Quatro nomes da Segunda Geração do Romantismo: Junqueira Freire



Junqueira Freire é baiano. Nasceu em 1832 e foi, conforme lembra Antonio Candido, dos de sua geração, "o mais ligado aos padrões do Neoclassicismo"; isso terá se dado por motivo diverso. "Considere-se em primeiro lugar o meio baiano, caracterizado por certa tradição clássica, o amor aos estudos linguísticos, a preferência pela oratória. Ao contrário do que aconteceu noutros lugares não houve movimento romântico no Salvador: Castro Alves encontrou ambiente estimulante em Recife e São Paulo, não na terra natal. O próprio Junqueira Freire é autor dum compêndio conservador, Elementos de retórica nacional. Explica, também, a desconfiança ante a melodia e o movimento, prezados no Romantismo, sendo interessante notar o modo reversível por que aborda a oratória e a poesia, irmanando-as de certo modo, segundo a tradição dos clássicos. Embora admirador de João de Lemos, era-o sobretudo de Gonçalves Dias, Garrett e Herculano, românticos ainda presos a certos aspectos da estética neoclássica; e, tanto, quanto eles, de Garção e Filinto Elísio, cuja estreiteza formal adotou em grande parte, opondo-se à 'cadência bocagiana'".

Escreveu, além do compêndio mencionado por Antonio Candido dois livros de poesia: Inspirações do claustro e Contradições poéticas, os dois publicados no ano de sua morte (1855). Duas obras marcadas por um sentimento fundo e sincero, para usar as palavras de Manuel Bandeira, porque nascido não da imaginação ou de leituras, mas de sofrimentos reais. "Junqueira Freire era de uma constituição doentia muito peculiar." Sua poesia é assinalada pela contradição, pelo claustrofóbico. Uma compreensão sobre essa relação vida-obra marca-se, no caso da contradição, por exemplo, nos dois rumos em sua vida aparece dividida: primeiro entregue ao prazer barato, depois, dedicado exclusiva à causa religiosa, como se num interesse de encontrar em algum lugar (era um inquieto) a paz terrena; claro, que no novo ofício padeceu mais decepções que paz. Quando largou o claustro (ficou três anos) saiu doente e morreu sete meses depois.

Para Antonio Candido, situado antes de um Guerra Junqueiro e um Antero de Quental (nomes da literatura de sua estima), o poeta brasileiro é o caso de antecipação de um Augusto dos Anjos e da poesia realista da morte; os textos estão marcados pelas referências "à vida embrionária, às vísceras, à célula, bem como o emprego de termos de sabor científico: galvanizar, fosfórico, fosforescente".

"Havia nele mais dum traço original; é lamentável que a pressão insuportável das condições de vida e um formalismo constrangedor houvessem impedido a sua realização plena, no nível de poucos, mas intensos momentos de beleza que logrou alcançar", conclui Antonio Candido.

MORTE
(fragmento)

Pensamento gentil de paz eterna,
Amiga morte, vem. Tu és o termo
De dois fantasmas que a existência formam,
- Dessa alma vã e desse corpo enfermo.

Pensamento gentil de paz eterna,
Amiga morte, vem. Tu és o nada,
Tu és a ausência das moções da vida,
Do prazer que nos custa a dor passada.

Promessa de descanso eterno, refúgio para as dores da vida, a morte aparece também nos poemas de Junqueira Freire. Não diferente dos demais da sua geração. Também nele há o amor não-correspondido, fonte de sofrimento insuportável. O binômio amor-morte será traduzido muitas vezes pela oposição entre o desejo de amar e o desejo de morrer.

Ligações a esta post:
>>> Leia sobre Álvares de Azevedo
>>> Leia sobre Casimiro de Abreu
>>> Leia sobre Fagundes Varela

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Boletim Letras 360º #324

Boletim Letras 360º #325

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas