Postagens

Mostrando postagens de Janeiro 24, 2020

Edith Wharton, a contradição faz literatura

Imagem
Por Marta Ailouti




“Mais forte, mais firme e mais sutil que todos os outros”, nas palavras de Henry James, Edith Wharton (1862-1937) disse “mais” e “melhor”. Conhecida em particular por seu papel de romancista, por obras como A casa da alegria, Ethan Frome ou A época da inocência, título com o qual foi a primeira mulher a obter o Prêmio Pulitzer, ao longo de sua vida, escreveu mais de quarenta livros, dezenas de contos, livros de viagens e poemas. Martin Scorsese e Terence Davies adaptaram este último título para a sétima arte. E F. Scott Fitzgerald, Jean Cocteau e Ernest Hemingway não hesitaram em expressar sua admiração por essa brilhante autora, sobre quem James também disse que sua “única desvantagem” era “não ter simplicidade, o casual, a feliz limitação e a alta pobreza de um País Próprio”.
Precisamente, se Edith Wharton não entendia de alguma coisa, era de limites. Presa de um espírito aventureiro, situada entre uma corda bamba e uma cama de penas, chegou a afirmar que escolheri…