Minha coleção de pockets books ou tamanho é documento

Por Pedro Fernandes



O primeiro que adquiri foi Drácula, do Bram Stoker da L&PM Editores. E de lá para cá não parei de tê-los. E, estudante, com pouca grana, sempre faço opção por eles. Mesmo depois se eu tiver a chance de construir uma biblioteca com os títulos normais, os pequeninhos continuarão a existir. 

Os livros de bolso surgiram no país com a série "O coyote", publicada nos anos 50 pela Monterrey, do Rio de Janeiro. Na época, cada edição vendeu até 200 mil exemplares. A L&PM é a que, definitivamente reinaugurou por aqui o gosto pelos pockets e o sucesso deles também. O objetivo deles é sempre o mesmo do que pensaram os editores da Penguin (a franquia estadunidense que pensou o livro de bolso no favor de uma cartela de cigarros) é popularizar o livro e o acesso a leitura, tomar a maior quantidade de leitores.

E não é surpresa ir hoje a uma banca de revistas numa rodoviária e dar de cara com um Madame Bovary, de Flaubert, um Vermelho e o negro, de Stendhal, um Memórias do subsolo, de Doistoiévski; ou mesmo aquela cidade do interior que não tem biblioteca, não tem livraria, mas pode ter uma pequena estante numa papelaria ou farmácia com tais pockets books. Não é o máximo?

Práticos e em grande parte com o mesmo conteúdo das edições mais sofisticadas e, não apenas isso, cabem no bolso em todos os sentidos, isso é, reforço, o que mais me atrai neles. O segmento tem se renovado. Outras coleções de grandes editoras tem sido postas à venda, como a Sabor literário, da José Olympio, e a Companhia de Bolso, da Companhia das Letras.

A primeira tem investido inclusive em textos inéditos ou há muito esgotados, de escritores brasileiros e estrangeiros, como Sobre a arte Sobre poesia, do Ferreira Gullar, Caminhando, de Henry David Thoreau, Alguns poemas traduzidos, de Manuel Bandeira, e Paris, França, de Gertrude Stein.

Já a Companhia das Letras, tem dado prioridade também a grandes obras e obras que já se tornaram à beira dos Best-Seller; é possível encontrar desde José Saramago (minha edição de O evangelho segundo Jesus Cristo e de A jangada de pedra vieram daí) a Marcelo Gleiser passando por Fernando Pessoa e Milan Kundera.

A coleção de bolso da Hedra também oferece edições pouco conhecidas de obras da literatura e da filosofia, como a tradução que João do Rio fez para O retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde, e uma edição de Os sofrimentos do jovem Werther, de Goethe.

Todas são, sempre, muito bem vindas. Só cuidado com as edições da Martin Claret!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carolina Maria de Jesus, a escritora que catava papel numa favela

20 + 1 livros de contos da literatura brasileira indispensáveis

José Saramago e As intermitências da morte

José Saramago e Jorge Amado. A arte da amizade

Cecília Meireles: transcendência, musicalidade e transparência

Sor Juana Inés de la Cruz, expoente literário e educativo do Século de Ouro espanhol

Visões de Joseph Conrad

Ensaios para a queda, de Fernanda Fatureto

A melhor maneira de conhecer o ser humano é viajar a Marte (com Ray Bradbury)

Os diários de Sylvia Plath