Boletim Letras 360º #284

Estamos colocando o ponto final em mais uma semana e sempre (como é de costume) pensando nas matérias que irão compor este blog nos dias seguintes. Por enquanto, a comum reunião das notícias que foram publicadas em nossa página no Facebook. Boas leituras!

Roberto Bolaño. Finalmente, teremos em português a poesia do escritor chileno. Mais detalhes ao longo deste Boletim.

Domingo, 12/08

>>> Inglaterra: Morreu o escritor britânico V.S. Naipaul, premiado com o Nobel de Literatura em 2001

Nascido em Trinidad e Tobago, estudou Literatura inglesa na Universidade de Oxford, antes de se estabelecer na Inglaterra. Passou muito tempo viajando e se tornou um símbolo do desenraizamento moderno. Naipaul mudou-se em 1950 para a Inglaterra, onde trabalhou como jornalista para a rede de TV britânica BBC. Doutor Honoris Causa pelas universidades de Cambridge, Londres, Oxford e Columbia, ele foi ainda sagrado cavaleiro britânico pela rainha Elizabeth II em 1990. Ao conceder-lhe o Nobel, a Academia Sueca afirmou que V.S. Naipaul tinha sido premiado por "ter misturado narração perspectiva e observação incorruptível em suas obras, que nos condenam a ver a presença da história esquecida". Naipaul misturou ficção, não ficção e autobiografia sem fazer distinções. Ele escreveu mais de 30 livros; muitas de suas obras estudam os traumas das mudanças pós-coloniais. (G1).

Segunda-feira,13/08

>>> Brasil: Relançado "Glória", o primeiro romance de Victor Heringer

Há meses, noutra ocasião como esta, noticiamos que a Companhia das Letras passaria a reunir toda a obra de Victor Heringer; e começam o projeto com a reedição de Glória. Esta obra é a crônica de uma família no Rio de Janeiro que compartilha o humor particular e o desgosto genético. Glória conta a história dos Alencar Costa e Oliveira, uma "família de doentes imaginários". Eles se comunicam com chistes, tiradas, diálogos zombeteiros. Falam o oposto do que querem dizer ou repetem as mesmas frases até que passem a ter outro sentido. Neste caso, o bordão oficial da casa quando algo dá errado — a comida queima no forno, os filhos não param quietos — é "Deus é, era, gago". Serve, como se vê, para quase todas as situações. Além do humor idiossincrático, os Alencar Costa e Oliveira têm outra característica em comum. Ninguém da linhagem morre de doença ou de acidente. A melancolia aguda, fatalidade que se repete de geração em geração, é a maldição que paira sobre o sobrenome. Esta talvez seja a única tradição da família: a causa do óbito, invariavelmente, é o desgosto. Com erudição, graça e inventividade, Victor Heringer traça o destino de três irmãos — Daniel, Abel e Benjamin —, misturando referências literárias e notas de rodapé improváveis. Neste livro nonsense e engenhoso, o estilo à la Machado de Assis se funde ao cotidiano carioca do século XXI, quando as formigas invadem o bairro da Glória e os personagens frequentam uma sala de bate-papo virtual em que a palavra de ordem é a ironia. Esta edição chega às livrarias a partir da última semana de setembro.

>>> Brasil: Apresentada edição comercial de As últimas testemunhas. Crianças na Segunda Guerra Mundial, de Svetlana Aleksiévitch

Neste livro doloroso e potente, a escritora Prêmio Nobel de literatura reuniu os relatos francos de vários sobreviventes da Segunda Guerra que, quando crianças, testemunharam horrores que nenhum ser humano jamais deveria experimentar. A Segunda Guerra Mundial matou quase 13 milhões de crianças e, em 1945, apenas na Bielorrússia, havia cerca de 27 mil delas em orfanatos, resultado da devastação tremenda causada pelo conflito no país. Entre 1978 e 2004, a jornalista Svetlana Aleksiévitch entrevistou uma centena desses sobreviventes e, a partir de seus testemunhos, criou uma narrativa estupenda e brutal de uma das maiores tragédias da história. A leitura dessas memórias não é nada além de devastadora. Diante da experiência dessas crianças se revela uma dimensão pavorosa do que é viver num tempo de terror constante, cercado de morte, fome, desamparo, frio e todo tipo de sofrimento. E o que resta da infância em uma realidade em que nada é poupado aos pequenos? Neste retrato pessoal e inédito sobre essas jovens testemunhas, a autora realizou uma obra prima literária a partir das próprias vozes de seus protagonistas, que emprestaram suas palavras para construir uma história oral da Segunda Guerra. A tradução de Cecília Rosas passa a circular na primeira semana de setembro.

