Seduzida e abandonada, de Pietro Germi


Por Maria Louzada



Pietro Germi, o grande realizador italiano, volta a se encontrar com a sua centelha de criatividade original que deriva nos anos 1960 neste Sedotta e Abbandonata. Trata-se de uma comédia, mas o assunto é sério, muito sério, e a visão do diretor italiano também, que ousa filmar uma comédia de costumes sobre a obstinada hipocrisia humana nos lugares mais remotos. Situações ao mesmo tempo hilariantes e que nos coloca cara a cara com a cruel realidade das mulheres num vilarejo da Sicília. Sem voz, sem direito ao próprio desejo ou às próprias escolhas, prisioneiras de pai, mãe, da sociedade patriarcal, de todos ao redor. 

Agnese (Stefania Sandrelli), uma siciliana de dezesseis anos apenas, é seduzida por Peppino (Aldo Puglisi), noivo de sua irmã mais velha. Ela acaba engravidando. Quando a mãe (Lola Braccini) descobre conta logo para o marido don Vincenzo (Saro Urzì) que obriga o rapaz a se casar com Agnese, mas ele foge. O pai se esforça então para, a qualquer custo, a qualquer custo mesmo, salvar a honra da família.

A masculinidade, a honra siciliana, a capacidade de brutalidade doméstica, a religião, tudo se insere no contexto da sacralidade da “família”.

Após os créditos iniciais  com as mulheres andando numa rua siciliana com os habituais vestidos negros de um luto eterno do lugar, e uma música cantante já com a história da família Ascalone , vem logo nos primeiros planos do filme, a representação do que virá a seguir brilhantemente engendrado: a apreciação da crônica da família. 

A câmera gira: pratos e pratos e mais copos acumulados e sujos na cozinha da casa após a comilança de um farto almoço de domingo; os pais no quarto fazendo a sesta com a mãe de combinação preta coberta (até as combinações das mulheres são negras), e o pai sem camisa com a barriga grande exibida como um troféu; o irmão (Lando Buzzanca) dormindo no seu quarto em posição fetal com um furo numa meia do pé; outra filha, Rosaura (Roberta Narbonne), dormindo de combinação preta também e bem coberta; o avô, num quartinho onde se enxerga só a cama com ele todo vestido ressonando; e aí na sala, dormindo no sofá, a irmã mais velha Matilde (Paola Biggio), de quem o noivo tira a xícara da mão adormecida, e vai quieto, em seguida, seduzir a cunhada, única pessoa acordada na casa, que, por sinal, está estudando à mesa com seu caderno.

Daí por diante tudo acontece sob a exímia direção de Germi e um excelente roteiro (história de: Luciano Vincenzoni e Pietro Germi – com roteiro de: Agenore Incrocci, Furio Scarpelli, Luciano Vincenzoni e Pietro Germi). Somos conduzidos a uma farsa que não é farsa, a um riso solto por certas cenas que não é bem riso, somos testemunhas vivas da hipocrisia e do preconceito, da violência e da insensatez, todos do gênero humano, infelizmente, e disseminados nas mais variadas culturas e dissecados por inteligentes e criativos cineastas que nos levam a reflexão lançando mão de diferentes provocações, como o humor, por exemplo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de “Impressão, nascer do sol”, de Claude Monet

Sophia de Mello Breyner Andresen e João Cabral de Melo Neto, convívios pela poesia

Boletim Letras 360º #394

Ruy Guilherme Barata

Dez curiosidades sobre o gênio Heitor Villa-Lobos

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira