Chico Xavier, de Daniel Filho

Por Pedro Fernandes


Seguindo a moda do cinema brasileiro (que quando não põe nas telas um filme sobre a condição marginal, ou uma comédia, põe cinebiografias) eis que chegou às telas Chico Xavier, de Daniel Filho. O que veio agora, como escrito no título, é uma leitura sobre a biografia (ou uma encenação dela) do maior líder do Espiritismo no Brasil. Este foi um título que tomei um interesse de vê-lo porque, queimando a tarde na visita rotineira à livraria no shopping, fui catar se havia algum filme na programação. E pelo conteúdo do que já tinha assistido (de novo o trailer!) e diante das opções bisonhas que tinha fui, como voto numa eleição dos dias de hoje, no que parecia menos ruim. Bom, se meia-palavra basta, então sabem do resultado dessa decisão.

Confesso que esperava mais do filme (sempre esperamos!), mas, novamente, me deparei com um drama simples, sem enredo, e povoado de diálogos clichê. Como se Daniel Filho apenas tivesse transposto uma de suas sopas ralas das nove feitas para TV agora para o cinema. Ainda: aquilo que parecia ser o propósito do filme, marcado no trailer - Chico Xavier, verdade ou uma fraude? - não se firma como questão importante (e aí acho que se ela tivesse sido respeitada podia ser que o filme se salvasse); fica resumido a dois momentos - no momento em que o padre sai à rua gritando blasfêmias ao médium ou quando uma mulher discorda de uma carta psicografada. Mas, repito, esperava que esse estágio de tensão fosse mais marcado no filme ou desse a forma da narrativa.

E o que se vê é um filme é monótono, cansativo, povoado de mortes e algumas cenas também clichê de coitadinho para arrancar lágrimas daqueles sensíveis a tudo - como as dos maus-tratos sofridos pelo Chico criança - a maior cara de dramalhãozinho de novelinha das oito. Salva-se a quebra da monotonia noutros dois momentos: quando o pai leva Chico adolescente a um cabaré para a perda da virgindade e ele acaba levando todas as putas a se ajoelharem e rezarem e o momento em que o espírita está em voo para gravação do programa em que se funda a narrativa do filme - Daniel Filho se mostra e consegue arrancar do público boas risadas ao bom modo de Se eu fosse você.

Vai que o problema era porque não consegui captar qual o interesse do diretor, ou ter ido mais para o lado drama anunciado. Ao menos, Daniel foi honesto em não usar do artifício da religião como matéria para composição da trama; focou no homem Chico. Isso é um ganho. Confusões à parte, não é um filme que possa recomendar com alguma segurança.


Comentários

Neidinha Alves disse…
Pedro! ainda não vi o filme, mas pelo que relata a proposta do treiler não é desenvolvida é como um artigo que diz discutir determinada questão e no final o máximo que faz é mencioná-la.
Que pena tenha acontecido isso com o filme de Chico Xavier, a biografia dele é muito rica e daria para uma produção intrigante e extigante. Vai ver seja porque Daniel Filho não tenha atentado para o fato que o público brasileiro não é tão supérfruo e o cinema brasileiro precisa dar mais passos dentro da "caverna".

Gostei do seu comentário, como sempre crítico, a tu cara!kkkk
Xero!
Neidinha

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Desaguadouro de redemunhos. Grande sertão: veredas

Por que Calvin e Haroldo é grande literatura: sobre a ontologia de um tigre de pelúcia ou encontrando o mundo todo em um quadrinho

Boletim Letras 360º #323

Engagement, de Theodor W. Adorno*