Afonso Bezerra




Afonso Ligório Bezerra nasceu em 9 de junho de 1907, em Carapebas (hoje, Afonso Bezerra-RN), filho de João Batista Alves Bezerra e Maria Monteiro Bezerra. Fez os primeiros estudos onde nasceu e depois mudou-se para Natal, onde fez o secundário no Colégio Marista e no Atheneu; em 1928, ingressou na Faculdade de Direito no Recife, mas não chegou a concluir os estudos porque contraiu tuberculose e morreu vítima da doença em 8 de março de 1930.

Começou a escrever publicamente tinha só 16 anos quando apresentou, na revista carioca O Beija-Flor o conto "O orvalho"; a partir de então passou a colaborar com frequência para os jornais como A Imprensa, Diário de Natal, A República, Letras Novas e a revista Cigarra. No curto período que esteve no Recife, colaborou com o Jornal do Recife, A Tribuna, Ilustração, Gazeta Acadêmica e o Diário de manhã. No Rio de Janeiro, além do periódico onde estreou sua escrita teve textos editaods por jornais como O momento e Excelsior. A sua produção literária foi marcada por apenas um livro: Afonso Bezerra: ensaios, contos e crônicas, edição publicada postumamente.

Não é à toa que Tarcísio Gurgel em Informações da Literatura Potiguar chama Afonso Bezerra de "impressionante figura de polígrafo" e "(com uma proeminência da sua veia de crítico cristão, influenciado pelo Centro Dom Vital), chegou a publicar pela imprensa uma interessante sucessão de artigos, críticas e contos regionalistas. Estes últimos, como perceberam alguns estudiosos, próximos da prosa do grande regionalista goiano Hugo de Carvalho Ramos"

“As figuras ingênuas, os mitos, as assombrações, a chuva, a seca, a barbárie temperada pelo lirismo do povo, a música das toadas plangentes, o canto da terra, o trágico luar sobre campos devastados, o perigo das cobras, o primarismo instintivo, o que há de resignado e simplório numa gente humilde e desprevenida, a fé em Deus – tudo isso é a atmosfera dos contos, a substância da sua ficção. Esses contos, muitos deles, vi-lhos escrever. Traçava antes o plano da sua criação. E vivia de tal modo a sua fantasia que me deu sempre a impressão de que apenas trazia a realidade para o gênero literário predileto. Era assim mesmo: a realidade lhe fornecia o tema, refazendo no seu espírito o drama da pobreza e da resignação, que é ainda hoje o mesmo.” (Trecho do Prefácio de Nilo Pereira)

O excerto integra o livro Afonso Bezerra: ensaios, contos e crônicas, resultado de uma extensa pesquisa de Manoel Rodrigues de Melo que compilou boa parte dos textos publicados pelo potiguar. A edição saiu no Rio de Janeiro pela Pongetti, 1967.

* A imagem e o texto são a partir do Portal da Memória Literária Potiguar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #324

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Boletim Letras 360º #325