Preencha o formulário para participar da promoção. Se você não chegou aqui pelo Facebook, não deixe de findar sua inscrição cumprindo o restante do regulamento desta promoção.

Comer, rezar, amar, de Ryan Murphy

Por Pedro Fernandes

A beleza e o talento de Julia Roberts não são suficientes para decolar o filme

O filme é uma releitura do Best-Seller duvidoso Eat, Pray, Love: One Woman’s Search for Everything Across Italy, India and Indonésia de Elizabeth Gilbert. No filme, o centro dos holofotes para a protagonista vivida por Julia Roberts. O estrelismo de Julia entretanto não fez o filme decolar. Comer, rezar, amar finda sendo um filme clichê mais parecido com um catálogo de auto-ajuda do que um drama, no sentido do termo.

Após uma separação, a protagonista lança-se numa aventura em busca de outros prazeres que venham (por que não pensar assim) substituir os prazeres da carne. Apenas o voto de luxúria não é apresentado, assim, desse modo, tão escrachado que falo. Mas a verdade é que o prazer pela comida vem como elemento, ou verbo primeiro que, além de substituir o outro verbo, amar, vem para se não, amenizar tal o verbo, já que o que prevalece, no meio de tanta comilança e reza, é o amor, seguindo, é óbvio, o clichê de que sem amor ninguém é alguém.

Na insatisfação do paladar e sentido-se esvaziada de si, algo, aliás, extremamente normal para os sujeitos contemporâneos, diria Hall, entra em cena o segundo verbo ativo: rezar. Se o primeiro verbo se degusta em terras de Itália, pela famosa fartura de sua cozinha, este segundo verbo vai se passar na Índia, terreno por demais minado de ponta a ponta por uma leva de crenças religiosas. Nesse estágio a protagonista já está a par daquilo que poderá ser a grande virada na sua vida, marcando-se, claro, um momento de reflexão e de reconstrução espiritual e psicológica. E comendo e rezando que ela poderá alcançar o sublime dos dois verbos - afinal, comer e rezar, cabem, ajustadamente no verbo terceiro: amar. Verbo-prova-dos-noves. Juntando-se as particularidades do comer e do rezar, cabe, é claro, re-ver a possibilidade de por um equilíbrio à balança sentimental.

De modo que, olhando assim, havemos de entender um estágio de impecável para o enredo e também para a vida de Liz - é o apelido carinhoso da dita protagonista. Mas, isso não é o suficiente. Há que ver o filme para perceber que os estágios verbais são macentos e apáticos, salvando-se, quando muito, as tomadas de câmera pelos países visitados pela protagonista. O perfil imagético do filme, creio, leva-nos ao alcance do sentido dos verbos, muito diferente, das suas vivências pela personagem central. Mas é só: no fim de contas tudo acaba se perdendo em meio a uma cansativa e arrastada narrativa.

E parece que, também, pelo menos esse foi meu sentimento, perde-se a própria natureza dos verbos, principalmente quando entra em cena, e cena-clichê, um homem a príncipe encantado (brasileiro-false vivido pelo Javier Barden), bem ao estilo Hollywood; e, por isso, vai este filme para aquele rol que venho montando aqui, de alguns dos filmes não-brilhantes mas que carecem de um comentário.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

11 Livros que são quase pornografia

Os muitos Eliot

Uma entrevista raríssima com Cora Coralina

Além de Haruki Murakami. Onze romances da literatura japonesa que você precisa conhecer

Boletim Letras 360º #308

Boletim Letras 360º #309

As melhores leituras de 2018 na opinião dos leitores do Letras

Os melhores de 2018: prosa

O excesso que vive: Mac e seu contratempo, de Enrique Vila-Matas