Glauber pela boca da mãe


Glauber Rocha. Foto: Blog da Cosac Naify. Aos 90 anos a mãe do cineasta maior, numa conversa feita em 2008 com Rafael Munduruca, fala sobre o filho e as dificuldades para a carreira do diretor de Terra em transe.

Todo pequeno entendedor de cinema sabe da importância que representa o nome Glauber Rocha para o cinema nacional e por que não para o cinema mundial. Glauber não foi apenas grande cineasta e diretor de uma obra genial e importante para o cinema. Deixou também uma produção escrita vasta com reflexões acerca do cenário no Brasil, sobre o movimento por ele preconizado – o Cinema Novo – e, sobre as perspectivas para o seu presente e futuro do cinema no mundo. Essa produção foi reunida em três amplos volumes pela editora Cosac Naify e representa uma produção importante para entender a magistratura do cineasta bem como sua produção cinematográfica. Autor de obras clássicas como Terra em transe e A idade da terra o autor é rememorado numa conversa inédita apresentada no blogue da editora que publicou suas três obras. A entrevista foi feita em 2008, ano em que o cineasta foi homenageado na terceira edição da CINEOP – Mostra de cinema de Ouro Preto, com Lúcia Mendes de Andrade Rocha, a mãe de Glauber. Na transcrição a mãe comenta aspectos da carreira de Glauber, como quando ele se interessou pela carreira e como ela influenciou (diretamente com patrocínios próprios) a produção dos primeiros títulos do cineasta: “Vendi um casarão lindo e dei o dinheiro a ele para terminar A idade da Terra. Ele só tinha filmado, mas precisava montar e não tinha condições. Mas eu não fico triste com isso, não, porque a casa só servia para eu morar, eu não tinha mais filho. E hoje o filme é como uma casa… é para vocês.”  A conversa é curta, mas vale uma leitura para primeiro entender os primeiros passos de um gênio e segundo entender que o respeito pela obra de Glauber, hoje patrimônio dos brasileiros, é responsabilidade não apenas dos seguimentos artísticos e políticos do Brasil, mas de cada um interessado, no mínimo que seja, por aquilo que nos é autóctone, e, diretamente, é peça no extenso mosaico de nossas identidades.

Para ver a entrevista, clica aqui. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Boletim Letras 360º #323

Engagement, de Theodor W. Adorno*