Patton - rebelde ou herói?, de Franklin J. Schaffner



Feito em tempos de guerra no Vietnã, filme acompanha a vida de um general que sintetiza as contradições da América

O primeiro plano deste filme de Franklin J. Schaffner impressiona: a bandeira dos Estados Unidos toma quase toda a dimensão da tela larga do cinemascope, e, no cetro, surge o ator George C. Scott como o general George Patton. Ele declama um discurso brutal sobre a necessidade da guerra, incitando seus soldados à violência extrema e lembrando-lhes sobre a glória militar do país, "que jamais perdera uma guerra". Uma imagem oficial, em princípio, mas com a juventude norte-americana sendo massacrada no Vietnã, em 1970, seu conteúdo era, na verdade, irônico e amargo.

Como outras, essa superprodução apresentava a guerra em grandes tomadas espetaculares ao mesmo tempo em que detalha a carnificina. Trata-se de uma obra que não trai a convenção das biografias, mantendo-se fiel ao seu protagonista e preferindo os grandes acontecimentos, mas o discurso do filme identifica-se com parte do espírito da época.

Patton é apresentado em toda sua maluquice, general que prefere sempre o campo de batalha ao trabalho burocrático. Sua monstruosidade - vista, por exemplo, numa cena inspirada em fato real quando ele esbofeteia um soldado num surto pós-combate, repreendendo a "covardia" do infeliz - alterna com sua retidão, o que o torna uma vítima do sistema político militar, ou seja, o enquadra junto aos rebeldes. 

Essa complexidade psicológica do personagem, que pende entre o militarismo e o idealismo, é uma mágica assinada por Francis Ford Coppola, que contribuiu no roteiro baseado em duas obras de militares, Patton - Ordeal and Triumph, de Ladislas Farago, e A Soldier's Story, do coronel Omar Bradley, que acompanhou de perto a vida militar de Patton.

Mas sem a atuação soberba de George C. Scott, que ganhou o Oscar de Melhor Ator em 1971, seria difícil o resultado deste filme de guera que, no final, acaba se fazendo pacifista. O ator, contudo, recusou a estatueta, dizendo-se contrário a uma competição que os colocava, atores, em disputa. A produção recebeu de bom grado os outros nove prêmios naquele ano, incluindo Melhor Filme, Direção, Montagem, Fotografia, Roteiro, Som e Trilha Sonora.

* Revista Bravo!, 2007, p.92


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Boletim Letras 360º #323

Engagement, de Theodor W. Adorno*