Como fazer coisas com livros

Por Patricio Pron

Ilustração: Joe Prytherch


Ninguém jamais verá este livro nas listas “dos mais vendidos”, mas os únicos prejudicados por esta omissão serão aqueles leitores que ingenuamente creem que algo só é bom se for comprado por muitas pessoas. Apesar disso, não há o que reclamar a sua jovem autora, a poeta e artista multidisciplinar Amaranth Borsuk, nem quanto a seu tema, a história do livro e suas transformações ao longo de, digamos, os últimos 5.500 anos, uma história especialmente atrativa nos tempos em que o livro e o que se relaciona com a cultura surgida em torno dele se convertem em fetiche mercantil enquanto os índices de leitura não deixam de diminuir. A razão pela qual é improvável que El libro expandido seja lido por muitos leitores reside no fato de que, ao contrário de outros livros recentes sobre o tema, sua autora não banaliza essa história, a do livro e da leitura, nem a degrada em uma fantasia sobre reis e escribas ou em uma lição escolar repleta de lugares-comuns; de fato, o livro de Borsuk não subestima em nenhum momento seu leitor, a quem oferece em troca, no final da obra, leituras complementares e recursos on-line para “seguir investigando”.

El libro expandido aborda as diversas materialidades do livro, desde as tabuletas sumérias até o objeto comercializado com este nome nos dias de hoje. “O livro parecia ser um objeto sólido”, escreve Borsuk, “mas, apesar disso, hoje ele parece estar pronto para dissolver-se no ar, ou, ao menos, é preciso admitir que tem ameaçado fazê-lo no imaginário popular há pelo menos uma década com o aparecimento do leitor Sony Reader, em 2006, e em 2007, com o Kindle da Amazon, dispositivos de leitura que, para muitos, levarão à obsolescência do livro”, afirma.

A autora, no entanto, não é uma pessimista cultural. E a tese central de sua obra é a de que os suportes eletrônicos são benéficos de duas maneiras: fazendo com que o livro enquanto “dispositivo para a disseminação de ideias” conserve sua centralidade em nossa cultura e oferecendo um campo de possibilidades para a intervenção artística: não é de todo surpreendente que a padronização do livro como objeto produzido industrialmente e os temores quanto à perda do livro físico tenham conduzido a uma extraordinária diversidade de “livros de artista”, cuja origem a autora vincula às obras de William Blake, Ed Ruscha, Stéphane Mallarmé, Ulisses Carrión, Emmett Williams, Raymond Queneau, Georges Perec e outros criadores.

Borsuk leu os grandes autores sobre o tema, de Roger Chartier a Frederick Kilgour, passando por Frederic G. Kenyon, Anthony Grafton, Henry Petroski, Alberto Manguel e David Finkelstein. (Fica evidente que, ao menos até pouco tempo atrás, a história do livro é outra dessas histórias narradas quase exclusivamente por homens.) Ao discutir o livro como “objeto”, como “conteúdo”, como “ideia” e como “interface”, a autora propõe ao menos quatro formas antitéticas (mas complementares) de concebê-lo, assim como o tipo de coisas que se pode fazer com ele, o conjunto de práticas que, partindo das limitações e das possibilidades que o livro oferece, conformam uma sociedade e uma cultura. A história de Borsuk é inspiradora e elegante, uma dessas (muito raras) obras de divulgação que não se limita a popularizar conhecimentos sem também pensar “com” eles, em um processo extremamente inclusivo para o leitor, que é convidado a realizar uma viagem que (e isto está especialmente explícito em El libro expandido) não termina: como nos recorda a autora, a história do livro está cheia de períodos em que dois ou mais suportes materiais de leitura coexistiram sem que a existência de um implicasse uma ameaça para o outro. E, de qualquer forma, nossas práticas de leitura on-line se parecem muito com as realizadas por leitores de papiros e de tabuletas de argila não apenas devido ao scroll; mais uma vez, o novo repete uma gestualidade passada, e a utilidade e importância do livro voltam a manifestar-se cada vez que abrimos um verdadeiramente bom. Como este.

El libro expandido é o terceiro título da coleção Comunicación & Lenguajes dirigida pela pesquisadora argentina Silvia Ramírez Gelbes; foi precedido por El discurso híbrido. Formas de escribir en la web, da diretora da coleção, e Lectura transmedia. Leer, escribir, conversar en el ecossistema de pantallas, de Francisco Albarello. Talvez valha a pena ler este livro de Amaranth Borsuk junto dos dois títulos e como parte de uma constelação formada também por outra maravilha relativamente recente, o livro de Peter Mendelsund Qué vemos cuando leemos, publicado em 2015 pela Seix Barral. Nem tudo o que vale a pena está na lista “dos mais vendidos”.


* Tradução livre de Guilherme Mazzafera para “Cómo hacer cosas con libros”, publicado aqui em Letras Libres  a 1.º nov. 2020.
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sophia de Mello Breyner Andresen e João Cabral de Melo Neto, convívios pela poesia

Os mistérios de “Impressão, nascer do sol”, de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Aquela água toda, de João Anzanello Carrascoza

As palavras interditas, de Eugénio de Andrade

O amor nos tempos do cólera, de Gabriel García Márquez