Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

Biblioteca Mindlin - Um mundo em páginas



José Mindlin. Apaixonado pelos livros, o jornalista, advogado e empresário reuniu, em mais de 80 anos de garimpagem, quase 40 mil títulos e raridades de valor inestimável, além de uma rara e rica coleção de gravuras, a única que se tem notícia no Brasil.


O filme-documentário já teve em cartaz na TV Brasil e na TV Escola. Trata-se de um filme que antes de servir ao registro de uma das personalidades mais significativas para a cultura do livro no Brasil é um gesto de homenagem ao bibliófilo José Mindlin e que depois de ser homenagem é um gesto de beleza artística em que dialogam num mesmo território mundos diversos, vozes diversas. E exala e pulsa, sobretudo, literatura.

Sob direção de Cristina Fonseca, o filme conta a história de José Mindlin e de sua fantástica biblioteca de livros raros, uma das maiores e mais importantes bibliotecas particulares do Brasil e da América Latina, dando foco a preciosidades inestimáveis que dão conta da formação histórica e literária no país. Apaixonado pelos livros, o jornalista, advogado e empresário reuniu, em mais de 80 anos de garimpagem, quase 40 mil títulos e raridades de valor inestimável, além de uma rara e rica coleção de gravuras, a única que se tem notícia no Brasil.

O documentário foi gravado em três países diferentes - Brasil, França e Portugal. Discute a questão do livro e sua história, o modernismo literário brasileiro, com ênfase para a proximidade de Mindlin com escritores como Mario de Andrade, Carlos Drummond de Andrade, Guimarães Rosa, Graciliano Ramos, João Cabral de Melo Neto, as vanguardas literárias do Brasil e da França, do Concretismo e do livro objeto e ainda a relação do livro com o cinema e com a música.

Vi esse filme também como uma rica peça de arte ou um poema imagético, tão rico quanto os poemas do concretismo, tecido por um coro de vozes que se entrecruzam e criam uma espécie de livro eletrônico que conta, através da biblioteca e suas obras, um pouco da própria história do livro. A oralidade, representada pela literatura dos Índios Xavantes, desemboca na invenção de Gutenberg e finda nas últimas experiências mais radicais na área, como a informática.

Do coro de vozes destacam-se a do próprio bibliófilo José Mindlin, a da cantora Maria Bethânia, a do Nobel de Literatura José Saramago, a do roteirista Jean Claude Carrière, a do poeta Haroldo de Campos, além dos intelectuais Antonio Candido, Arlindo Machado e Boris Schnaiderman. Um exercício de ver, vê-se, indispensável!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Boletim Letras 360º #308

Boletim Letras 360º #309

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

Os melhores de 2018: prosa

O excesso que vive: Mac e seu contratempo, de Enrique Vila-Matas