Cantigas de um velho tempo para um novo tempo



Cancioneiro da Ajuda. Iluminura "Nobre, jogral com cítola, executante de pandeiro redondo com soalhas exteriores" Fonte:  Projeto Cantigas Medievais Galego-Portuguesas



Nota: Revirando algumas coisas que guardo anotadas desde meu período de Graduação em Letras, encontrei um texto que rabisquei sobre a importância de se estudar as cantigas trovadorescas. Os rabiscos foram feitos no fim do curso de Literatura Portuguesa I. A ideia é boa, mas o texto é ruim ao ponto de não merecer uma publicação. Quem sabe com a experiência (cambaleante) que tenho hoje com o verbo escrito venha a escrever esse texto, de verdade, e mandá-lo a algum jornal. Fica, entretanto, na ideia. Mas, veja bem, não introduzi esta post com essa historieta para falar dos malogros com esse texto, mas sim porque faz uns vinte dias que tenho explorado um projeto virtual inédito e digno de ser comentado e noticiado em quaisquer pedaço de pergaminho, em papel ou online (Pedro Fernandes).

Trata-se do projeto Cantigas Medievais Galego-Portuguesas, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Estão aí, na sua totalidade, as cantigas medievais presentes nos cancioneiros galego-portugueses (são cerca de 1680), que chegaram até nós a partir de três grandes recolhas trovadorescas: o “Cancioneiro da Ajuda”, o “Cancioneiro da Biblioteca Nacional” e o “Cancioneiro da Biblioteca Vaticana”. 

Além desses textos, o visitante tem a possibilidade de acessar glossários, biografias, música (aqui, ouvindo até algumas adaptações). O trabalho de musicalização, creio, é o mais belo. Somos transferidos para um tempo outro. Aí estão as maravilhas (uma das) da infinita página da web. O leitor não apenas ouve, como tem acesso a pauta e informações sobre os autores e os intérpretes. 

A base de dados do projeto disponibiliza ainda informações acerca dos autores trovadores e jograis medievais que vão desde Abril Peres até Vidal e sobre as personagens e lugares referidos nas cantigas. O pequeno tratado de poética trovadoresca que abre o “Cancioneiro da Biblioteca Nacional”, e que se chama “Arte de Trovar”, também é outro achado nesse portal.

O projeto é resultado de três anos de trabalho que vai de outubro de 2007 a outubro de 2010 e coordenado pela comissão científica constituída pela professora do Departamento de Estudos Portugueses Graça Videira Lopes, pelo professor associado do departamento de Ciências Musicais Manuel Pedro Ferreira e pelo professor, escritor e poeta Nuno Júdice.

Para acessar a ideia, vá aqui


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Matei um cachorro na Romênia, de Claudia Ulloa Donoso

Boletim Letras 360º #578

Boletim Letras 360º #572

Seis poemas-canções de Zeca Afonso

Boletim Letras 360º #579

Boletim Letras 360º #577