Clarice Lispector

Tenho várias caras. Uma é quase bonita, outra é quase feia. Sou um o quê? Um quase tudo.
(Clarice Lispector citada por Nadia Battella Gotlib, Clarice, uma vida que se conta)

... eu só escrevo quando eu quero, eu sou uma amadora e faço questão de continuar a ser amadora. Profissional é aquele que tem uma obrigação consigo mesmo de escrever, ou então em relação ao outro. Agora, eu faço questão de não ser profissional, para manter minha liberdade.
(Clarice Lispector, entrevista a Júlio Lerner, 1977)

Escrever é procurar entender, é procurar reproduzir o irreproduzível, é sentir até o último fim o sentimento que permaneceria apenas vago e sufocador. Escrever é também abençoar uma vida que não foi abençoada.
(Clarice Lispector, A descoberta do mundo)

Clarice Lispector, 1961. Foto: Claudia Andujar


Clarice Lispector nasceu em Tchelchenik, na Ucrânia, em 1920; chega ao Brasil com os pais e as duas irmãs aos dois meses de idade. A família se instala em Recife, capital de Pernambuco, e logo morre a mãe; a menina cujo diferente nome que mais tarde será destratado e depois reconhecido, nome que diz algo com flor no peito, conta com nove anos. A circunstância da morte de Mania Krimgold força os Lispector a se mudarem para o Rio de Janeiro.

Todo o restante da sua vida - afora as várias viagens e moradas noutros países na companhia do marido, então diplomata - se realizará na antiga capital do país. A infância é envolta em sérias dificuldades: além das afetivas, as financeiras. Muito cedo começou a trabalhar como professora particular de português; dedicada, é aprovada para o curso de Direito, embora nunca venha a exercer a profissão.

O envolvimento com as atividades de redatora na Agência Nacional continuam a empurrar Clarice para um território que também se desenvolve precocemente: a escrita. Sabe-se que, ainda menina gostava de fabular e criara uma história aumentada todos dias, sem um fim. No jornalismo, esse fio parece se prolongar. É neste meio que desenvolve amizades com diversos nomes da literatura brasileira, como Antônio Callado, Hélio Pelegrino, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, Alberto Dines e Rubem Braga. Tal proximidade favorece sua vivência noutros jornais; A noite será o primeiro deles.

No mesmo ano que escreve seu primeiro romance, Perto do coração selvagem, em 1943, conhece e se casa com Maury Gurgel Valente. Esse convívio dura quinze anos, pontuados por uma vida agitada - tempos depois Valente inicia suas atividades na diplomacia - e por dois filhos. A estreia literária da Sra. Clarice é logo reconhecida; ainda que não seja uma unanimidade entre os críticos, o livro vale o prêmio da Fundação Graça Aranha. Também não sobrou muito tempo para saber in loco sobre o destino do livro; aqui, só voltará, por um mês, três anos depois para publicar O lustre.

A difícil vida de madame, distante do Brasil e sem a total liberdade para sua grande paixão, não são empecilhos para se manter firme no seu propósito. Sai A cidade sitiada em 1949 e uma década depois vem a separação. Neste tempo de casada. também integra o correio diplomático do Ministério das Relações Exteriores, desenvolve textos próprios ou traduções, para meios como a revista Vamos Ler!, Jóia e  Jornal do Brasil. Mas, depois, vem o tempo de maior efervescência criativa; passa a colaborar assiduamente para os jornais A manhã e Correio da Manhã, onde assina uma coluna de trivialidades femininas com o pseudônimo de Helen Palmer; esse projeto continua depois no Diário da noite, agora como a atriz Ilka Soares. 

E entre atividades no jornalismo e nas traduções, constrói sua obra que avança com os livros: Laços de família (1960); A maçã no escuro (1961); A paixão segundo G. H. A legião estrangeira (1964); Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres (1969), Felicidade clandestina (1971), Água viva (1973), Onde estivestes de noite e A via crucis do corpo (1974) e A hora da estrela (1977). A famosa novela de treze títulos sobre uma jovem imigrante nordestina foi publicada no ano da sua morte.

Considerada, por uns, hermética, e por outros, o grande nome das nossas letras, Clarice é uma das escritoras da literatura brasileira moderna-contemporânea mais estudadas em âmbito nacional e internacional. Deixou-nos uma extensa bibliografia que se multiplicou e muito desde pós-1977; afinal só no ano seguinte sai Um sopro de vida, depois A bela e a fera (1979), Para não esquecer (1978) e A descoberta do mundo (1984).

Multiplicam-se também os livros com material acessório e já agora fundamental para se ter um perfil da sua escrita: as cartas, as entrevistas, os artigos para jornais e mesmo as crônicas femininas de Helen Palmer e Ilka Soares trazidas ao público em duas edições publicadas há quatro anos. Na mesma linha, os estudos biográficos, dos quais são fundamentais destacar Eu sou uma pergunta de Teresa Monteiro e Clarice, uma vida que se conta, de Nádia Battella Gotlib, duas das mais respeitadas especialistas sobre Clarice e a partir das quais todo um vasto universo se descortina na crítica acadêmica sobre a escritora.

Tal como se lê no verbete sobre a escritora para o site da Fundação Casa de Rui Barbosa, "Clarice colocou no centro da sua criação uma linguagem que busca traduzir a vida interior, uma linguagem para a qual o que mais importa é atingir a sensibilidade do leitor". Sua obra tem repercussão cada vez maior fora do Brasil e por essas características agora ressaltadas é que os leitores começam por integrar esse universo às linhas de força do cânone universal, ao lado de nomes como Virginia Woolf, Franz Kafka ou Katherine Mansfield.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boletim Letras 360º #585

Boletim Letras 360º #581

Boletim Letras 360º #579

Boletim Letras 360º #582

A bíblia, Péter Nádas

Boletim Letras 360º #583