Hamlet, de William Shakespeare

Por Denise Mota

Wagner Moura interpreta Hamlet


"Ser ou não ser, eis a questão". Com essa fala, parte do popular monólogo que conforma a primeira cena do terceiro ato de Hamlet, não só o angustiado príncipe dinamarquês como o maior escritor inglês de todos os tempos permaneceram gravados na memória de espectadores e leitores em todas as latitudes do planeta.

A tragédia sobre a dúvida, a vingança e o engano, considerada por muitos a obra-prima de William Shakespeare, foi escrita pelo dramaturgo entre 1600 e 1602. A trama tem início nas muralhas do castelo real de Elsinore, quando Hamlet, visitado pelo fantasma do pai, morto recentemente, é convocado a vingar o assassinato do progenitor. O autor do crime, revela a visão, é nada menos que Cláudio, tio do rapaz, que havia subido ao trono depois de derramar veneno no ouvido do próprio irmão e contrair núpcias com Gertrude, mãe de Hamlet.

Tomado pelo ódio, mas também consumido pela dúvida, o príncipe opta por fingir-se de louco para observar melhor o comportamento de todos e especialmente o de Cláudio. Ardilosamente, também decide averiguar a veracidade das afirmativas do fantasma por meio da encenação do que teriam sido acontecimentos descritos pelo espírito. Contrata uma equipe de atores e promove um espetáculo que reproduz o assassinato do pai. A apresentação é interrompida por Cláudio, que não suporta assistir a ela até o fim.

Convencido da culpa do tio, Hamlet dá início a uma vertiginosa sucessão de mortes, decorrentes da tentativa de eliminar o novo rei. A primeira vítima é Polônio - conselheiro de Cláudio e pai de Ofélia, a amada do príncipe -, morto por engano depois que Hamlet nota que alguém escuta furtivamente a discussão que tem com a mãe, quando a questiona sobre o apressado casamento com o cunhado.

Descontrolada por causa do rechaço de Hamlet, de sua pretensa insanidade e do assassinato do pai, Ofélia morre afogada. Em busca de vingança, Laertes, irmão da moça, volta da França para matar o príncipe dinamarquês em um duelo, plano que empreende junto com Cláudio. Durante a luta, e ao comemorar a aparente vitória do filho, Gertrudes falece depois de tomar uma bebida envenenada preparada por Cláudio e originalmente destinada a Hamlet.

Laertes consegue atingir o príncipe com um florete envenenado, mas Hamlet usa a mesma arma para assassinar o oponente. Por fim, em um cenário povoado por cadáveres e à beira da morte, o príncipe utiliza os últimos minutos de vida para concretizar sua vingança. Ainda com a espada envenenada, Hamlet mata o tio. "E o resto é silêncio".


* Texto publicado na revista Entrelivros (especial - Teatro)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Boletim Letras 360º #315

Anatomia do ócio, de R. Leontino Filho

Outra volta do cânone

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Casa na duna, de Carlos de Oliveira

Um romance sobre horror nazista recuperado depois de oito décadas