Terça-feira, 14/08

>>> Brasil: A poesia do chileno Roberto Bolaño será publicada pela primeira vez no país

Companhia das Letras publica a antologia A universidade desconhecida, organizada pelo autor e só apresentada postumamente. O volume traz poemas de livros como Los perros románticos e Tres, além de inéditos. A edição, bilíngue, será traduzida por Josely Vianna Baptista.

>>> Brasil: Nova tradução para Dublinenses, de James Joyce

A obra mais acessível do autor de Ulysses é composta por quinze contos que fazem um retrato vívido e inclemente sobre a "boa e velha Dublin" do começo do século XX. Essas quinze histórias, incluindo "Arábias", "Graça" e "Os mortos", mergulham no coração da cidade natal de James Joyce, capturando não só a cadência da fala, mas também o realismo quase brutal dos sentimentos de seus habitantes. A edição ainda inclui a história "O velho vigia", escrita por Berkeley Campbell, que serviu de mote para que Joyce escrevesse o conto "As irmãs", que abre a coletânea. Publicado pela primeira vez em 1914, este livro decifra a vida da classe média católica da Irlanda, mas também lida com temas universais como decepções, frustrações e o despertar sexual. Joyce tinha 25 anos quando escreveu estes contos, considerados por muitos tanto um experimento literário quanto a obra mais acessível do autor. A tradução de Caetano W. Galindo sai pelo selo Penguin / Companhia.

>>> Brasil: No ano em que se comemoram os 110 anos da imigração japonesa no Brasil, Haicais tropicais reúne vinte autores brasileiros

E convida o leitor a conhecer o poema oriental de três versos que trata de temas como a passagem do tempo, a natureza, as estações do ano e o espírito humano. Pequeno poema de origem japonesa, o haicai chegou ao Brasil no início do século XX e aqui trilhou sua própria história. Há mais de trinta anos, o poeta e pesquisador Rodolfo Witzig Guttilla faz um brilhante trabalho arqueológico para reconstituir esse percurso e mapear nossos haicaístas. Um dos frutos dessa pesquisa é Haicais tropicais, que reúne vinte poetas brasileiros que tiveram contato com a prática — seja criando ou traduzindo haicais — e contribuíram para sua difusão. São nomes consagrados, como Paulo Mendes Campos, Mario Quintana e Manoel de Barros, e contemporâneos, como Alice Ruiz S e Régis Bonvicino. Muitos deles ainda estão na ativa e renovam o gênero com frescor e originalidade, provando que o poema japonês de três versos permanece atual. Com mais de uma centena de tercetos, além de uma introdução sobre o histórico do haicai e biografias dos autores selecionados, este é um convite para conhecer a tradição poética japonesa em sua melhor roupagem tropical.

Quarta-feira,15/08

>>> Brasil: A Companhia das Letras publica, em 2019, A fúria, de Silvina Ocampo

Este é o terceiro livro da escritora argentina e o único que necessitou de reedição quase imediata. O título foi dado por ela depois de expressa recomendação do fiel amigo Jorge Luis Borges. O livro reúne 34 contos - a maioria deles escritos e publicados entre 1937 e 1940 em diversas revistas literárias, como a "Sur", dirigida pela irmã Victoria Ocampo. Silvina é, até o presente inédita no Brasil. A tradução a sair no próximo ano é Livia Deorsola.

>>> Brasil: Dois livros e mais de mil páginas de histórias de crime e horror

Os melhores mistérios têm uma coisa em comum: um criminoso memorável. Para cada grande herói, há sempre um grande vilão ou um grande vigarista. E, aqui, as estrelas são precisamente esses mestres da maldade. Trazendo autores como Robert Louis Stevenson, Bram Stoker, Jack London, O. Henry e H.G. Wells, entre muitos outros, a Editora Nova Fronteira apresenta a coletânea organizada por Otto Penzler O grande livro dos vilões e vigaristas. São 64 contos reunidos em dois livros numa caixa.

Quinta-feira, 16/08

>>> Brasil: Novo romance de Ignácio de Loyola Brandão

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela transcorre num futuro indeterminado, em que, ao nascer, todos recebem tornozeleiras eletrônicas, são seguidos, vigiados, fiscalizados por câmeras instaladas nas casas, ruas, banheiros. Nesta terra estranha, e ao mesmo tempo tão próxima de nós, a peste se tornou epidemia que dissolve os corpos. A autoeutanásia foi legalizada para idosos. Para o governo, quanto mais longevos morrerem, melhor. Circulam os comboios de mortos das mais variadas doenças. Os ministérios da Educação, Cultura, Direitos humanos e Meio Ambiente foram extintos. As escolas foram abolidas. A política, matéria rara, se tornou líquida. Coexistem 1.080 partidos. E ninguém governa verdadeiramente. Uma nação moderna, mas arcaica. No meio disso tudo, conhecemos o desenrolar da história de amor entre Clara e Felipe, conturbada como o mundo em que vivem.

