Stardust - o mistério da estrela, de Matthew Vaughn




O filme está baseado no universo fantástico de Sandman, história em quadrinhos de Neil Gaiman cuja narrativa é uma releitura do clássico conto de fadas; sim, no mundo redesenhado pelo britânico há bruxas más em busca de uma fórmula da juventude, elfos, reis, príncipes, enfim, todo um acervo da milenar cultura nórdica. E todo esse universo é traduzido pelo cinema de Matthew Vaughn.

Em uma pequena vila, o jovem Tristan Thorne (Charlie Cox) promete a sua amada Victoria Forester (Sienna Miller) buscar uma estrela que caiu no reino mágico vizinho; a promessa é sinal de prova do amor de um pelo outro. Em sua jornada, ele irá se deparar com todas essas criaturas do universo encantado até descobrir que a estrela tem a forma de uma mulher encantadora e é criatura cobiçada por muitos.

Para a crítica, o que chama atenção no filme é o roteiro e o trabalho dos atores. De fato, mas não são os novatos em cena. Claro, que há atuações mais desastrosas e o Charlie Cox, por exemplo, se mostra como boa escolha do diretor. Mas o que chama atenção neste filme é a atuação de veteranos como Robert De Niro, que está divertidíssimo no papel de capitão de um navio pirata, o capitão Shakespeare que tem o dom de captar raios com o seu navio voador; e Michelle Pfeiffer, no papel da bela e má feiticeira Lamia (sempre acho que as criaturas más no cinema são as melhores). O bom em De Niro nesta peça e que permite ao ator exercitar seu lado comediante, é a transformação da personagem: a princípio dá caras de ser um durão, mas é, na verdade, um gay enrustido.

A dica para quem verá ou filme ou já viu é dedicar-se à leitura da obra na qual o filme foi baseado; no Brasil Sadman é publicado pela Editora Conrad; o livro é da década de 1990.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #328

Boletim Letras 360º #325