Boletim Letras 360º #278

Amiga leitora, amigo leitor, aqui deixamos as notícias que publicamos durante a semana em nossa página no Facebook. O grande destaque é a descoberta de escritos inéditos de José Saramago que comporão o último volume dos Cadernos de Lanzarote. Boas leituras! 



Segunda-feira, 02/07

>>> Brasil: A obra que consagrou Cristovão Tezza, Trapo, como um dos expoentes de uma nova geração de escritores brasileiros da década de 1980 chega aos 30 anos e ganha uma edição comemorativa

Em uma noite comum, o professor aposentado Manuel recebe em sua casa uma visita estranha e um pedido inusitado: uma dona de pensão com aparência vulgar entrega dois pacotes contendo originais de um jovem poeta, marginal e suicida. A mulher quer que Manuel leia o espólio de Trapo, o artista em questão, e decida se aquilo tem valor. Enredado pelo encantamento da situação, o professor percebe que apenas a leitura é insuficiente, e passa a investigar os motivos que levaram o jovem ao suicídio. Procura amigos, entrevista pessoas, conversa com o pai do rapaz e tenta achar a jovem Rosa, a quem Trapo endereça suas cartas-poemas. Nesta obra, Tezza mostra extrema habilidade em costurar no romance a narrativa conduzida por Manuel e as tresloucadas cartas de Trapo.

>>> Brasil: Anunciada em maio deste ano, eis a nova edição restaurada e bilíngue, com manuscritos originais dos poemas de Sylvia Plath para Ariel

Com a publicação póstuma do livro de poesia Ariel, em 1965, Sylvia Plath se tornou um nome de destaque na literatura estadunidense. No entanto, o manuscrito deixado pela autora quando morreu, em 1963, era diferente do volume de poemas então publicado e mundialmente aclamado. Esta edição bilíngue e fac-similar restabelece pela primeira vez a seleção e o arranjo dos poemas exatamente como Sylvia Plath os deixou antes de se suicidar. Além da reprodução dos manuscritos da autora, este volume também inclui os rascunhos completos do poema-título, "Ariel", oferecendo ao leitor a oportunidade de acompanhar o processo criativo da poeta. Com esta publicação, o legado de Sylvia Plath pode ser reavaliado à luz de seu trabalho original e permanece conforme sua vontade. Sylvia Plath conseguiu, em Ariel, transformar em poesia tanto assuntos particulares como eventos históricos trágicos. Seus poemas evidenciam as dores de uma vida traumática, marcada pela morte do pai e pelos conflitos com o marido infiel, e são a prova do talento dessa poeta que, com otimismo ou sofrimento, soube unir técnica e emoção e criar uma obra já clássica.

Terça-feira, 03/07

>>> Brasil: Novo romance de André Aciman

Depois do badalado Me chame pelo seu nome, outro título de Aciman que explora os meandros do sujeito e sua identidade. Os sentimentos de Paul, tão intensos na adolescência, continuam a atormentá-lo na vida adulta: no sul da Itália, ainda jovem, quando se apaixonou pelo marceneiro de seus pais; em Nova York, onde acredita estar sendo traído pela namorada e se interessa pelo parceiro de tênis nas quadras do Central Park; em um campus coberto de neve em New England. Não importa onde ou quando, suas relações são caóticas, transitórias e marcadas pela força do desejo. Variações Enigma explora a impossibilidade de restringir uma pessoa a uma única linha melódica. Dessa forma, André Aciman visa mapear os recônditos da paixão e revelar a psique humana.

>>> Portugal: Textos inéditos de José Saramago vêm a público oito anos após a sua morte

Trata-se de materiais para um diário – a continuidade do projeto Cadernos de Lanzarote iniciado quando foi morar em Lanzarote, depois da censura ao romance O evangelho segundo Jesus Cristo em Portugal. O livro foi encontrado em seu computador. A edição sairá em outubro em Portugal e na Espanha. Foi escrito em 1998 quando ganhou o prêmio Nobel de literatura e passa a ser o sexto volume dos Cadernos.

Quarta-feira, 04/07

>>> Brasil: Mircea Cărtărescu em Nostalgia

O escritor, ensaísta e professor de literatura na Universidade de Bucareste é considerado um dos principais escritores europeus contemporâneos e o mais celebrado escritor romeno – nos últimos anos, recebeu prestigiados prêmios literários europeus, como o Estatal Austríaco (2015), o Thomas Mann (2018), e o Formentor de las Letras (2018). Nostalgia é sua primeira incursão na prosa ficcional, e teve uma primeira versão bastante reduzida pelos cortes da censura romena. Apresentado como um romance inebriante em cinco partes independentes, a memória aqui é a chave para a compreensão da existência e, mesmo quando fantasiosa, fundamental para a percepção da realidade. Memória caleidoscópica que alcança períodos de formação e se funde com a imaginação indomada, os desejos desconhecidos e as transformações inesperadas da infância e da adolescência. Memória reconstruída por uma linguagem sinuosa e sedutora, repleta de descrições sensoriais, imersa na atmosfera cálida e fantástica dos sonhos perturbadores. A tradução de Fernando Klabin sai pela Editora Mundaréu.

