O blues inútil para Kublai Kan e útil para o mercador de fato preto


Por Wagner Silva Gomes



Na obra de Sérgio Blank, poeta que publicou os seus seis livros em 2011 compilados n'Os dias ímpares, é visível o estilo pop condicionado a "um freezer no lado esquerdo do peito" - para citar um verso do poema de A tabela periódica (1988 -1993) -, condicionado a "Luz para o olhar", a "Os olhos do espelho", de seu dia útil e "estilo de ser assim, tampouco" (1980-1984). 

Seu lugar de poeta é um hiato, uma "chama rival na mesma VÍRGULA um toco" de onde diz do "Azul o vermelho o amarelo": "posso pontilhar todo um prisma / eu e meus olhos e meus pleonasmos". É o pop de "o sucesso no isqueiro / gang de fumaça azul e cinza". Se os dias que passam no prisma dos olhos são aparentemente mesmices, Sérgio nos mostra que o que sai da fumaça azul e cinza e ele pode revelar é algo digno do mercador e explorador veneziano Marcopolo, que convocado por Kubai Klan, imperador mongol, não sabe se como preso ou como conselheiro, mas cuja "guimba em Vitória" é de um gangster pop cuja sabedoria provinda das águas pode fazer que gangues levantem fumaça e sumam para que reine a poesia, como um projétil do céu que faz florescer o chão pode ser o pop embalado na chuva simples. Por que a Vitória em uma guimba não é uma Vitória sem dono, sem preço, e sem marcas, em Blue Sutil parece imperar esta guimba descrita acima, tirada daquela velha guimba de outro livro (A tabela periódica, 1988-1993), e que faz fumaça no azul da poesia pura na crônica do dia, como se o peso da guimba não mais existisse e a vida estivesse cem por cento cotada pra gente aproveitar.

Sérgio Blank nos mostra em Blue sutil (2019), seu sétimo livro, a poesia oral de quem conta a alguém o que vê. "Ouço o vendedor de quebra-queixo e seu improviso de jazz", diz ele, mal sabendo quem ouve que ele próprio é um mercador que tem em alta conta as raridades culturais que encontra, à vista de todos mas difíceis de valorar na sua valia poética. Porque: "morar no subúrbio permite a possibilidade de certas regalias". Quem ouve o poeta não tem certeza de quem seja ele, nem que é um poeta. "E meu coração suburbano coleciona pontos-de-interrogação".

Conta ele sobre o relicário que viu na solidão perdida dos novos tempos: "Tirei a solidão que estava guardada na gaveta e lavei. Esfreguei a solidão no tanque com sabão de coco. Coloquei a solidão no varal do quintal e está quarando ao sol. O vento levanta a saia da solidão". 

Kublai Klan ouve e fica curioso em saber que solidão é essa. Ele tortura Sérgio porque acha que ela está com ele e a quer. Ele está certo, ela está com o poeta. Mas não está com ele como pensa um imperador. Kublai Klan não está preparado para a solidão de Blue sutil.

Mas alguém que estava preparado observa escondido, é um moleque que é cria na vivência das ruas. Ele diz pensando: "vi poucos silêncios tão belos. E nem sempre que vi pude ver com tamanha clareza. Será o céu a maior joia que temos? Ou o mar?" A quem Sérgio conta o que viu? Ainda procuro esse ser humano. Nestes dias de calor à flor da pele esse blues é mais que útil. 

O moleque sai à rua e não quer mais fazer parte de nenhuma gangue. Ele está com Blue sutil e vê: "A padaria do bairro vende sonhos feitos por encomenda. Senti um gosto de infância interrompida no pão doce." Porque um amigo chega pra lembrar que eles não têm dinheiro. 

Mas o amigo também tem Blue sutil e diz: "Tenho por hábito colecionar gentilezas recolhidas no cotidiano. Guardo no bolso da camisa um punhado de poemas para cada susto que a vida oferta. Esse é o meu maior e mais caro segredo. E talvez meu pecado de estimação".

Os garotos vêem em Sérgio um guru e comungam com ele do "freezer no lado esquerdo do peito". Registram a marca de um novo azul blues útil em segredo e está bombando mais que em Breaking Bad. Eles formam uma gangue que vende a luz que mela o dia, produzida com o hiato de Sérgio em Estilo de ser assim, tampouco com epígrafe de Luiz Melodia, e então eles "largaram um toque no mundo / que tudo acaba / mas não passou de ilusão, ilusão, ilusão". Em sua gangsta que destronou Kublai Klan e que vai destronar o pop imperialista tem: Mano Brown, Jhon Conceito, Emicida, Jânio Silva, Sérgio Vaz, Juplin Jones, Marcelo D2, Lucas Benevides, Skunk, Jorge Nascimento, Bnegão, Baco Exu do Blues, Ira, Ferréz... e eu, que também vivi com o blue sutil.

As cidades invisíveis de Ítalo Calvino reveladas por Sérgio Blank no que diz respeito a ordem do dia é realidade nos espaços onde se reivindica a poesia como projeto urbanista. Diz o poeta: "Risque o meu nome do Mapa". Seu nome é o de uma rua e é mais importante que exista outra, então, que seja riscado. Que a rua seja medida com a sílaba métrica do verso para que Blue sutil vire um blues útil, onde está o hiato de Sérgio, onde estão os moleques reunidos. "A cidade insiste com seus morros à parte / eu visto um fato e busco o sereno", já dizia em VÍRGULA (1993-1996). O fato é preto e um deles é o de Luiz melodia, que vê o blues chegar na rua útil e sutil sobre o azul.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Boletim Letras 360º #432

Eu hei-de amar uma pedra, de António Lobo Antunes

Festa no covil, de Juan Pablo Villalobos

Os mistérios de “Impressão, nascer do sol”, de Claude Monet

Dom Casmurro, de Machado de Assis

Reimaginando Dom Quixote