Dois rios que cortam o sertão nordestino



1. João Cabral de Melo Neto e Graciliano Ramos dispensam apresentação; são dois dos mais importantes nomes de sempre da Literatura Brasileira. E, apesar de autores de duas obras distintas há possibilidade de estabelecer conversas entre as duas.

2. Principalmente se o leitor lembrar de Morte e vida severina, um poema de verve épica que narra a trajetória do habitante do interior do Sertão nordestino rumo ao centro urbano, e Vidas secas, um romance cuja narrativa se constrói pela retirada não de uma personagem, um Severino, mas de uma família também para o centro urbano. Duas migrações motivadas pela vida escassa nessa região do Brasil; duas migrações perpassadas de uma crítica social muito às claras acerca dos desmandos do poder com os do Nordeste ou uma entrada num dos fossos sociais desse país. 

3. Estes e outros aspectos são retomados em duas falas que acontecem amanhã, dia 28 de novembro, a partir das 8h da manhã, no Auditório Central do Campus Avançado Professora Maria Eliza de Albuquerque Maia (CAMEAM) em Pau dos Ferros.

4. Eu falarei sobre Morte e vida severina e o professor José Carlos Redson falará sobre a obra de Graciliano. As discussões são abertas ao público em geral e, em específico aos alunos das escolas públicas que prestarão vestibular da Universidade do Estado do Rio Grande Norte; as duas obras estão na lista da seleção deste ano.

5. Outras informações, no Departamento de Letras, (84) 3351-2560/2275, pelo e-mail do prof. Dr. Manuel Freire que é o  coordenador da ideia  mfreirerodrigues@yahoo.com.br


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Boletim Letras 360º #323

Engagement, de Theodor W. Adorno*