxo é uma afronta diante da qual não podemos nos isentar, nem calar. Leia mais sobre a participação do blog no movimento #DefendaOLivro

2. Abaixo registra-se as notícias que passaram, ou não, pelo mural de nossa página no Facebook. Além delas, as demais seções com novos conteúdos, sempre com o interesse de enriquecer e ampliar sua experiência cultural e literária. Fique bem. Boas leituras!

Elizabeth Bishop. Um novo livro e a decisão da FLIP de mais homenagear a poeta em 2020. 


LANÇAMENTOS

Um retorno ao Portugal profundo.

Neste romance de João Torcato Justa, um narrador testemunha a história da sua ancestralidade através do protagonista, tio materno e melhor amigo, recriando uma linha de tempo mágica que cruza a fronteira do Alto Alentejo e chega à planície da vizinha Estremadura, em terras de Espanha. António, conhecido na pequena vila alentejana por Lobo, é um jovem aventureiro, boêmio, destemido e mulherengo. O dia em que o seu coração é arrebatado pela beleza inequívoca da espanhola Soledad, esposa de um dos homens mais poderosos de Espanha, marca o começo de uma jornada definida pelo Destino, pelas Estrelas e pela coragem de homens e mulheres que fazem milagres. Como pano de fundo, um Alentejo rural marcado pelos costumes de um Portugal salazarista e a vizinha província espanhola da Estremadura, num terrível processo de cura das feridas da Guerra Civil. João, narrador participante, convida-nos a mergulhar nas memórias familiares que transformaram a sua família e região, revelando a surpreendente densidade dramática de seus personagens e um enredo não convencional de ligações afetivas e contato metafísico com a realidade. Homens que falam com estrelas é o novo título da série Lusofonia da editora Jaguatirica.

Homem invisível é um clássico da literatura afro-estadunidense ganha edição ampliada.

Este é um dos romances seminais do cânone afro-estadunidense. Livro que resume a experiência de ser negro nos Estados Unidos, Homem invisível narra a história de um jovem negro que sai do sul racista dos Estados Unidos e vai para o Harlem, em Nova York, nos primeiros anos do século XX. Com o passar do tempo, entre experiências frequentemente contraditórias, o protagonista conhece um mundo muito diferente daquele que idealizara. Invisível para brancos racistas e também para negros, ele deseja apenas ser como é. Segundo o jornal The New York Times, “O primeiro romance apaixonado de Ralph Ellison, de um homem negro rebelde no mundo moderno [...] apresenta uma consciência literária madura [...]: escapa das convenções do realismo [...] para uma afirmação universal da condição do homem em nossos dias.” Para o crítico Harold Bloom, “Mais de um terço de século após sua publicação original (1952), Homem invisível, de Ralph Ellison, está completamente confirmado como um clássico estadunidense.” Essa edição ampliada tem texto de orelha assinado por Luiz Mauricio Azevedo e prefácio de Gabriel Trigueiro, especialistas na obra de Ellison. “Homem invisível é um romance de formação rico em alegorias, parábolas e simbolismo. Não à toa, já foi chamado de ‘o Moby Dick da crise racial norte-americana’”, observa Gabriel Trigueiro. A tradução é de Mauro Gama. E o livro sai pela José Olympio.

Livro de Elizabeth Bishop publicado em 1965 ganha edição na coleção Poesia de bolso, da Companhia das Letras.

“Teria sido melhor ficar em casa,/ onde quer que isso seja?”, pergunta Elizabeth Bishop no poema que dá título ao livro. Publicado em 1965, o volume Questões de viagem é dividido em duas partes: “Brasil”, que inclui onze poemas, e “Outros lugares”, com um conto e cinco poemas. Estão aqui os célebres “Chegada em Santos”, “Manuelzinho” e “O ladrão da Babilônia”, que revelam o olhar inquieto, arguto e mordaz da escritora que em 1951 desembarcou no porto de Santos para passar duas semanas no país, mas acabou ficando por quase vinte anos. Considerada uma das poetas mais notáveis do século XX, Bishop é autora de uma obra monumental e, ao mesmo tempo, concisa: em vida, publicou apenas 101 poemas. Ao observar o mundo com genuína curiosidade, sua poesia examina a própria natureza humana, caótica e ambígua, e demonstra o desejo de pertencer a algum lugar. A edição bilíngue tem tradução e notas de Paulo Henriques Britto.

Importante ensaio sobre um dos pensadores portugueses mais atentos à obra de Fernando Pessoa.

