A doce vida, de Federico Fellini



Na década de 1950, Federico Fellini começou a se afastar de seu passado neo-realista - participou como roteirista de Roma, cidade aberta (1945), e Paisà (1954), de Roberto Rossellini - com suas primeiras obras-primas, A estrada da vida (1954) e Noites da cabíria (1957). Recebeu, pela ousadia, ataques duros da esquerda e de outros setores que esperavam encontrar em sua obra elementos do antigo movimento. E acabou tornando-se persona non grata tanto entre os revolucionários quanto entre os moralistas e a Igreja Católica com A doce vida.

Ele pode até ter feito filmes melhores, mais nostálgicos, mais emocionantes e mais engraçados. Porém, nada o define com mais precisão do que este cáustico panorama da sociedade romana e do mundo da fama. O longa foi lançado no mesmo ano de A aventura, de Michelangelo Antonioni, e explora universos parecidos:o vazio da sociedade burguesa e a maneira hedonista pela qual tentam extravasar suas frustrações. Só que, enquanto Antonioni aborda o tema de maneira melancólica, angustiada, Fellini recorre ao picaresco, ao grotesco, ao cinismo. O enredo acompanha alguns dias na vida de Marcello Rubini (Marcello Mastroiani, alter-ego do diretor), jornalista boa-vida que circula entre os glamourosos, milionários e estrelas da alta sociedade. Não chega a haver uma história conduzindo o roteiro; em uma série de episódios interligados pelo tema do desperdício e do patético da vida, observamos o personagem conhecer uma atriz linda e fogosa (Anite Ekberg, famosa pela cena do banho na fonte), frequentar festas e becos obscuros, participar de orgias e porres homéricos e trair a namorada ciumenta.

Rubini participa ativamente de todas essas atividades, mas nunca deixa de manifestar consciência sobre a futilidade delas. Fellini não faz concessões: a indústria das celebridades é exorcizada na perseguição de estrelas (o termo paparazzi surgiu do nome do personagem Paparazzo); a falta de alternativas para o vazio dos intelectuais é latente no suicídio de um filósofo; a beleza de Roma é desmistificada pelos becos imundos.

Desorientado e desiludido, a única opção para Marcello é desistir de encontrar um sentido e se entregar à doce vida.


* Revista Bravo!, 2007, p.64.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #324

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Boletim Letras 360º #325

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas