Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

Sobre o III FLIPIPA


Por Pedro Fernandes



Ano passado tive o privilégio de me instalar os três dias do evento, num albergue na Praia da Pipa, e aproveitar dia após dia a programação do Festival Literário da Pipa. Esse ano, pelo rol de atividades que estou a desempenhar nesse fim de mês – um encerramento de semestre, um início de outro na Universidade e ainda mais a coorganização do II Colóquio Nacional de Linguagem e Discurso – me fizeram está em total desestrutura temporal para cumprir com uma agenda de discussões sobre Literatura bastante extensa como foi a dessa terceira edição. 

Mas, o senso de curiosidade, o espírito de aventura e-ou certa vontade de sair da mesmice urbana, levaram-me a última noite de sábado, 19 de novembro, à praia da Pipa. Fui, num bate-e-volta como se costuma chamar por aqui, até o III FLIPIPA ver de perto a estrutura nova do festival e passear ainda entre as mesas de Eucanaã Ferraz e Rubens Figueiredo. É verdade, que os convidados desse ano não foram estimulantes ao ponto dos que foram os do ano passado. Curiosidade mesmo só tinha pelo filho da Sophia de Mello Breyner Andresen, o Miguel de Souza Tavares, que deve ter aproveitado a estadia no Nordeste – antes o escritor esteve em Olinda na FLIPORTO – e deu uma esticada até a ponta do mapa. Não que o escritor seja merecedor dessa atenção toda, mas é que o tem sobre o qual ele discorreria é uma dos que me intui academicamente: literatura e história. 

A última noite de FLIPIPA foi suficiente para dizer que o festival esse ano ampliou-se e não perdeu a qualidade. Teve, certamente, uma grande aceitação pelo público, seja pela dimensão que evento ocupa para o calendário de uma praia que só ganha a superlotação de pessoas nos Réveillon e, não somente isso, encarna o espírito artístico ao ser um evento que não se deixa contaminar (ainda) pelos níqueis castradores do capital – apenas nos livros oferecidos pelo único stand de livraria presente por lá. Mas, isso é outros quinhentos.

Fica, pois, a expectativa para a edição de 2012 e queira está um tanto quanto mais livre a fim de que possa repetir a façanha de 2010.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Boletim Letras 360º #308

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

Boletim Letras 360º #309

Os melhores de 2018: prosa

O excesso que vive: Mac e seu contratempo, de Enrique Vila-Matas