José Mindlin



A primeira vez que li esse nome, foi quando da última edição de Navegos, livro de Zila Mamede, cuja a orelha era assinada por ele; depois tive a oportunidade de assisti-lo em entrevista ao Programa da TV Cultura Roda Viva. Esse paulista com então 95 anos veio a falecer em 28 de fevereiro passado. O país perde, certamente um ícone, mas não deve perder o significado de quem foi José Mindlin: um apaixonado pelos livros, um leitor assíduo, um grande pensador.

Sua paixão pelos livros só teve data de início -  treze anos de idade - e de lá para cá não parou. Lembro-me das peripécias que o bibliófilo contava no Roda Viva a cata de seus livros raros. Seu primeiro livro foi Discours sur l'Histoire universelle, de Jacques-Bénigne Bossuet, edição de 1740. Deixou um acervo de mais 40 mil volumes, incluindo obras de literatura brasileira e portuguesa, relatos de viajantes, manuscritos históricos e literários (originais e provas tipográficas), periódicos, livros científicos e didáticos, iconografia e livros de artistas (gravuras). É considerada como a mais importante biblioteca privada no Brasil.

Pelo esforço, obteve reconhecimento na Academia Brasileira de Letras, onde passou a ocupar a cadeira número 29, sucedendo a Josué Montello. No mesmo ano, sua biblioteca particular foi incorporada à coleção da Universidade de São Paulo; coleção que a partir de então passou a ser chamada de Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, nome também dado ao novo prédio que abriga como se deve suas preciosidades.

E já que estamos falando sobre um bibliófilo lembremos uma lista títulos redigida por ele julho de 1993, incluindo prosa e poesia, clássico e contemporâneos, além de indicações no campo da História e da crítica literária.

As mil e uma noites
Adélia Prado – Bagagem
Alain-Fournier – Grande Meaulnes
Alexandre Dumas – Os três mosqueteiros
Anatole France – A Ilha dos Pinguins
Antonio Candido – Formação da Literatura Brasileira
Antônio Vieira – Sermões
Balzac – A comédia humana
Barbara Tuchman – A torre do orgulho
Baudelaire – As flores do mal
Beaumarchais – Teatro
Benjamin Constant – Adolfo
Bernard Shaw – Teatro (com prefácios)
Boccaccio – Decameron
Camões – Lírica e Os Lusíadas
Camus – A peste
Carlos Drummond de Andrade – Poesia completa
Casanova – Memórias
Castro Alves – Poesia completa
Cecília Meirelles – Poesia completa
Cervantes – Dom Quixote
Cyro dos Anjos – O amanuense Belmiro
Defoë – Robinson Crusoé
Dickens – Grandes esperanças
Diderot – Jacques, o fatalista
Dostoiévski – Crime e castigo
Eça de Queirós – Os Maias
Elisabeth Barrett Browning – Poemas
Emily Brontë – O morro dos ventos uivantes
Emily Dickinson – Poemas
Érico Veríssimo – O tempo e o vento
Ésquilo – Teatro
Eurípides – Teatro
Fernando Pessoa – Poesia completa
Fielding – Tom Jones
Flaubert – Educação sentimental
García Márquez – Cem anos de solidão
Gilberto Freyre – Casa-Grande e Senzala
Gógol – Romances
Gonçalves Dias – Poesia completa
Graciliano Ramos – Vidas secas
Gregório de Mattos – Obra poética
Guimarães Rosa – Grande Sertão: Veredas
Guy de Maupassant – Contos
Helena Morley – Minha vida de menina
Herman Hesse – O lobo da estepe
Homero – Odisseia e Ilíada
Jane Austen – Orgulho e preconceito
João Cabral de Melo Neto – Poesia completa
Jorge Amado – A morte e a morte de Quincas Berro d’Água
Jorge Luis Borges – Biblioteca de Babel
José de Alencar – O Guarani
José Lins do Rego – Menino de engenho
José Saramago – Memorial do Convento
Joseph Conrad – Lord Jim
Julio Cortázar – O jogo da amarelinha
Kafka – O processo
La Fontaine – Contos e novelas
Lima Barreto – Triste fim de Policarpo Quaresma
Machado de Assis – Memórias póstumas de Brás Cubas
Manoel de Barros – Gramática expositiva do chão
Manuel Antônio de Almeida – Memórias de um sargento de milícias
Manuel Bandeira – Poesia completa
Mário de Andrade – Macunaíma
Marivaux – Teatro
Molière – Teatro
Montaigne – Ensaios
Montesquieu – Cartas Persas
Nathaniel Hawthorne – A letra escarlate
Olavo Bilac – Poesias
Oscar Wilde – O retrato de Dorian Gray
Oswald de Andrade – Serafim Ponte Grande
Paul Éluard – Poemas
Paulo Prado – Retrato do Brasil
Pedro Nava – Memórias
Platão – Diálogos
Proust – Em busca do tempo perdido
Rachel de Queiroz – O quinze
Raul Pompeia – O ateneu
Rimbaud – Poesias
Rousseau – Confissões
Sérgio Buarque de Holanda – Raízes do Brasil
Shakespeare – Teatro
Sófocles – Teatro
Stendhal – O vermelho e o negro
Sterne – A sentimental Journey
Suetônio – Vida dos doze Césares
Swift – As viagens de Gulliver
Tchékhov – Romances e Contos
Thomas Mann – A montanha mágica
Tolstói – Guerra e Paz
Turguêniev – Romances
Vargas Llosa – Conversa na catedral
Verlaine – Poesias
Vicente de Carvalho – Poemas e Canções
Victor Hugo – Os miseráveis
Vinícius de Moraes – Poesia Completa
Virgílio – Eneida
Virginia Woolf – Orlando
Voltaire – Romances


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Boletim Letras 360º #323

Engagement, de Theodor W. Adorno*