Receita de um poeta

Não nos preocupemos com as palavras
Elas caem não sei de onde
Vêm de cheio uma após outra
A galope ou fugindo do negro de nós
E escapam, derrapam, ficam e fincam em versos, por vezes destoados, mas versos.

Não faria sentido
Ficar sentado, parado, perdido no vácuo do papel
A suspirar por donzelas, por outros eus, pelo mundo
A esse modo as palavras correm, têm medo de como serão usadas
Elas preferem ser abusadas e caírem mortas-vivas, rotas, num verso sem fim.

Não há necessidade de arrumá-las como que numa prateleira
Elas vêm faceira, gostam mesmo é da desordem
Porque é na liberdade, no caos, que se ergue o sentido
Que se mostram coerências, coesões
É no desconexo que se ergue o poema.

* Acesse o e-book Palavras de pedra e cal e leia outros poemas de Pedro Fernandes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

20 + 1 livros de contos da literatura brasileira indispensáveis

Carolina Maria de Jesus, a escritora que catava papel numa favela

José Saramago e As intermitências da morte

Visões de Joseph Conrad

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

Sor Juana Inés de la Cruz, expoente literário e educativo do Século de Ouro espanhol

Ensaios para a queda, de Fernanda Fatureto

A melhor maneira de conhecer o ser humano é viajar a Marte (com Ray Bradbury)

Não adianta morrer, de Francisco Maciel

Boletim Letras 360º #246