Fernando Pessoa, ou a metafísica das sensações é publicado pela N-1 Edições com prefácio de José Miguel Wisnik; neste texto, sublinha o brasileiro, “José Gil toma como matricial de todo esse processo, um alguém atenta para as mínimas sensações intersticiais que lhe sobrevêm, sensações estas tomadas como ondas transportadoras de outras sensações que se lhes associam, sensações transformadas em arte, que são também sensações de um outro, múltiplo gerador de outros. ‘Escrever poemas’, diz José Gil, ‘é escrever segundo a lógica da heteronímia, é iniciar um processo de devir-outro que deverá necessariamente levar à produção poética dos heterônimos’. Sentir-se outro, ser outro desde o primeiro ato poético da sensação, implica fazer-se (poeticamente) outros. E só existirão os heterônimos, esses outros, porque cada um deles já é outro para si mesmo, e participando todos de um vertiginoso jogo caleidoscópico.”

O primeiro e aclamado romance da escritora chilena María José Ferrada chega aos leitores brasileiros.

Unidos por um catálogo de produtos de serralheria da marca Kramp e viagens num Renault velho por estradas, povoados e cidades, uma filha cresce ao lado de seu pai, caixeiro-viajante, a aprender ensinamentos sobre o mundo e vida. Da infância à adolescência, M narra seus aprendizados e o correr dos anos, até o evento que marca uma ruptura na família, acionando o dispositivo dos sintomas parentais e outras rupturas e mais questionamentos sobre o universo e as peças que não se encaixam, as dores desparafusadas que se acumulam, e o revelar das engrenagens discretas do afeto rangendo no crescer da sua maturidade. María José Ferrada tem diversos livros ilustrados traduzidos para diversas línguas. Kramp, seu primeiro romance adulto, foi o primeiro trabalho a receber os três prestigiados prêmios literários chilenos: o Prêmio de Melhor Romance do Círculo de Críticos de Arte, o Prêmio de Melhores Obras do Ministério da Cultura (categoria romance) e o Prêmio Municipal de Literatura em Santiago.

O livro que agora se publica pela Editora Moinhos recebeu a tradução de Silvia Massimini Félix. A voz da arrogância.

Tradutora de textos jornalísticos, Bérengère Viennot seviu confrontada por um desafio inédito com a eleição de Donald Trump. O presidente norte-americano manda às favas os códigos do discurso político. Sua língua é vulgar e confusa, recheada de erros de sintaxe e de frases sem pé nem cabeça, de sarcasmo e de invectivas – sinais de um descolamento da realidade e da cultura. Com uma escrita tão hilária quanto incisiva, a autora relata seu desafio como tradutora e se questiona: como passamos da violência das palavras para a violência política? A que ponto esse é um sintoma do estado da democracia? Por que isso afeta todos nós? "A língua de Trump" é um espelho impecável do próprio presidente, dos Estados Unidos e de nossa época. A tradução é de Ana Martini e é publicada pela editora Âyinè.

Livro da escritora chilena Alia Trabucco Zerán, finalista do Man Booker Prizer 2019 ganha edição no Brasil.

Felipe e Iquela são dois jovens amigos que residem em Santiago e vivem o legado da ditadura do Chile. Felipe anda pelas ruas contando corpos reais e imaginários, aspirando a um número perfeito que possa oferecer algum “encerramento” para si. Em paralela a essa amizade, temos a de Iquela e Paloma, que são velhas conhecidas da infância, e que buscam uma maneira de conciliar suas vidas frágeis com o violento passado militante de seus pais. A trama gira em torno do corpo da mãe de Paloma, que acaba por se perder na viagem que faz da Europa para o Chile. O corpo acaba indo parar na Argentina. Os três, então, seguem numa roadtrip movida a pisco pela cordilheira, enquanto enfrentam a dor que se estende por gerações. A subtração, de Alia Trabucco Zerán, foi um dos finalistas do Man Booker International Prize em 2019. O livro publicado pela Editora Moinhos recebeu a tradução de Silvia Massimini Félix.

Os discursos inéditos de Erico Verissimo disponíveis online e gratuitamente.

Segundo o jornal Correio do Povo material é resultado de uma extensa pesquisa nos Estados Unidos realizada por Ana Maria da Glória Bordini e Ana Letícia Fauri e agora publicado pelas Edições Makunaima. Erico Verissimo na União Pan-Americana – Discursos 1953-1956 traz os textos do escritor gaúcho no período em que trabalhou como diretor do Departamento de Assuntos Culturais da Organização dos Estados Americanos, em Washington. O trabalho começou com uma pesquisa na Universidade de Michigan e na Universidade de Colúmbia, em Nova York, incluindo outras instituições universitárias e devido ao escasso material disponível nos Estados Unidos, a maior parte da correspondência foi localizada no Acervo Literário Erico Verissimo. Os textos revelam um escritor dando conta dos efeitos díspares, tanto internos quanto externos, das relações de poder na época, configurando um panorama peculiar, de um escritor leigo em diplomacia e política externa. O livro está disponível aqui.

Viagem ao redor do meu quarto, de Xavier de Maistre é o novo título da Coleção Fábula, da Editora 34.

