Encontrar Maria Valéria Rezende

Por Pedro Fernandes




O meu encontro com a escritora se deu por ocasião de uma conferência de encerramento para o III Encontro Nacional sobre Literatura Infanto-juvenil e Ensino (ENLIJE), realizado de 02 a 04 de junho de 2010, na Universidade Federal de Campina Grande. É a segunda vez que vou ao evento. Este, teve um caráter mais plural porque vem retomar minhas aproximações para com a literatura saramaguiana, posta na estante, desde que, fui para a leitura da obra de Chico Buarque e de outros escritores. Sobre tais obras de Chico e de outros escritores postarei comentários por aqui mais adiante. 

Maria Valéria Rezende só veio justificar aquele conceito que eu já elaborei para palestras com escritores: são as melhores e mais lúcidas falas acerca de literatura que um estudante da área pode ouvir. Pensando no tema formação do escritor, a escritora deixou claro três coisas: há, pelo menos no caso dela, uma certa inclinação do sujeito para a escrita já desde a sua infância. Inclinação que se estabelece mais ainda quando a criança é do seio de uma família que tem na escrita seu pé. Segundo, há que ser leitor e ler muito, seja outros livros, seja o mundo em que vive. E, terceiro, há que ser vivente das leituras. Aquilo que os livros nos transmitem tem/devem ter ligações, muitas vezes, até correspondentes, com aquilo que experienciamos. 

Atualmente Maria Valéria Rezende passa a ser um dos nomes comentados no rol da crítica literária pelo fato de seu livro No risco do caracol publicado pela editora Autêntica ter recebido o segundo lugar do Prêmio Jabuti, considerado, se não um dos mais conceituados, um dos badalados da Literatura Brasileira. Maria Valéria, embora resida em João Pessoa há muitos anos, é paulista de Santos. Foi educadora popular a vida inteira - segundo ela por uma espécie mesmo de pirraça quando descobre que o propósito da sua família para com sua profissão residia no interesse de fazê-la escritora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Boletim Letras 360º #323

Engagement, de Theodor W. Adorno*