>>> Brasil: Pesquisador descobre propaganda de remédio feita por Guimarães Rosa

A pesquisa em fontes primárias às vezes revela informações inesperadas e curiosas. Por exemplo: Guimarães Rosa foi garoto-propaganda de dois remédios, em 1931. Ou seja, quando ainda era médico e bem antes de lançar Grande Sertão: Veredas, de 1956. A descoberta foi feita pelo bibliófilo Luís Pio Pedro, durante as pesquisas para o dicionário de pseudônimos no qual trabalha, previsto para o ano que vem. O anúncio publicitário dos remédios Cascarobil e Metacal foi publicado naquele ano na revista O Cruzeiro, com uma carta de Rosa recomendando-os. Nela, o escritor dizia estar feliz que um paciente que sofria de "cólica hepática", após o primeiro medicamento, achava-se "lépido, satisfeito, eufórico, cheio de saúde". "Estou disposto a prestar o meu fraco concurso em prol da substituição dos produtos estrangeiros pelos nacionais, o que reputo obra humanitária e patriótica, poupando as finanças do cliente e defendendo a economia do país", escreveu. Veja o anúncio aqui (Via FSP)

Sexta-feira, 17/08

>>> Brasil: Nova edição para A festa de Babette, de Karen Blixen

A narrativa deste conto se passa num vilarejo na costa da Noruega, onde, numa noite de tempestade, surge uma francesa misteriosa. Ela bate à porta de duas senhoras puritanas, filhas de um profeta protestante. Fugitiva do massacre à Comuna de Paris em 1871, Babette traz uma carta de recomendação do amigo Papin, cantor de ópera que, muitos anos antes, havia se apaixonado por uma daquelas irmãs de ar gentil, então jovem e bela. Babette oferece seus serviços de cozinheira em troca de abrigo. Tempos depois, ela ganha na loteria e prepara um suntuoso banquete em homenagem ao pai de suas benfeitoras, que irá transformar para sempre a vida simples e austera do lugar. Conto mais conhecido de Karen Blixen, autora também de A fazenda africana, foi levado às telas pelo diretor Gabriel Axel, ganhando o Oscar de filme estrangeiro em 1988. Publicada pela extinta Cosac Naify, a obra ganha reedição pela SESI-SP Editora.

>>> Brasil: Nova edição para Contos da Mamãe Gansa ou histórias do tempo antigo, de Charles Perrault

Os leitores poderão revisitar histórias como "O Gato de Botas" e "Cinderela ou a Gata Borralheira" – em versões um tanto diferentes das que se perpetuaram até nossos dias – e ainda se surpreender com contos menos familiares, como "Riquet, o Topetudo", e "Pele de Asno". As ilustrações do estúdio espanhol Milimbo trazem uma técnica diferente para cada um dos nove contos. A edição no mesmo formato da editada pela Cosac Naify está disponível no catálogo da SESI-SP Editora.

>>> Brasil: Reedição de A paixão, de Almeida de Faria

Originalmente publicado em 1965 e considerado um marco na moderna literatura portuguesa, este romance-poema faz parte da chamada Trilogia Lusitana e influenciou, entre outros, Raduan Nassar, no seu Lavoura arcaica. Dividido em três partes (Manhã, Tarde e Noite), A paixão se desenrola durante a Sexta-Feira Santa, numa propriedade rural do Alentejo, sul de Portugal. O autor dá voz aos diversos habitantes da casa: pai, mãe, filhos, empregados. Os fluxos de consciência se alternam, assim, a cada capítulo, e compõem uma verdadeira sinfonia polifônica, de orquestração magistral. O livro que foi reapresentado no Brasil pela Cosac Naify ganha reedição pela Editora SESI-SP.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Boletim Letras 360º #298

João Cabral olha Joan Miró

Das mentiras que contamos sobre as vidas que não vivemos

José Saramago, o ano de 1998

A vida e a arte de Sylvia Plath

A poesia de Guimarães Rosa

As últimas testemunhas, de Svetlana Aleksiévitch

Poesia e desordem

Sobre bolhas sociais e debates políticos em redes sociais