Outro homem do ano

Por Pedro Fernandes
capa da 1ª edição de Eu, de Augusto dos Anjos.
Em 2012, a obra fecha um século de existência.


Já falei por aqui que 2012 vai se firmando como um ano de grandes escritores que merecem - em igual proporção - serem lembrados. Insuficiente serem só isso. Merecem ser lidos e relidos. É o ano de Carlos Drummond de Andrade, de Jorge Amado e, de... Augusto dos Anjos.

A única obra publicada pelo poeta paraibano, Eu, fecha, agora em 2012, um século. E a Paraíba, terra natal do poeta já vem desde 2006 promovendo eventos em torno do seu livro único. Naquele ano foi fundado o Memorial Augusto dos Anjos, instalado na casa restaurada de sua ama de leite Guilhermina, situada no Engenho Pau-d'Arco, em Sapé. A fundação do memorial foi fruto do Projeto "Reconstituição do Universo de Augusto dos Anjos".

Um novo projeto - "Redescobrindo as Trilhas de Augusto dos Anjos" - possibilitou um ano depois a publicação de várias obras de teor acadêmico em torno da literatura augustiniana. Do projeto citáveis sãos os textos Augusto dos Anjos: uma biobibliografia, Conversando sobre Augusto dos Anjos: uma história oral, e Augusto dos Anjos em imagens: uma fotobiografia.

Agora uma equipe de professores prepara a primeira edição do Congresso Nacional de Literatura com tema central Eu - cem anos de poesia. O evento contará com palestras, mesas-redondas e grupos de trabalhos, além da publicação de Augusto dos Anjos - a heterogeneidade do Eu homogêneo - coletânea de ensaios de vários autores nacionais que se dedicaram e se dedicam ao estudo da vida e obra do poeta paraibano; uma nova edição do Eu. A iniciativa fecha com a realização de um concurso de poesia para jovens das escolas públicas da Paraíba.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os melhores de 2018: poesia

Treze obras da literatura que têm gatos como protagonistas

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Em busca da adolescente que abriu caminho a Virginia Woolf e Sylvia Plath