Correspondência inédita de Proust revela suas aventuras num bordel francês

O adolescente Marcel Proust. Aqui tem perto de 16 anos, quando teve um certo probleminha e foi confessar-se ao avô.
“Pode-se dizer qualquer coisa, desde que não se diga eu.” Marcel Proust escreveu estas palavras ao seu colega das letras, o francês André Gide, e elas constituem num conselho valioso para qualquer romancista, bem como uma chave de leitura útil para a compreensão de sua própria obra. Sabemos que Proust é hoje ainda o mais importante nome da literatura ocidental moderna, o melhor autor de sempre depois de sua catedral literária Em busca do tempo perdido.

A esses epítetos de melhor, que quase o colocam num altar, sacralizado, também não somos hipócritas e achamos que Proust é o mais importante romancista gay – sem querer inserir o autor num clube rosa, evidentemente. O epíteto final é dádiva do próprio Gide, quem revelou a homossexualidade de Proust sempre enrustida. Foi Gide quem colocou os leitores diante das correspondências do autor publicadas logo após sua morte.

Desde a revelação dessas cartas, a sexualidade ganha a robustez de um elemento até importante para a crítica leitora da obra proustiana. E de cartas como a que falaremos neste texto, terão os estudiosos campo fértil – ao menos aqueles interessados em examinar os pormenores biográficos do escritor.

A carta acima revelada pelo Letters of note é o exemplo de uma obsessão que pode afligir qualquer adolescente; mais ainda se o adolescente pertence a uma sociedade cuja obsessão é caso de saúde pública e em torno dela se desenvolve todo um ritual de práticas a fim de expurgar do corpo a ideia do sujo e do pornográfico. Trata-se da masturbação – caso regrado à base de muitas crendices e às vezes regido por cartilha de educação do corpo.

O caso de Proust é ainda um agravante maior porque, se isso viesse à tona do ambiente familiar, esbarraria na reputação do próprio pai, um higienista que como muitos de seu tempo acreditavam que masturbar-se poderia levar o indivíduo à homossexualidade. Por isso devia ser rigidamente combatida. Uma das formas de combate: levar o adolescente às putas para desopilar com elas.



E Proust recebe dez francos para ir às escondidas num bordel no bairro onde morava para, em tese, expurgar a vício da homossexualidade e, enfim, pôr-se em linha reta, mantendo o nome e a honra da família. Tinha, então, dezesseis anos. E é o resultado dessa cura o que, o ainda não escritor decifra na carta acima, redigida para o seu avô:

18 de maio de 1888

Quinta-feira

Meu querido avô,


Eu apelo à sua bondade, o valor de 13 francos, queria apelar ao Sr. Nathan, mas eu peço de você. Aqui o está o porquê. Que eu precisava para ver se uma mulher podia resolver meu hábito terrível que é a masturbação. Papa deu-me 10 francos para eu ir a um bordel. Mas, antes, na minha agitação, quebrei um penico: 3 francos. Depois, mesmo agitado, eu fui um incapaz. E aqui estou eu, de volta à estaca zero, esperando como as horas passam por 10 francos para me aliviar e mais 3 francos para o recipiente. Mas eu não me atrevo a pedir ao Papa mais dinheiro tão cedo e por isso que eu esperava que você poderia vir em meu auxílio numa circunstância que, como você vê, não é apenas excepcional, mas também única. Isso não pode acontecer duas vezes na vida de uma pessoa que está muito nervosa. Eu te beijo mil vezes e me atrevo a agradecer antecipadamente. Vou estar em casa amanhã de manhã, às 11h. Se você se sentir comovido pela minha situação e puder responder aos meus rogos, eu o espero encontrá-lo com esse dinheiro. De qualquer maneira, obrigado por sua decisão, que sei que vai de um lugar de amizade. Marcel. (*)

Só nos resta agradecer aos do site Letters of note por nos ter colocado diante dessa raridade íntima do escritor francês.


(*) A tradução é livre, feita a partir do original em inglês oferecido pelo site Letters of note.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Anatomia do ócio, de R. Leontino Filho

Outra volta do cânone

Günter Grass e seu pior segredo

Boletim Letras 360º #315

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

O eleito, de Thomas Mann