In Nomide Dei, de José Saramago

Por Pedro Fernandes



“Entre o homem, com a sua razão, e os animais, com o seu instinto, quem, afinal, estará mais bem dotado para o governo da vida? Se os cães tivessem inventado um deus, brigariam por diferenças de opinião quanto ao nome a dar-lhe, Perdigueiro fosse, ou Lobo-d’Alsácia? E, no caso de estarem de acordo quanto ao apelativo, andariam, gerações após gerações, a morder-se mutuamente por causa da forma das orelhas ou do tufado da cauda do seu canino deus?”

Este fragmento pertence à nota introdutória de In nome dei, edição de 1993, publicada no Brasil pela Companhia das Letras. Este livro trata-se de um texto escrito por José Saramago para o teatro. Uma encomenda, como foram todos os seus outros textos do gênero, como ele próprio lembrou em várias ocasiões. Trata-se de um texto que poderíamos dizer, vem compor uma revisão acerca do fio ideológico do discurso religioso, juntamente com O evangelho segundo Jesus Cristo, romance de 1991 e A segunda vida de Francisco de Assis, outra peça de teatro de 1987.

No romance, Saramago perscruta a formação de uma base do pensamento cristão, elevado de seita com poucos seguidores a modelo quase universal tantos mil anos depois. Propõe-se desconstruir a figura santificada de Jesus pelo homem, do herói pelo sujeito simples da periferia que atentou contra o poder e, claro, não se esquece de utilizá-lo como peça para os desígnios malignos de expansão do império monoteísta do Ocidente. A figura de Deus aí apresentada é pura encarnação da figura idealizada pelo discurso cristão: o de que, para construção de seu nome teve de sacrificar não apenas uma criatura, mas toda uma geração de seguidores.

Já na peça de 1987, o escritor português tece considerações semelhantes para a reconstrução da imagem histórica de Francisco de Assis, o homem abastado que doou toda riqueza aos pobres e foi viver com eles, transformado mais tarde, novamente pelo discurso cristão na figura-centro de manutenção de um status quo de luxo da própria Igreja. Saramago, nos dois textos, a única heresia que pratica é buscar recuperar a imagem verdadeira dessas figuras tão importantes no discurso cristão. Mas, contraditoriamente, onde os outros vêem heresia, eu vejo a mais sagrada das atitudes. Sou dos que concordam que as figuras recriadas pela literatura saramaguiana oferecem uma melhor afeição que aquilo que fizeram delas o discurso religioso.

Em In Nomine Dei, Saramago volta ao circuito dos horrores, aquele tecido no longo rosário de Deus para Jesus, no fortíssimo encontro da barca em O Evangelho, para tratar de um episódio histórico no extenso e contínuo processo de sedimentação do pensamento cristão: a guerra entre católicos e protestantes em Münster, no século XVI.

Num retorno à nota do escritor português sobre a peça, acho belo o mea-culpa feito pelo escritor, já sabedor que o texto ora proposto poderá não agradar a expectadores mais fechados, tal como os mesmos que censuram os outros textos que tocam naquilo que tem como mais sagrado: a exegese do discurso religioso. Diz Saramago: “Não é culpa minha nem do meu discreto ateísmo se em Münster, no século XVI, como em tantos outros tempos e lugares, católicos e protestantes andaram a trucidar-se uns aos outros em nome de Deus (...) para virem a alcançar, na eternidade, o mesmo Paraíso.”

De fato, o que aí se exibe é apenas um retrato sobre o horror ou o poder que um discurso tem no processo de cegueira ideológica dos seguidores. Não é, pois, um adendo contra a fé alheia, mas um questionamento acerca dos seus limites. Um questionamento que não vem apenas pela matéria do registro histórico, mas da denúncia sobre do que é capaz de fazer um homem contra outro homem apenas por professar maneira diversa de pensar sobre essa força superior pela qual chamamos de Deus.

Para não me estender mais sobre a obra, gostaria de assinalar só mais um detalhe: a maneira como o dramaturgo engendra as fronteiras entre a crença e a descrença, a fidelidade e a traição. Supõe que elas não são tão nítidas assim como foi pensada pelo Ocidente, sobretudo aqueles espíritos dogmáticos que se julgam no direito exclusivo de ter a chave de interpretação do texto religioso em nome de Deus. E em nome dele,veja-se, já se foi permitido cometer toda sorte de violações contra do homem contra o homem e ainda segue na matança indiscriminada como se um rosário de horror sem fim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Boletim Letras 360º #324

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Boletim Letras 360º #325