>>> Brasil: Nova edição brasileira para O vendedor de passados, de José Eduardo Agualusa

Após a conquista da independência e os martírios de uma longa guerra civil, a emergente burguesia angolana pensa ter o futuro assegurado. Falta a ela, porém, um passado mais adequado a sua nova condição social. O negro albino Félix Ventura sabe aproveitar as oportunidades. A cada um de seus clientes – empresários bem-sucedidos, militares de mais alta patente, figurões da nova ordem política do país –, ele vende uma árvore genealógica digna de orgulho, memórias luxuosas, ancestrais ilustres. E Félix segue muito bem nessa empreitada, até chegar a ele um homem repleto de mistérios, em busca de um passado e de uma identidade angolana. De uma hora para a outra, os passados e os presentes se entrecruzam, e o impossível se confunde com o real. A narrativa de José Eduardo Agualusa, um dos principais nomes da literatura de língua portuguesa contemporânea, vibra entre o passado atormentado que boa parte do povo angolano gostaria de esquecer e o presente cheio de possibilidades de um país em reconstrução. O vendedor de passados é uma história sobre raça, a natureza da verdade e o poder transformador da criatividade. A edição sai pelo selo Tusquets / Planeta de Livros Brasil.

Quinta-feira, 05/07

>>> Brasil: Uma nova antologia com poemas de Wislawa Szymborska

A Companhia das Letras prepara a terceira antologia da ganhadora do Nobel de Literatura de 1996, com organização e tradução de Regina Przybycien. Segundo notícia da Folha de São Paulo, a obra da poeta polonesa tem passado por um boom no país: as duas antologias anteriores já venderam 25 mil exemplares. Em 2017, a Editora Âyiné anunciou que prepara uma biografia da autora, para 2019; um volume com as resenhas que fazia de livros menores; e outro com com poemas breves dela.

>>> Brasil: Ganha edição mais de oito dezenas de cartas entre Antonio Candido e Ángel Rama

Em Conversa cortada, organizada por Pablo Rocca com tradução de Ernani Ssó se reúne 87 cartas até então inéditas, trocadas entre 26 de abril de 1960, quando Antonio Candido ainda estava em Assis, no interior paulista – e não a cidade italiana, berço de São Francisco, para onde o crítico de cinema e amigo de longuíssima data Paulo Emílio Salles Gomes achou que ele tivesse ido – e 18 de outubro de 1983, esta última enviada por Rama exatamente um mês e dez dias antes do acidente aéreo fatal, quando o crítico uruguaio já vivia em Paris. Os dois críticos se conheceram em Montevidéu onde Candido fora convidado a fazer um ciclo de conferências, estabelecendo-se entre eles uma amizade intensa que produziu alguns projetos conjuntos. A coleção Biblioteca Ayacucho é o fruto mais importante dessa aliança intelectual, responsável por inserir o Brasil nos mapas culturais latino-americanos, contando hoje com cerca de 250 títulos publicados. A edição é da EDUSP e Ouro Sobre Azul.

Sexta-feira, 06/07

>>> Brasil: Três escritoras da Literatura Inglesa num encontro

A Nova Fronteira apresenta a caixa Grandes Escritoras da Literatura Inglesa. Reúne-se, na edição: Orgulho e preconceito, de Jane Austen; O morro dos ventos uivantes, de Emily Brontë; e Orlando, de Virginia Woolf. Inovadoras, à frente de seus tempos, elas marcaram a literatura e deixaram um vasto legado. Os costumes, o amor, a condição da mulher, os valores e o casamento são abordados no primeiro livro com a perspicácia que Austen sabia, como poucos, imprimir a seus romances. O morro dos ventos uivantes narra a forte paixão entre Heathcliff e Catherine, que foram criados juntos numa zona rural da Inglaterra. Inseparáveis, os dois têm a relação ameaçada pela crueldade do irmão da moça, mas o golpe fatal vem quando Catherine, em busca de um matrimônio melhor, decide se casar com o nobre Edgar. E Orlando, o belo protagonista, membro da aristocracia elisabetana, parece pertencer a todos os lugares e a lugar nenhum. Um dia, ele acorda transformado — transportado para o século XVIII, no corpo de uma mulher.

>>> Brasil: Três novos títulos para o catálogo da Editora Carambaia

A editora lançará A honra perdida de Katharina Blum, de Heinrich Böll (1917-1985), prêmio Nobel de Literatura de 1972. No livro, uma mulher se apaixona por um procurado pela polícia e se vê no centro de um escândalo explorado por um jornal sensacionalista. Segue-se A Ilha de Arturo, de Elsa Morante (1912-1985), romance de formação que acompanha a história de um garoto de 14 anos órfão de mãe e solitário durante prolongadas ausências do pai. E ainda Meu pai e minha mãe, do escritor israelense Aharon Appelfeld, morto em janeiro. No livro, ele lembra sua infância antes da Segunda Guerra Mundial — aos oito anos, sua cidade foi tomada pelos nazistas e sua mãe, assassinada. Após dez anos, ele conseguiu fugir e passou três anos vivendo numa floresta, adotado por um bando de criminosos.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Minha salvação é a literatura". As cartas do jovem Roberto Bolaño

Os segredos da Senhora Wilde

As colunas femininas de Clarice Lispector

Baudelaire no século XXI

Palavra empenhada: Antonio Candido e sua "Ocupação"

Boletim Letras 360º #279

Wollstonecraft e Shelley: uma relação umbilical

Nos vemos no paraíso, de Albert Dupontel

A visita do Dr. Witzig

Outra mulher na vida de Cervantes