Corra!, de Jordan Peele


Por Pedro Fernandes



Corra!, à maneira de Mother!, de Darren Aronofski é uma narrativa alegórica. Os termos se justificam pela ordem comum que designa o conteúdo da alegoria como a demonstração de algo para significar outra coisa. É caso de sublinhar ainda o filme de Jordan Peele como constituído por uma narrativa de corte kafkiano. E como o alegórico não é utilizado aqui de forma gratuita, também a menção à atmosfera do universo de Franz Kafka não é produto de uma mera comparação. Isso porque os elementos do onírico, do absurdo e da burocracia, para citar três das determinantes kafkianas, são encontrados na composição de uma trama cujo interesse é de reativar o debate contínuo e necessário acerca da questão racial, sobretudo num país que nunca foi um bom exemplo sobre, os Estados Unidos – não que este tema seja recorrente apenas aí, afinal o racismo encontra-se em toda parte, mas é que não deixará de vir à memória coletiva a aguda segregação praticada neste país mesmo depois das leis civis que asseguraram a reintegração da unidade social.

Daí que as limitações impostas pelas classificações de gênero segundo as quais Corra! é ora um filme de terror ora um thriller de suspense são vagas e inúteis. Isso porque a presença dos elementos que melhor o aproximam do suspense – jamais do terror – são insuficientes à explicação dos sentidos propiciados pela narrativa fílmica, sobretudo, porque limitam esta ao arcabouço racionalizante que zela pela compreensão das situações narradas apenas na superfície dos acontecimentos. Perde-se, assim, totalmente a ideia propiciada por esta narrativa de que os tais fatos narrados não estão nesse nível mas numa interioridade da personagem principal, condição, aliás, não imposta pela interpretação, mas pela maneira como o diretor propositalmente rompe com o que seria uma narrativa em uma camada pelo que aos olhos do espectador ingênuo se mostra como irreal e que julga ser uma sobreposição de um enredo comum por outro à maneira de uma ficção científica.

Basta notar o que sustenta essa ruptura na ordem geral da narrativa: tudo se inicia com o sonho de Chris em que as impressões colhidas nas primeiras convivências com a família de sua namorada levam-no à certeza de que foi hipnotizado pela mãe da garota. Estruturalmente se oferece ao espectador a possibilidade, então, de que os acontecimentos pertencem a um plano que não o da superfície empírica. O que observamos é uma sorte de situações reveladoras, tal como o pesadelo do jovem sobre a morte da mãe durante a infância, sobre sua condição de alheado num mundo onde a convivência harmoniosa entre brancos e negros não é sinônima de apagamento total das conturbadas relações assumidas pelos imperativos que história passada e atual não param de revelar. Nesse sentido, Jordan Peele destaca propositalmente o olhar de seu protagonista; e como este ainda parece insuficiente para os que não captam sutilezas, Chris tem como hobby a fotografia – esta que capta o que os olhos comuns não veem e ainda reduz contextos mais amplos a uma miniatura, propondo-nos claramente que estamos guiados por um recorte propiciado pela visão imaginativa da personagem principal.

Como exterior e interior mantêm relações de projeção, nota-se que o trivial do universo empírico alcança outra dimensão pelas lentes da interioridade: assim, a frase solta de Rose de que sua família é livre de preconceito e até o pai votaria novamente no Obama, o atropelamento de um veado na viagem para a casa dos pais de Rose, o trabalho da mãe da jovem de hipnose revelado como favorável à mudança de hábitos do marido quanto ao cigarro, a aparente harmonia entre a família branca com empregados negros, a história do irmão da namorada de Chris, totalmente marcada pelas infiltrações racistas, de que a genética do rapaz tem influência no seu porte físico e o favorece para a luta, o encontro de Chris numa recepção familiar com um cego fotógrafo e outro negro em condição parecida com a sua, casado com uma branca, ganham contornos nesse mundo, digamos, à parte que se desenvolve como um roteiro de ficção científica em que uma seita de brancos estaria interessada, pelas condições genéticas favoráveis aos negros, em utilizá-los como resolução das limitações que aqueles julgam lhe pertencer. Quer dizer, Corra! incorpora na sua narrativa toda sorte de enunciados que mesmo negando não ser racista carrega em sua ordem o que se nega. Apenas a percepção aguçada do que carrega no corpo – imaginário e histórico – tais marcas é capaz de sublinhar essa ordem interna das coisas e é nela onde se situa o protagonista do filme de Peele.

Se o plano estrutural de Corra! – perfeitamente elaborado – responde que o seu interesse é pela interioridade simbólica dos enunciados ainda for insuficiente para os que se apegam cegamente à superfície do visível, então, que se note propositalmente as chaves espalhadas ao longo da narrativa que justificam a correlação entre exterioridade e interioridade de seu protagonista. Aqui se destaca quão é fundamental o papel do amigo de Chris, que para estes que se prendem apenas à superfície do visível, é ela somente a repetição do tipo negro piadista que Hollywood há muito estereotipou. É Howery quem faz com que toda a condição de alheado do amigo se transforme na história nonsense por ele vivida e com isso possa assumir de vez um papel de herói que sua condição duplamente lhe nega: por ser negro e por ser funcionário de uma corporação que cuida da segurança e do controle de imigração nos Estados Unidos, esta sempre tida como apenas uma pedra no meio do caminho dos que passam pelos aeroportos estadunidenses. Howery justifica que Chris é vítima de uma seita de brancos interessada em transformar negros em escravos sexuais; ele insinua que a realidade na qual o amigo se insere é nada mais que um mundo à parte, qual o universo de Os outros, o filme de Alejandro Amenábar em que todo universo claustrofóbico que aí se anima é marcado pela condição de que tudo pertence não mais à ordem visível da existência. Existirão outras chaves, mas esta última, sobretudo reanima a leitura aqui proposta.

Muitos outros elementos poderiam servir de continuidade à compreensão de Corra! o que só justifica a riqueza dessa narrativa, além de se inseri-la, muito confortavelmente, entre as criações ficcionais que dão brio, pela inteligência, a se pensar sobre o que se mostra e o que se oculta ou o que se oculta quando se mostra nos dizeres, nas condutas, de nós com os outros, sobretudo quando estes são os que estiveram subjugados por uma cultura que em algum momento sempre visou tão somente a segregação, o apagamento e o silenciamento porque, numa visão deturpada, o outro não se enquadra em seus padrões justificados das maneiras mais vis e estapafúrdias. E porque tais modelos ainda têm suas raízes muito bem alimentadas no nosso mundo contemporâneo Corra! é um filme negligenciado. Mas a garantia de obras assim é que logo se tornam objeto simbólico fundamental para a revisão de nossos modos de ver e estar no mundo – o valor maior de toda alegoria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Breve elogio do sexo

"Minha salvação é a literatura". As cartas do jovem Roberto Bolaño

Dostoiévski: amor, patologia e desordem

Félix Krull e o jogo de identidades

Nenhum olhar, de José Luís Peixoto

Sylvia Plath para crianças

Amor, casais e casamentos em William Shakespeare (1)

Emily Brontë, 200 anos de desafio e vigência de uma autora clássica

O profeta James Baldwin