Os conselhos de Tolstói para uma vida equilibrada




Possivelmente. Se olharmos a vida do escritor russo em comparação com a de outros nomes podemos dizer que, sim, teve equilíbrio. Mas, a questão pode passar por ângulos diversos e o principal desses é que Tolstói, de fato, como todo simples mortal, tinha seus impulsos e fez o que pôde para canalizá-los noutra direção. Nesse rol de cuidados pode estar a resposta para isso e pode estar o caminho para os romancistas aspirantes ou perseverantes em seguir os passos do autor de Guerra e Paz, afinal impossível admirar a obra e não admirar o modo de vida de quem a escreveu.

Equilibrada ou não, as biografias revelam uma abundância de acontecimentos sobre o autor que viveu 82 anos lutando com suas próprias forças para ser/ viver como Liev Tolstói. No Brasil mesmo há duas em circulação: Tolstói – a biografia, de Rosamund Bartlett com tradução de Renato Marques e publicada em 2003 pelo selo Biblioteca Azul da Globo Livros e Tolstói, a fuga do paraíso, de Pável Bassínski com tradução de Klara Guiranova e publicada no mesmo ano pela LeYa Brasil.

Bartlett, logo na introdução das mais 640 páginas em que se dedica a esmiuçar a vida do romancista, diz que “desde que nasceu, no seio de uma família aristocrática nos idílicos arredores da Iásnaia Poliana, Tolstói viveu uma vida profundamente russa” e viveu mais vidas do que a maioria de seus compatriotas uma vez que deu persona a diversos arquétipos nacionais; foi desde o viciado em jogo que teve de se desfazer de seu patrimônio para saldar as dívidas que ia contraindo, passando pelo garanhão que nunca despreza o prazer de levar uma mulher para cama, ao aristocrata arrependido que abdicou da riqueza, dos direitos autorais, para viver como um camponês simples.

Dessa última fase da vida se encarrega o texto Pável, sobretudo, de quando em meados de novembro de 1910, já aos 82 anos, Tolstói abandonou às pressas e escondido da mulher a propriedade de Iásnaia Poliana num episódio que repercutiu o mundo. Entre o desaparecimento do escritor e sua morte dez dias depois se construiu uma série de histórias hoje míticas. Na nova vida, Tolstói acreditou nas coisas simples como elemento crucial para alcançar o estado pleno de felicidade.

Mas, até alcançar esse estágio, o escritor teve suas presunções ou uma grandiosa modéstia: “Eu tenho que me acostumar, uma vez por todas, com a ideia de que sou um ser humano excepcional”, escreveu ele em 1853, quando tinha 25 anos, ressaltando que “Eu não encontrei um homem que é moralmente tão bom como eu sou ou pronto para sacrificar tudo por seu ideal como eu.”

Mas, modéstia à parte, sete anos antes de fazer essa declaração, ele já havia imaginado para si uma vida de virtude e de trabalho. Colocou por escrito o que chamou de “Regras de vida” – talvez um prenúncio de sua busca por uma vida sem a crença numa entidade superior. O site “Tolstoy Therapy” postou uma seleção dessas regras que ordenou da seguinte maneira:

- Acordar às cinco horas
- Ir para a cama o mais tardar dez horas
- Duas horas permitidas para dormir durante o dia
- Comer moderadamente
- Evitar alimentos doces
- Caminhar por uma hora todos os dias
- Visitar um bordel só duas vezes por mês
- Amar aqueles a quem eu poderia servi-los
- Desconsiderar toda opinião pública não baseada na razão
- Fazer apenas uma coisa de cada vez
- Proibir voos de imaginação, a menos que sejam necessários

A esta lista de preceitos elaborada no início de sua vida adulta, a maioria dos quais não parecem fora de lugar como qualquer uma das novas resoluções de ano do nosso século XXI, Tolstói mais acrescentou estes:

- Nunca mostrar emoção
- Parar de se preocupar com a opinião de mim mesmo dada por outras pessoas
- Fazer coisas boas
- Manter-se afastado das mulheres
- Reprimir o desejo por trabalhar arduamente
- Ajudar aos menos afortunados

Bem, ainda que não tenhamos lido nenhum dos dois calhamaços biográficos que citamos no início desta matéria, poderá sentir a partir de alguns desses princípios sinais gerais de uma batalha pessoal contra determinados impulsos: observe, por exemplo, a imposição do limite de ir só duas vezes ao bordel e depois o rigor de se manter afastado das mulheres e alcançarão a compreensão sobre o efeito garanhão do escritor. E, talvez, a repressão que nunca terá alcançado cumprir foi a de não trabalhar duro, afinal, como alguém não trabalhe duro para deixar escrito o que escreveu. Só Guerra e Paz e Anna Kariênina são exemplos de obras de uma vida; e Tolstói foi bem mais que esses dois romances.

Mais tarde, às “Regras da vida” acrescentou algumas “Regras de escrita”, lembra o biógrafo Henri Troyat:

- Ao criticar o seu trabalho sempre se colocar na posição do leitor mais limitado que está olhando apenas para o entretenimento num livro
- Os livros mais interessantes são aqueles em que o autor pretende esconder sua própria opinião e ainda continua a ser fiel a ela.
- Ao reler e revisar, não pensar sobre o que deve ser acrescentado (não importa o quão admirável são os pensamentos que lhe vêm à mente) mas sobre o quanto pode ser tirado sem distorcer o sentido geral.

Talvez a vida do escritor implicitamente acrescente uma ressalva sobre todas as regras cada vez mais rígidas que ele fez para si: ninguém é perfeito. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sophia de Mello Breyner Andresen e João Cabral de Melo Neto, convívios pela poesia

Os mistérios de “Impressão, nascer do sol”, de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Aquela água toda, de João Anzanello Carrascoza

As palavras interditas, de Eugénio de Andrade

O amor nos tempos do cólera, de Gabriel García Márquez