Roberto Piva



O ano tem dado provas tristes aos da Literatura. Se fosse enumerar por aqui a sucessão de vidas ceifadas pela dama negra, este espaço se transformaria, em definitivo, num obituário. Anteontem, 03 de julho, de 2010, foi a vez do poeta Roberto Piva.

O poeta teve uma vida que começou, girou e findou em torno da cidade de São Paulo. Piva cresceu e formou-se entre a capital e as antigas fazendas do pai, no interior do Estado. Seus primeiros poemas foram publicados em 1961, quando tinha 23 anos. Por essa época integrou a Antologia dos Novíssimos, de Massao Ohno, na qual se lançaram vários poetas brasileiros iniciantes, que depois desenvolveram uma obra poética de importância. Foi formado em Sociologia e levou boa parte da vida profissional como professor de estudos sociais e história. Nos anos de 1970, tornou-se produtor de shows de rock. São Paulo, apesar de a ela está vincado sempre  lhe pareceu apocalíptica, exemplo do que não deve ser feito contra o meio ambiente, por isso sempre fugia dela para o litoral sul do Estado, refugiando-se na casa dos amigos na Ilha Comprida.

Sua genealogia poética apresenta raízes e inclui influências muito raras na literatura brasileira, formando uma mistura-fina que é única por sua erudição, mas também por sua transgressão: Dante Alighieri, o metafísico William Blake, Hölderlin, os poetas expressionistas alemães Gottfried Benn e Georg Trakl, o pensamento filosófico de Friedrich Nietzsche. Rimbaud e Lautréamont, foram-lhe as bases. Das vanguardas do começo do século 20, Piva absorveu lições do surrealismo, na vertente francesa de André Breton, Antonin Artaud e René Crevel. É um dos três únicos poetas brasileiros a constar no famoso Dicionário Geral do Surrealismo, publicado na França. A partir de Artaud, Piva incorporou a idéia de que existe um compromisso absoluto entre poesia e vida.  Também lhe é flagrante em sua poesia a influência dos futuristas italianos (com seu culto à fragmentação moderna), acrescida de algumas expressões musicais da contemporaneidade do pós-guerra, através da onipresente marca do jazz e da bossa nova, que foram duas fidelíssimas paixões do poeta. Mas há mais duas fortes presenças contemporâneas em sua poética. Uma é a Beat Generation americana, da qual Piva não só absorveu a estilística fragmentada e a temática que aproxima o contemporâneo do arcaico, mas através da qual também sedimentou a orientação basicamente transgressiva dos costumes do seu tempo.

Na década de 1970, a transgressão foi reforçada pela descoberta do outsider Pier Paolo Pasolini, protótipo do intelectual-profeta que caminha nas frinchas do paradoxo. Dos poetas brasileiros, essa genealogia poética agregou as figuras de Murilo Mendes - com seu surrealismo intenso, espontâneo e sensorial, ao contrário dos franceses intelectualizados - e Jorge de Lima, sobretudo aquele barroco, visionário e atormentado de Invenção de Orfeu. Os elementos finais da construção poética de Roberto Piva evidenciam uma substancial ligação com o aspecto mágico.

Os traços mais presentes na obra de Roberto Piva giram em torno dessas influências ou ao menos partem delas. Trata-se, antes de tudo, de uma poética de transgressão: na abordagem, na temática e na quebra de fronteiras entre os contrários. Portanto, uma transgressão que desemboca no paradoxo - por exemplo, entre carne & espírito, vida & obra, contemporâneo & arcaico. Sua expressão poética persegue o rastilho da escrita automática de extração surrealista: recuperar para a poesia os estados primitivos do sonho e da loucura.

No caso de Roberto Piva, talvez fosse mais adequado falar em escrita delirante. Essa prática levou, também no caso do poeta brasileiro, à utilização do método da livre associação de idéias, a partir da crença na importância poética do inconsciente. Resultado: metáforas explosivas que Roberto Piva articula com estonteante propriedade.

Ligações a esta post:
>>> Leia resenha de Cláudio Willer sobre Paranóia.
>>> No Tumblr do Letras imagens raras de Roberto Piva.


* este texto é composto por notas de "A arte de transgredir (uma introdução a Roberto Piva)", de João Silvério Trevisan, publicado revista Agulha, n.38. abril de 2004.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #323

Boletim Letras 360º #324

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Boletim Letras 360º #325