Diva cunha



Habito os dez mil e quinhentos universos
sugeridos pela física quântica
satisfeita de ser
tantas em tantos

Diva Cunha, Resina

Diva Cunha é um das autoras mais interessantes da cena poética contemporânea, sobretudo a do Rio Grande do Norte, sempre tomada por nomes interessados em escrever poesia, mas poucos, realmente poetas. Além de se dedicar ao ofício do verso, ela, como professora, tem se dedicado à pesquisa e escrito também um conjunto de ensaios que sem dúvidas está no rol dos fundamentais quando o assunto é mulher e literatura, ou ainda a relação mito e literatura, temas pelos quais ela perscruta em sua obra do gênero.

A escritora nasceu em Natal, em 1947. Foi aluna do Colégio Imaculada Conceição; formou-se em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte; cursou a Pós-Graduação na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, defendendo a dissertação de mestrado Dom Sebastião: a metáfora de uma espera, publicada em livro em 1979 - seu primeiro.

A poesia, viria com Canto de página, em 1986. Através da obra se revelou uma poeta amadurecida e com dicção própria. Depois viriam A palavra estampada (1993), Coração de lata (1996) e Armadilha de vidro (2004) e Resina (2009), este último lido por Ivan Junqueira como uma poesia que reúne tudo que se deve exigir de um poeta: concisão vocabular, domínio da língua e da metalinguagem poética, limpeza de fatura e aquela surpresa sem a qual, como nos ensina Poe, nenhum poema merece ser considerado como tal.

No âmbito acadêmico, logo integrou o corpo docente do curso onde fez sua graduação, como professora de Literatura Portuguesa. Fico aí até se aposentar. Na área de estudos sobre mulher e literatura, Diva assumiu uma extensa parceria com Constância Lima Duarte e as duas, pelo trabalho conjunto, integram o rol dos nomes mais expressivos no Brasil sobre a questão.

Juntamente com Constância publicou Iniciação à poesia do Rio Grande do Norte (1999), Literatura feminina do Rio Grande do Norte: de Nísia Floresta a Zila Mamede (2000), Literatura do Rio Grande do Norte - Antologia (2002) e Via-Láctea de Palmira e Carolina Wanderley (2003).

Desde junho de 2011, Diva Cunha ocupa a cadeira n.30 na Academia Norte-Riograndense de Letras.

Mais dois poemas de Resina

Toda mulher
flui e reflui
onda e cachoeira
água e luz

*

Faço poemas
ou bifes à milanesa

eis a íntima questão
que põe fogo
nas rosas da face

faço poemas
ou bifes à milanesa
e
para sobremesa?


* Nota escrita a partir do perfil para o livro Resina. Atualizadas em junho de 2011.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cortázar forasteiro

Dez poetas necessários da nova literatura brasileira

Os segredos da Senhora Wilde

Coral, de Sophia de Mello Breyner Andresen

Cortázar de A a Z

O que é a Literatura?, de Jean-Paul Sartre

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea