Valter Hugo Mãe, o cantor

Por Pedro Fernandes



Foi através do Prêmio Literário José Saramago que conheci o nome Valter Hugo Mãe; e é uma pena que até agora só o remorso de baltazar serapião tenha chegado desse lado do Atlântico. Que a Editora 34, que publicou essa obra, ou outra editora que venha adotá-lo cumpra em vencer essa lacuna de divulgação da obra do escritor no Brasil. Afinal, não tenho lido nada mais que elogios ao seu trabalho e a recepção do prêmio Saramago deve dizer alguma coisa.

Mas, não é sobre o escritor, que este registro quer falar: é que em janeiro deste ano, o periódico português Jornal de Letras trouxe uma nota breve de Manuel Halpern sobre outra face do nome Mãe: a do cantor. Isso mesmo: não temos cá um Chico Buarque (cantautor como chamam os patrícios), pois de lá vem o Mãe. Sabia já do José Luís Peixoto.

A nota "O escritor que canta com maiúsculas", termo colocado em oposição à grafia com que tem escrito sua obra e incorporado na escrita (tudo em minúsculas), Halpern comenta que Valter Hugo Mãe "canta à séria, apostando no esplendor da voz, quase num acto de vaidosismo, que contradiz a sua aparente timidez".

No elogio a nota ressalta ainda a explosão vocal do português e a complexidade da letra do primeiro sing "Meio bicho e fogo", descrito como "um labirinto de imagens, de mensagem difusa, porventura borgiano". A música, entretanto, não é do Valter Hugo Mãe e sim de Miguel Pedro. A peça integra o disco da banda Governo. O videoclipe está online e reproduzo logo abaixo; as imagens são de Esgar Acelerado.



Meio-bicho e fogo

parte o navio para o labirinto,
sai o navio no fio vermelho,
vai ardendo na linha da água
e o combustível vem do temporal...
e a fuga do amor que vier?
não há fuga,
eu sou tão impuro!
e segue o navio para o labirinto,
para mim...
que tonto e difícil
o mítico corpo,
meio bicho e fogo,
minotauro bomba
prestes a rebentar, já segue morto...
o navio a afundar sob o temporal!
não há fuga do amor que vier!
não há fuga,
eu sou tão impuro!
e segue o navio para o labirinto,
para mim.
para o labirinto,
para o fim...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Varlam Chalámov, contador de histórias

Boletim Letras 360º #323