Clarice Lispector

Tenho várias caras. Uma é quase bonita, outra é quase feia. Sou um o quê? Um quase tudo.

... eu só escrevo quando eu quero, eu sou uma amadora e faço questão de continuar a ser amadora. Profissional é aquele que tem uma obrigação consigo mesmo de escrever, ou então em relação ao outro. Agora, eu faço questão de não ser profissional, para manter minha liberdade.



Clarice Lispector nasceu em Tchelchenik, na Ucrânia, em 1920; com os pais e as duas irmãs aos dois meses de idade, veio para Recife. A infância é envolta em sérias dificuldades: financeiras e afetivas. Depois da perda da mãe, quando ainda só tinha nove anos de idade, a família se mudou para o Rio de Janeiro. Foi onde estabeleceu sua vida, onde começou a trabalhar como professora particular de português e fez o curso de Direito. Em seguida, começou a trabalhar na Agência Nacional, como redatora. No jornalismo, conheceu e se aproximou de escritores como Antônio Callado, Hélio Pelegrino, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, Alberto Dines e Rubem Braga. Os passos seguintes foram o jornal A noite e o início da carreira de escritora com o livro Perto do coração selvagem (1943) - segundo ela, um processo cercado pela angústia.

Considerada, por uns, hermética, e por outros, o grande nome das nossas Letras, Clarice é uma das escritoras da literatura brasileira moderna-contemporânea mais estudadas em âmbito nacional e internacional. Deixou-nos uma extensa bibliografia, da qual, fundamental, para se ter um perfil da sua escrita são as leituras de A maçã no escuro (1961), A paixão segundo G.H. (1964); A hora da estrela, seu texto mais conhecido, certamente, e já adaptado para o cinema, cuja publicação data de 1977; e as  coletâneas de contos Laços de família (1960), e A via crucis do corpo (1974).

Ligações a esta post:
>>> Milton Hatoum escreve sobre Clarice
>>> Notas sobre A maçã no escuro
>>> Os manuscritos de A hora da estrela
>>> Notas sobre O lustre
>>> O ano de auge de Clarice Lispector
>>> Quando jornalista, Clarice fez muitas entrevistas reunidas neste livro
>>> Dois poemas de Clarice Lispector
>>> Clarice e a pintura

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desta terra nada vai sobrar, a não ser o vento que sopra sobre ela, de Ignácio de Loyola Brandão

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Os segredos da Senhora Wilde

Andorinha, andorinha, de Manuel Bandeira

Boletim Letras 360º #328

Boletim Letras 360º #327

Boletim Letras 360º #325