Postagens

Mostrando postagens de Março 2, 2015

Alegorias dramáticas do Herói Romântico (Parte 3)

Imagem
O lado menos sombrio – ou o mais idealista ou satírico - do poeta romântico Por Leonardo de Magalhaens © Eugènie Delacroix.  O prisioneiro de Chillon  Com o amadurecimento do Poeta – de byroniano a anti-byroniano – enquanto arquiteto e demolidor da imagem romântica do herói, destaca-se as obras em que se evidenciam a pregação da Liberdade (como é o caso de Chillon ) ou a visão satírica das aventuras de um romantizado Don Juan, aquele mesmo das tantas narrativas ibéricas (vide o Don Juan , de Molière e o Don Juan Tenório , de José Zorrilla) Da mesma época de Manfred  temos o belo poema “O Prisioneiro de Chillon” (1816), a tratar da ânsia de liberdade e da necessária luta contra as tiranias. O poema abre com um belíssimo soneto, que traduzo, Eternal Spirit of the chainless Mind! Brightest in dungeons, Liberty! thou art, For there thy habitation is the heart - The heart which love of thee alone can bind; And when thy sons to fetters are consign'