Confinado em seu quarto após se envolver num imbróglio pré-carnavalesco (devidamente seguido de duelo), um oficial de família nobre vinga-se do aperto castrense e do despeito amoroso escrevendo um pequeno prodígio de leveza verbal e garantindo seu posto — singular, vale dizer — nas letras francesas. Parece bem contado demais para ser verdade, mas assim nasceu esta Viagem ao redor do meu quarto. Redigido na fortaleza de Turim e publicado pela primeira vez em 1795, o livrinho do tenente (e conde) Xavier de Maistre (1763-1852) é um exercício de risonha subversão de hierarquias, sejam elas militares, metafísicas ou literárias. Zombando das circunstâncias, o autor transforma os quarenta e dois dias de castigo em ponto de partida para uma paródia dos relatos de viagem, das dissertações eruditas e dos tratados de filosofia, confrontados aqui ao zigue-zague dos caprichos, ao curso errático dos pensamentos ou ainda às inclinações incontornáveis do corpo. Aos poucos, o sentimento e a fantasia vão tomando conta do cenário com uma irreverência que, sendo graciosa como só o século XVIII sabia ser, mostrou-se cheia de sugestões sediciosas para as gerações seguintes: Nietzsche foi leitor da Viagem, e Machado de Assis havia de saber o que estava fazendo quando inscreveu suas Memórias póstumas de Brás Cubas na linhagem da “forma livre de um Sterne ou de um Xavier de Maistre”. A tradução é de Veresa Moraes; o livro traz posfácio de Enrique Vila-Matas.

Leituras sobre a obra de Lúcio Cardoso.

Em setembro de 2018 aconteceu na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, por intermédio do seu Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários e do Acervo dos Escritores Mineiros o colóquio “Lúcio Cardoso – 50 anos depois”. Os textos de Leandro Garcia Rodrigues, Rafael Cardoso, Ésio Macedo Ribeiro, Gustavo Silveira Ribeiro, Denilson Lopes, Walmir Ayala, Marília Rothier Cardoso, Elizabeth Cardoso, Fernando Monteiro de Barros, Ruth Silviano Brandão, Beatriz Damasceno, Rodrigo Coppe Caldeira, Valéria Lamego, Luiz Carlos Lacerda e Andrea de Paula Xavier Vilela fazem parte deste livro agora publicado pela Relicário Edições. Mineiro de Curvelo, Lúcio Cardoso estreou em 1934 com o romance Maleita, escrito na adolescência, evoluindo até a sua obra-prima – Crônica da casa assassinada – publicada em 1959. De uma obra múltipla, marcada pelo distanciamento dos temas sociais de linhagem marxista de denúncias sociais, tão ao gosto da época, Lúcio enveredou pela investigação intimista da condição humana, pela análise das vicissitudes existenciais de ordem ontológica, comportamental e religiosa. Dessa forma, alinhou-se às propostas literárias de Octávio de Faria, Cornélio Penna, Augusto Frederico Schmidt, Clarice Lispector e a alguns aspectos de Guimarães Rosa, entre outros. Tudo isso confere à obra de Lúcio Cardoso um lugar ímpar na literatura brasileira, com uma qualidade inquestionável e que ainda precisa ser descoberta e sentida pelas novas gerações.

Uma antologia entre o fato e o fake.

Num momento em que a verdade nos foi tomada de assalto, juntamos um time de ficcionistas para roubá-la de volta. Os contos reunidos tratam do Brasil recente e de possíveis futuros, de absurdos reais e imaginados. Infelizmente, são tempos em que tudo é possível. O livro é organizado por Julia Dantas e Rodrigo Rosp e publicado pela Dublinense Editora.

EVENTO

Elizabeth Bishop não é mais a autora homenageada da Festa Literária Internacional de Paraty 2020.

Há uma crise instaurada na base de organização da Flip 2020 que só agora, com o avanço da pandemia do Coronavírus, se tornou evidente. Primeiro, veio as modificações do formato do evento a fim de preservar o distanciamento social; agora, a saída da curadora Fernanda Diamant. E foi este segundo episódio o que desencadeou a decisão agora tornada publicada. As homenagens ficarão restritas ao Ciclo da Autora Homenageada, uma espécie de pré-aquecimento para o evento maior, desenvolvido em parceria com o SESC. O evento seria de 29 de julho e 2 de agosto; depois foi adiado para novembro, à revelia de Fernanda Diamant. A escolha da poeta estadunidense para homenagem causou controvérsia aquando do anúncio. A organização chegou a simular um passo atrás com a ideia, mas decidiu levar adiante, o que só acentuou os ânimos já acirrados. Até agora não sabe ao certo quais os rumos do evento que segue sem curadoria, sem prazos e sem um roteiro público de programação.

DICAS DE LEITURA

Nesta o blog publicou uma leitura sobre O trigo e o joio, de Fernando Namora. Na ocasião, em que se publica no Brasil Dona Bárbara, de Rómulo Gallegos e Senhores do orvalho, de Jacques Roumain já falamos sobre essas duas publicações noutros boletins chega uma pergunta: passaremos por uma ressurreição do romance de temática social? A expectativa fica numa palavra: tomara. Há muito romance bom desta safra que precisa ganhar outra geração de leitores. Os três títulos citados anteriormente devem compor sua lista de leituras. E abaixo, na mesma linha, outros três livros com narrativas do tipo há muito esquecidos e que merecem sua atenção. Estão esgotados nas livrarias, mas uma visita ao sebo pode render esse encontro.

1. Aldeia nova, de Manuel da Fonseca. Outros livros do escritor português circularam no Brasil de Jorge Amado sim, curiosamente, foi a época quando mais circulou por aqui obras literárias vindas de Portugal , mas este é por muitos considerada sua Magnum opus. É um livro de contos publicado originalmente em 1942. São doze textos no total que reanimam situações, acontecimentos e traços culturais dos mais diversos daquela região que ficou imortalizada na prosa neorrealista portuguesa, o Alentejo. Com bem escreveu Pedro Belo Clara sobre este livro, num texto publicado aqui no Letras, “Ler Manuel da Fonseca é regressar a um tempo já ido [...]. Nalguns casos, conhecê-lo através do mergulho num universo de charnecas e searas paradas, de planícies de melancolia sem fim, de casas de branco caiadas, de largos onde o povoado se reúne ao final do dia (o tão bem descrito ‘centro do mundo’) e de personagens de nomes tão castiços quanto os de Zé Carlo, Estróina ou Maria Campaniça o são. De um modo bem peculiar, aqui residirá talvez a maior beleza da literatura produzida por Fonseca, seja ela poética ou prosaica beleza essa que o seu marcado realismo soube aprimorar. Esse estilo de produção, aliás, torna vívida a experiência literária, quase palpável aos olhos do leitor que nela se perder.”

2. A menina morta, de Cornélio Pena. Este é o último dos quatro romances do escritor brasileiro. A crítica sempre o leu como um dos melhores de sua época, uma vez que é uma narrativa que sintetiza a temática regionalista da nossa literatura de 1930 com a investigação psicológica, um exercício que ficou reparado por Pedro Fernandes na leitura de O trigo e o joio, do português Fernando Namora. O livro de Cornélio Pena está, assim, a meio caminho dos chamados romance histórico e do romance psicológico. A narrativa situa-se no Vale do Paraíba, em Grotão, fazenda dedicada ao cultivo do café; seu ponto de partida é a morte da filha mais nova dos senhores da fazenda, episódio que instaura um vazio e “traz à consciência das personagens a violência das relações interpessoais e a desagregação da ordem doméstica produtiva” (via Enciclopédia Itaú Cultural).

3. Os ratos, de Dyonélio Machado. O livro publicado em 1935 e escrito pelo incentivo de Erico Verissimo, acompanha o dia na vida de um funcionário público que tem diante de si um dilema: saldar a dívida de 53 mil réis ao leiteiro que agora o ameaça de cortar o fornecimento de leite caso ele não pague o devido. O que prepondera, assim, é uma virulenta crítica à submissão do homem ao capital, o embrutecimento das relações humanas, i.e., a massificação do homem e sua objetificação. Trata-se de um drama psicológico dos mais singulares na literatura brasileira.

VÍDEOS, VERSOS E OUTRAS PROSAS

1. Em 2020, celebramos o centenário do poeta João Cabral de Melo Neto. Na semana que passou, a revista 7faces divulgou os detalhes sobre sua nova edição, a de número 21, a ser publicada até o final de setembro. O material trará doze ensaios, poemas de vinte poetas, entre outras novidades que estão a altura do homenageado. Você pode saber mais sobre e aproveitar para conhecer este trabalho aqui.

BAÚ DE LETRAS

1. Além do texto de Pedro Belo Clara sobre A aldeia, de Manuel da Fonseca, ele escreveu sobre outro livro deste mesmo escritor, o romance Seara do vento, e sobre o livro de poesia Rosa dos ventos. O primeiro texto pode ser lido a partir daqui; o segundo foi dividido em duas partes aqui, a primeira; e aqui, a segunda.

.........................
Siga o Letras no FacebookTwitterTumblrInstagramFlipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de “Impressão, nascer do sol”, de Claude Monet

Sophia de Mello Breyner Andresen e João Cabral de Melo Neto, convívios pela poesia

Boletim Letras 360º #394

Ruy Guilherme Barata

Dez curiosidades sobre o gênio Heitor Villa-Lobos

Os diários de Sylvia Plath: uma leitura tortuosa