Andréa del Fuego




Não é lugar-comum afirmar que o sucesso de um escritor - na maioria das vezes - vem tarde; tão tarde que - na maioria das vezes também - chega apenas depois de sua vida. Num país como Brasil, onde arte é sinônimo de vacância ou atividade paralela, ainda mais. 

Mas, remando contra a maré, eis que vem, já de longa data, afinal esta autora, publicou seu primeiro trabalho há cerca de sete anos, Andréa del Fuego. A escritora de sobrenome adotado da bailarina, naturalista e feminista brasileira Luz del Fuego, de um tempo quando os jovens escritores adotavam nomes para se mostrarem imigrantes no mundo virtual dos blogs, é a recente ganhadora do Prêmio Literário José Saramago, instituído há sete anos e que tem dado relevância a autores em construção. 

Andréa del Fuego é paulista e tem ainda uma curta obra. Nasceu em 1975. Mesmo nascente, como dirão uns, a sua obra já aponta algumas raízes temáticas e incursões bastante sólidas por alguns gêneros literários, dirão outros. 

A obra de estreia da autora foi a trilogia de contos Minto enquanto posso, publicada em 2004. No ano seguinte, Nego tudo; em 2007, Engano seu; em 2008, os romances dirigidos ao público infanto-juvenil, Quase caioSociedade da caveira de cristal

No ano anterior, em 2010, publicou o seu primeiro romance Os Malaquias - e foi com esse livro que venceu o Prêmio José Saramago. Os integrantes do júri, destacaram diversas peculiaridades do romance, sublinhando o reconhecimento na sétima entrega do galardão. Para Nélida Piñon, trata-se de "um romance áspero, poético, original"; o poeta  português Vasco Graça Moura, "a escrita surpreende insuspeitados recursos de estranheza na coloquialidade cotidiana e desenvolve-se num ritmo muito seguro, perturbante e por vezes quase alucinatório". 

Os Malaquias está publicado no Brasil pelo selo Língua Geral, que tem um catálogo marcado por obras de escritores portugueses contemporâneos e africanos. João Tordo, o vencedor do Saramago em 2009, por exemplo, aparece nesta casa com As três vidas

O romance de Andrea del Fuego é descrito como uma saga familiar; a narrativa acompanha a vida de três crianças que têm suas vidas separadas após a morte de seus pais, quando a casa onde vivem é atingida por um raio. 

Além de Os Malaquias e dos títulos aqui referidos, a autora também figura em muitas antologias importantes tais como Histórias femininas, Capitu mandou flores +30 mulheres que estão fazendo a nova Literatura brasileira.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boletim Letras 360º #572

Boletim Letras 360º #567

Boletim Letras 360º #568

A criação do mundo segundo os maias

A bíblia, Péter Nádas

Boletim Letras 360º #571