Miacontear - A despedideira

Por Pedro Fernandes



É sim um conto de despedida. Como narrador, novamente temos uma mulher. Esta não está para narrar sua submissão a uma rotina por um homem ("O cesto"), nem está para narrar algum homicídio ("Meia culpa, meia própria culpa"), o que esta mulher se põe a contar é sobre o início e desfecho de um amor.

A ideia de submissão, entretanto, é a mesma, ainda que esta, agora, não padeça fisicamente, nos gestos e na fisionomia, de atitudes de machismo sobre ela, como é visível, por exemplo, nas duas outras mulheres citadas. Mesmo que o seu desejo seja de um homem ao seu lado - "nuvem", "homem em breves doses", "e, vez enquando, seja mulher, tanto quanto ela"; e mesmo que ela tenha conseguido esse homem, que é este amor que agora é conta que perdeu, é latente sua submissão psicológica a ele construída por um muro de lembranças que é o próprio muro que sustenta sua subjetividade.

"Deixem-me agora evocar, aos golpes de lembrança. Enquanto espero que ele volte, de novo, a este pátio. Recordar tudo, de uma só vez, me dá sofrimento. Por isso, vou lembrando aos poucos. Me debruço na varanda e a altura me tonteia. Quase vou na vertigem. Sabem o que descobri? Que minha alma é feita de água. Não posso me debruçar tanto. Senão me entorno e ainda morro vazia, sem gota.

Porque eu não sou por mim. Existo reflectida, ardível em paixão. Como a lua: o que brilho é por luz de outro. A luz desse amante, luz dançando na água. Mesmo que surja assim, agora, distante e fria. Cinza de um cigarro nunca fumado." ¹


_____________
¹ COUTO, Mia. O fio das missangas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p.53.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #324

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Boletim Letras 360º #325