O eleito, de Thomas Mann

Por Pedro Fernandes



É curioso que O eleito não figure, de imediato, entre as obras mais importantes de Thomas Mann; curioso, mas compreensível para quem escreveu Doutor Fausto, Os Buddenbrook, A montanha mágica ou José e seus irmãos, obras de grande fôlego que juntas atentam contra toda impossibilidade de realização de um só homem. A monumental obra do escritor alemão atesta, aliás, o verdadeiro sentido de um termo hoje tão depreciado quanto o gesto de ser aplaudido de pé depois de um espetáculo – gênio. Há quase duas décadas fora de catálogo no Brasil, a obra é reapresentada e abre-se, assim, outra possibilidade, a de redescoberta, nesse caso diferenciada, que é a de compreendê-la parte importante do amplo universo de um criador exponencial. As razões para tanto são diversas, mas basta que se diga uma delas: neste romance está toda a técnica do escritor e é, portanto, uma oportunidade valiosa para os que ainda estão à beira de percorrer suas maiores invenções.

História, mito e fantasia atuam neste romance e formam uma unidade cujo resultado é uma narrativa de matizes e profundidades diversas. Thomas Mann visita o passado medieval alemão e recria à maneira que só é capaz pela ficção imaginativa a história de um papa chamado Gregório (possivelmente Gregório V, o homem que subiu ao papado entre 996 e 999 precocemente e que findou envenenado possivelmente pelos partidários do papado anterior); no posfácio preparado para esta edição de O eleito, Walnice Nogueira Galvão, assinala que o escritor alemão tomou o enredo “daquele caldo de cultura que foi a lenta desagregação da herança da Antiguidade e o nascimento das literaturas em vernáculo”; assim, este romance teria como fonte Hartmann von Aue, poeta do século XII nas cortes da Suábia e autor de novelas de cavalaria em versos derivadas de Chrétien de Troyes. “Gregorius ou O bom pecador (Gregorius oder Der gute Sünder) descende da Vie de Saint Grégoire francesa, também do século XII, imensamente popular e popularizada, logo copiada e glosada em inúmeras línguas, à moda do tempo”. À história e à ficção, o escritor revisita a própria literatura da época que registrou o que se formou enquanto matéria cultural e imaginário acerca desta figura, entrevista por pelo menos dupla via: uma reencarnação dos poderes divinos na terra ou o produto não menos miraculoso do demônio que deu graças a uma personagem que na sua gênese foi um enjeitado de Deus e dos homens seus fiéis.

Tudo nessa biografia com traço hagiografia (ou hagiografia desconstruída) é grandioso. Logo, é com a mesma força que Mann escolhe a maneira de contá-la e a linguagem para tanto. Apropria-se de toda a tradição literária medieval – dos escritos de religiosos do cárcere monasterial, da novela de aventura e cavalaria, da tradição dos textos de reflexão filosófico-cristã. A primeira apresentada pela própria voz da narrativa, assim como ela própria se designa e se institui maliciosamente ao longo do texto constituindo um fio metaliterário que alinhava o enredo do romance; a segunda presente no tom e nas situações evocadas; e a terceira, alinhavada entre as presenças em primeira pessoa da voz narrativa, espécie de olho pedagógico que aí se infiltra e tenta oferecer ao leitor certa moral dos acontecimentos narrados. Soma-se a isso certo caráter travesso e zombeteiro com que algumas situações são trabalhadas, a começar pela instância que as rememora: alguém que reafirma continuamente sua relação respeitosa e circunspecta com o sagrado, mas que não deixa de cometer certos deslizes – seja o de se admirar com a rica genitália de Víligus, o futuro pai de Gregório, seja a vida mundana dos homens para a força bélica ou a disputas de força.



Mas, por que razão o escritor dedica-se ao ardiloso trabalho de reengendrar o mito e a história para rejuvenescer a história deste homem? Com riso no canto lábio, o narrador de O eleito responde que bem poderia contar qualquer outra história, mas esta é de grande moral edificante e bem mais humana que as já conhecidas narrativas de conversão. Qualquer razão poderá servir de resposta a esta pergunta, incluindo a grandiosidade do biografado. Mas, é muito provável que tenha sido outro e não especificamente este o motivo principal de Thomas Mann para a escrita do romance. Atencioso às ambivalências da alma humana, no quanto essas criaturas padecem no mundo de um destino com o qual elas não têm muitas vezes possibilidade de escolha e desafiador do ideal cristão oferecido por certas alas do cristianismo, pareceu-lhe interessante (ao menos aos nossos olhos) reavivar uma história designada para o fatalismo e com resultado totalmente oposto – e ainda melhor, completamente invisível aos olhos dos de seu tempo, como se uma dessas ciladas propositais dos deuses que vez ou outra dizem que a verdade está embaixo de nossos olhos mas não conseguimos fazer caso e as situações decorrem do seu bel-prazer.

Gregório, como vimos chamando, ou Gregorius, como chama o narrador, ou ainda Grigoross e Gregórjos, Gregor com o é identificado pelas outras figuras em passagens distintas da narrativa, apesar herdar seu nome de batismo do monge que toma para si as vezes de preceptor, não deixa, por força indesculpável do destino de carregar consigo a herança de maldição de seu passado. A etimologia discerne que Gregorius em latim significa Vigilantus, isto é, vigilante, mesmo radical do nome de seu pai, Víligus – embora ninguém no tempo do batismo saiba ao certo a história do bebê ou a família de sua gênese.

É que a personagem principal desse romance é fruto do incestuoso relacionamento entre os gêmeos filhos do casal Grimaldo e Baduhenna. Presos numa redoma de narcisos, a culpa deixada pelo pai de Gregório recai sobre o filho proibido que depois abandonado se descobrirá um alheado na terra, incapaz de se compreender enquanto totalidade e impulsionado a reinaugurar o périplo da errância a fim de, simultaneamente, reconhecer-se enquanto homem entre homens e livrar-se da culpa herdada do erro dos pais.

A este tema que nos remete de imediato ao Sófocles de Édipo rei – o rito da narrativa, aliás, perfaz, por vias diferentes o mesmo caminho da tragédia grega – soma-se ainda a desconstrução da ideia de desígnio divino ou maldição diabólica. Tanto que, ao fatalismo do destino – ou daquilo que a consciência humana designa enquanto tal, já que o filho do narcisismo, da luxúria e que desafia todas as ordens morais e religiosas, entregue ao destino é, depois de sobreviver a todas as alcunhas designado como o “o eleito”; ou o escolhido de Deus, se formos ao sentido do termo que intitula este romance, retirado do que significa o rito papal. É, logo, para repetirmos a voz da narrativa, sem cairmos nas suas ardilosas ciladas, qual história seria mais edificante que esta – a da contradição dos desígnios divinos? Quer dizer, se por um lado o contraditório refunda o triunfo do sentido para a sentença segundo a qual Deus escreve certo por linhas tortas, por outro, se coloca em xeque toda a tradição do pecado e reitera o homem enquanto parte fundamental pelas rédeas de seu destino.

Se olharmos sobretudo para o segundo périplo que levará Gregório à santidade, logo reconheceremos como por sob o ideal de libação moral da carne e do espírito se mostra certo desafio ou mesmo brincadeira do herói para com Deus. Thomas Mann volta à tradição do herói épico e seu papel de questionador a ordem imposta pelos deuses, mas, agora, para colocar em cena o homem em questão a Deus, abalando a estrutura da noção de homo religiosus ou da ideia de santificação do homem pela observação autopunitiva, piedosa e redentora daqueles outros que antecederam.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos da Senhora Wilde

Boletim Letras 360º #315

Anatomia do ócio, de R. Leontino Filho

Outra volta do cânone

Os mistérios de "Impressão, nascer do sol", de Claude Monet

Casa na duna, de Carlos de Oliveira

Um romance sobre horror nazista recuperado depois de oito décadas