Teolinda Gersão

 
A escrita é um jogo de sedução.
― Teolinda Gersão, Entrevista a Caras
 
Não somos nada, poeira no vento, silhuetas minúsculas, na imensidão da paisagem.
― Teolinda Gersão, A árvore das palavras
 

Teolinda Gersão. Foto: Sonja Valetina



Os leitores mais atentos às literaturas de língua portuguesa não podem deixar de colocar na lista de importâncias o nome de Teolinda Gersão. Ao lado de outras importantes ficcionistas, ela é autora de uma obra singular e já reconhecida por alguns dos mais importantes meios literários dentro e fora do seu país.
 
Com a profissão de escritora, exerceu durante variado tempo o ofício de professora na Faculdade de Letras de Lisboa e da Universidade de Lisboa. Neste período esteve como pesquisadora e escritora residente em outros lugares, estadias que lhe favoreceu a diversificação dos interesses e das paisagens na sua literatura, que se integra claramente num cosmopolitismo recorrente entre os chamados escritores novíssimos.
 
Dos lugares onde viveu e que desempenharam funções na ficção da escritora estão a Alemanha, o Brasil, Moçambique e Estados Unidos. Vários textos de Os guarda-chuvas cintilantes (1984), por exemplo, datam das primeiras viagens; já Lourenço Marques, a então capital moçambicana, serve de lugar para as circunstâncias desenvolvidas no romance A árvore das palavras (1997).
 
Os dois livros citados demonstram dois dos principais lugares criativos de Teolinda Gersão: o conto e o romance. Sua estreia na literatura é recente e tardia, se comparado o feito entre outros escritores. É, no entanto, coerente com o que se espera de alguém com zelo acentuado pelo exercício com a palavra, afinal, qualquer um que mereça o título de escritor precisa não apenas escrever e publicar, mas estar integrado a um repertório cultural suficiente para fazê-lo encontrar entre os da tradição e os da sua geração seu lugar. Não apenas isso: um escritor é, antes de tudo, um leitor, e a formação de um leitor, embora contínua, tem maturidade sempre tardia. Quer dizer, cada um tem seu tempo certo de estreia quando alcança a segurança que se demonstra no feitio da obra. Além de tudo, há questões que não estão ao nosso controle.
 
Confrontada com a questão do adiamento da escrita, Teolinda responde que, embora nunca parasse de escrever, precisou, antes de tudo, “gerir o tempo”: “só comecei a publicar ficção aos 41 anos, depois de fazer o doutoramento e de minhas estarem crescidas. Tentei encontrar um tempo para cada coisa [...] quando deixei a Faculdade, senti-me muito bem por ter mais tempo para escrever, fazer outras coisas e dedicar-me a outras causas. Mas a escrita é minha causa maior. Leva-me a estar com os outros e a estar atenta ao outro.”1 
 
Foi então em 1981 que Teolinda Gersão estreia na ficção com O silêncio; no ano seguinte publicou Paisagem com mulher e mar ao fundo, um dos seus romances sempre lembrados pela crítica devido a maneira como a narrativa problematiza a história e as ideologias em Portugal pós-1974 e como tais questões misturam-se na composição das identidades individuais. Numa leitura publicada na prestigiada revista Colóquio / Letras, já no ano seguinte ao de aparecimento do livro em Portugal, Catherine Kong-Dumas chama este de um “belo livro” pela maneira como se articulam os interesses de rompimento com uma “paisagem inanimada, impregnada de morte”.
 
Em A árvore das palavras, a escritora continua interessada em construir uma ficção capaz de integrar o que Kong-Dumas chama de “loucas visões” de seu “mundo de visionária” e os temas sociais de “escritora engagée”. Noutras palavras, a literatura de Teolinda Gersão sempre esteve interessada não numa representação da realidade, mas na sua transfiguração, aproximando-se, assim, dos modelos pré-figurados entre nós, latino-americanos, como o realismo maravilhoso ou o realismo fantástico.
 
No romance de 1997, o esforço da escritora é o de acrescentar a esse modelo, a forma do Bildungsroman. Situada num Moçambique colonial, a narrativa acompanha Gita, entre a infância e a juventude forçada a confrontar seus ideais graças aos preconceitos amargos da mãe, uma imigrante portuguesa. São vários os limiares neste contexto de um país à beira de uma guerra: os de raça, os de geração e os de cultura são alguns.
 
Outro título sempre colocado entre os romances de destaque escritos por Teolinda Gersão é A cidade de Ulisses, publicado em 2011. Miguel Real, um dos nomes mais importantes da crítica literária em Portugal, sobretudo acerca das produções contemporâneas, caracterizou este livro como um “vibrante hino a Lisboa”. Enquanto restabelece ligamentos entre o mito, a história e o tempo vigente, este romance investiga o nascimento da capital portuguesa, as transformações mantidas com o curso dos tempos e os sismos dos deslocamentos ou questões do indivíduo. Dentre elas, um tema recorrente na sua literatura: “o confronto entre o homem e a mulher, a castração imposta aos seres humanos pelo Sistema, o medo, a morte, a solidão, o abandono, o sonho, a traição etc.”2 
 
Se parte da engenhosidade criativa para a narrativa longa pode ser descrita a partir desses títulos, o consenso para o seu trabalho com o conto parte da afirmativa recorrente entre crítica que destaca Teolinda Gersão como a mais importante contista do entre-séculos português. Nesta forma, publicou Histórias de ver e andar (2003) e A mulher que prendeu a chuva (2007). Pelos títulos, principalmente este segundo é possível compreender o interesse da escritora por outras dimensões da realidade, aquela precisamente feita da imaginação fabular.
 
Fica, dessa maneira, um pequeno registro para buscarmos conhecer melhor essa obra significativa para as nossas listas de leituras.
 
Notas
1 Entrevista a Marta Vaz, 22 de novembro de 2012, publicada na revista Focus Social.
 
2 A afirmativa é de Maria Inês de Moraes Marreco em “Teolinda Gersão: uma contista portuguesa com certeza” (Letras de Hoje, Porto Alegre, n.4, vol. 47, p.430-436, out.dez.2012). 

* As duas inserções registradas nas notas foram realizadas na revisão deste texto em 30 de janeiro de 2013.

Comentários

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

Boletim Letras 360º #592

A rainha dos cárceres da Grécia, de Osman Lins

Boletim Letras 360º #586

Boletim Letras 360º #593

Dois sherpas, de Sebastián Martínez Daniell

O visitante, de Osman Lins