filhos de adão



HEINRICH GRESBECK: Todo acto humano é cometido nas trevas, todo acto humano é criador de trevas.

Deus não é luz suficiente.

HANS VAN DER LANGENSTRATEN: Não há, pois, outro Diabo senão o homem, e a terra é o lugar único do inferno.

De In Nomine Dei, José Saramago


1

no horizonte cai
de um açoite a noite
sobre duas almas vazias
aparece o bordo de uma lua vermelha
cheia amarela purulenta

uma fina neblina envolve
a nudez do nascer da noite

2

no azedume das ruas mortas
ele esperou que a lua toda se levantasse da terra
enorme sangrenta cheia de seu pus solar

3

a passos largos
as duas almas nuas
na sarjeta ainda quente da rua
gozo gala óvulo
uma vida

4

ao nascer calado doutra noite
negros voejantes
envoltos na neblina de junho
iss’é um assalto!


um estouro o disparo
um choro o desgozo
estendidos à porta da igreja
diante de um deus inocente
e de um diabo dito vil inclemente
o choro os gritos o sangue
de duas almas


* Poema publicado no Caderno Literário, Editora Pragmata, maio de 2009, p. 59. Acesse o e-book Palavras de pedra e cal e leia outros poemas de Pedro Fernandes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Boletim Letras 360º #315

Anatomia do ócio, de R. Leontino Filho

Outra volta do cânone

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Casa na duna, de Carlos de Oliveira

Um romance sobre horror nazista recuperado depois de oito décadas